“Flagrantes Políticos”: representação política partidária da sucessão governamental piauiense no jornal Folha da Manhã em 1958

Nilsângela Cardoso Lima

Resumo


O presente trabalho analisa a secção “Flagrantes Políticos” do jornal Folha da Manhã e a representação política partidária da sucessão governamental piauiense em 1958. Tendo como proprietário o deputado federal Marcos Parente (UDN), o diário manteve uma linha editorial muito afinada aos interesses políticos dos udenistas e, por isso, marcava oposição ao governador do Piauí, Gen. Jacob Manoel Gayoso e Almendra, do PSD. Com base na teoria do jornalismo e na metodologia da Análise do Discurso foram analisadas as matérias publicadas na secção “Flagrantes Políticos” de janeiro a abril de 1958, que tratam sobre a situação do PSD do Piauí e os bastidores do situacionismo nos quais os partidos e os grupos políticos se preparavam para a campanha eleitoral de 3 outubro. Assim, verifica-se que a Folha da Manhã inscrevia sobre si e para o leitor um jornalismo de credibilidade pautado na retórica da verdade dos fatos e dialeticamente se colocava como arma política para enfrentar a batalha discursiva nitidamente partidária que travou com os demais jornais de Teresina no período recortado para estudo.

Palavras-chave


Política; Análise do discurso; Jornalismo

Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS, Hosana Tenório. “Coluna televisão” e a prática discursiva de Simplício De Sousa Mendes no jornal Folha da Manhã (1958-1964). 2019. 155f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2019.

ATITUDE injustificável. Folha da Manhã, Teresina, ano 1, n. 158, 15 abr. 1958. A verdade dos fatos, p. 1.

BARBOSA, Marialva. História cultural da imprensa: Brasil, 1900-2000. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

BELTRÃO, Luiz. Iniciação à filosofia do jornalismo. Rio de Janeiro: Agir, 1960.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

BOURDIEU, Pierre. Contrafogos: táticas para enfrentar a invasão neoliberal. Tradução Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

CARVALHO, Orlando M. Os partidos políticos nacionais e as eleições parlamentares de 1958. Revista Brasileira de Estudos Políticos, Belo Horizonte, n. 8, p. 9-19, abr. 1960.

CASTRO, Francisco Ferreira. A campanha eleitoral de 1958 no Piauí. Revista Brasileira de Estudos Políticos, Belo Horizonte, n. 8, p. 9-19, abr. 1960.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 15. ed. São Paulo: Globo, 2000.

FLAGRANTES. Folha da Manhã, Teresina, ano 1, n. 152, 8 abr. 1958. Flagrantes políticos, p. 1.

FOLHA DA MANHÃ. Teresina, ano 1, n. 97, 26 jan. 1958a. Flagrantes políticos, p. 1.

FOLHA DA MANHÃ. Teresina, ano 1, n. 110, 11 fev. 1958b. Flagrantes políticos, p. 1.

FOLHA DA MANHÃ. Teresina, ano 1, n. 113, 14 fev. 1958c. Flagrantes políticos, p. 1.

FOLHA DA MANHÃ. Teresina, ano 1, n. 117, 21 fev. 1958d. Flagrantes políticos, p. 1.

FOLHA DA MANHÃ. Teresina, ano 1, n. 123, 28 fev. 1958e. A verdade dos fatos, p. 1.

FOLHA DA MANHÃ. Teresina, ano 1, n. 135, 14 mar. 1958f. Flagrantes políticos, p. 1.

FOLHA DA MANHÃ. Teresina, ano 1, n. 141, 21 mar. 1958g. Flagrantes políticos, p. 1.

FOLHA DA MANHÃ. Teresina, ano 1, n. 142, 22 mar. 1958h. Flagrantes políticos, p. 1.

FOLHA DA MANHÃ. Teresina, ano 1, n. 147, 28 mar. 1958i. Flagrantes políticos, p. 1.

FOLHA DA MANHÃ. Teresina, ano 1, n. 158, 15 abr. 1958j. Flagrantes políticos, p. 1.

FOLHA DA MANHÃ. Teresina, ano 1, n. 159, 16 abr. 1958k. Flagrantes políticos, p. 1.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. 19. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2009.

FREITAS, José Gayoso. Formação social e política do Piauí. Revista Política, Brasília, n. 7, jan./mar. 1978.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Tradução Carlos Nelson Coutinho. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004. v. 2.

HIPPOLITO, Lucia. De raposas e reformistas: o PSD e a experiência brasileira (1945-64). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

LIMA, Nilsângela Cardoso. Relações de poder e práticas jornalísticas em O Dia, A Cidade e Jornal do Piauí (1951 a 1954). 2014. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2014.

LIMA, Flávia de Sousa. Imprensa e discurso político: as disputas pelo poder no governo de Chagas Rodrigues (Piauí, 1959-1962). 2011. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.

MELO, José Marques de. A opinião no jornalismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1985.

NASCIMENTO, Francisco Alcides do. A revolução de 1930 no Piauí: 1928-1934. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves, 1994.

NASCIMENTO, Osvaldo Soares. Esboço de um projeto de desenvolvimento. Revista Econômica Piauiense, Teresina, v. 1, n. 2, abr./jun. 1957.

O PROBLEMA sucessório. Folha da Manhã, Teresina, ano 1, n. 149, 30 mar. 1958. A verdade dos fatos, p. 1.

RIBEIRO, Ana Paula Goulart. Imprensa e história no Rio de Janeiro dos anos 1950. Rio de Janeiro: E-papers, 2007.

RÜDIGER, Francisco. Tendências do jornalismo. Porto Alegre: UFRGS, 1993.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo, porque as notícias são como são. 2. ed. Florianópolis: Insular, 2005. v. 1.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da imprensa no Brasil. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1983.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2020v13n25p482

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS