Conhecimento e mendicância como epicentro do embate entre Boaventura de Bagnoregio e Guilherme de Santo Amor no século XIII

Terezinha Oliveira

Resumo


O objetivo desse artigo é refletir sobre o embate travado na Universidade de Paris entre os mestres seculares e os mestres mendicantes. Essa querela ocorreu porque os seculares sentiram-se ameaçados com a entrada dos mendicantes na Universidade. Para realizar essa reflexão, elegemos como fontes para o estudo o escrito de Guillherme de Santo Amor intitulado Tractatus brevis de periculis novissimorum temporum (Breve tratado sobre os perigos dos últimos tempos) como representante dos mestres seculares e três escritos de Boaventura de Bagnoregio Cuestiones disputadas sobre la Perfeccion Evangélica, A perfeição da vida e Itenerário da Mente para Deus. No epicentro dessa disputa estavam a mendicância e o conhecimento. A partir desses duas questões, os contentadores escolheram como arma de combate a pena e a Universidade tornou-se a liça. Procuraremos explicitar que, por meio desses escritos, poderemos compreender as mudanças sociais e teóricas que ocorriam no Ocidente medieval, colocando na ordem do dia uma nova visão de mundo, da qual os mendicantes eram seus expositores. Observamos, também, que nossas reflexões considerm os escritos da perspectiva da história social e teremos a memória como nosso fio condutor.


Palavras-chave


Intelectuais; Memória; Universidade; Franciscanismo; Mendicância

Texto completo:

PDF

Referências


APERRIBAY, Fr. Bernard. O.F.M. Introdução. In: BONAVENTURA DE BAGNOREGIO. Cuestiones disputadas sobre la Perfeccion Evangélica. Madri, Bibliotecas de Autores Cristianos, 1949.

BLOCH, M. Apologia da História ou Ofício de Historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BOUGEROL, J. G. Introduction a Saint-Bonaventure. Paris: J. Vrin, 1988.

BRAUDEL, F. La Méditerranée et le monde méditerranéen à l’époque de Philippe II. Paris: Armand Colin, 1966.

BROCCHIERI, M. T. F. B. O Intelectual. In: LE GOFF, J. (Dir.). O Homem Medieval. Lis boa: Estampa, 1989, p. 125-144.

DE BONI, L. A. O debate sobre a pobreza como problema politico nos séculos XIII e XIV. In: DE BONI, L. A. De Abelardo a Lutero. Estudos sobre Filosofia Prática na Idade Média. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003, p. 215 - 254.

DOUIE, D. L. The conflict between the Seculars and Mendicants at the University of Paris in the Thirteenth Century. London: Blackfriars Publications, 1954.

DUFEIL, M.-M. Guillaume de Saint-Amour et la Polémique Universitaire Parisiense (1250-1259). Paris: Editions Picard, 1972.

FALBEL, N. “De Reductione Atrium ad Theologiea” de São Boaventura. Revista de História, v. XLVII, São Paulo, p. 5-84, 1974.

FORTES, C. C. Societas Studii. A construção da identidade institucional e os estudos entre os frades pregadores no século XIII. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2011. 370f. (Tese de Doutorado – Programa de Pós-Graduação em História).

GELTNER, G. The Making of Medieval Antifraternalism: Polemic, Violence, Deviance, and Remembrance. Oxford: Oxford University Press, 2012.

GRABMANN, M. Introdução à Suma Teológica de Santo Tomás de Aquino. Rio de Janeiro: Vozes, 1944.

GUIZOT, F. Essai sur l’Histoire de France. Paris: Didier, 1857.

GUIZOT, F. História da Civilização na Europa. Lisboa: Parceria Antonio Maria, 1907, 2vs.

LE GOFF, J. Os intelectuais medievais. Rio de Janeiro: José Olympio, 2003.

LE GOFF, J. São Luís. Biografia. São Paulo: Editora Record, 1999.

LE GOFF, J. Uma longa Idade Média. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

OLIVEIRA, T. Guizot e a Idade Média: civilização e lutas políticas. Assis: Unesp, 1997. 430f. (Tese de Doutorado – Programa de Pós-Graduação e História e Sociedade).

OLIVEIRA, T. Memória e História da Educação Medieval: uma análise da Autentica Habita e do Estatuto de Sorbonne. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 14, n. 3, p. 683-698, nov. 2009.

OLIVEIRA, T; MENDES, C. M. M. SANTIN, R.H. Contribuiçoes de Jacques Le Goff para a História da Educação Medieval: totalidade e longa duração nos estudos sobre os medievais. Brathair, v. 16, n. 2, 2016, p. 1-16. Disponível em: http://ppg.revistas.uema.br/index.php/brathair

THOUZELLIER, Ch. La place du Periculis de Guillaume de Saint-Amour dans les polémiques universitaires du XIII siècle. Revue Historique, CLVI, 1927, p. 69-83.

ULLLMAN, A. R. Disputas pelas Cátedras de Teologia. In: ULLLMAN, A. R. A universidade Medieval. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000, p. 219-235.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2019v12n24p95

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS