Vilanova Artigas: a poética traduzida

Marcos Faccioli Gabriel

Resumo


Abordamos aqui a obra do influente e controvertido arquiteto Vilanova Artigas, ativo em São Paulo entre as décadas de 1940 e 1970, como obra de arte autônoma, pois esta mostra um uso figurativo de estruturas trilíticas de concreto armado, o qual operava uma fusão da linearidade dos membros com a criação volumétrica no mesmo material. Seus projetos mostravam, por um lado, uma disposição volumétrica e estrutural serial ao longo de um eixo e, por outro, a alternância no percurso do observador entre massa cerrada e espaço, entre luzes intensas e sombras profundas, entre peso e resistência, contrastes estes que a tradição atribui ao sublime arquitetônico, à visão do drama humano do trabalho que, afinal, ergue as estruturas além da medida razoável da utilidade. Exceder esta medida põe a obra em conflito com o marxismo do militante Artigas, mas também a põe no terreno da arquitetura moderna enquanto “estilo da modernidade”, em conflito, segundo Reyner Banham (1970, p.327), com o desenvolvimento ininterrupto da técnica com a qual pretendia legitimar-se.

Palavras-chave


Vilanova Artigas; Teoria da arquitetura; Estética arquitetônica; Crítica de arquitetura; Crítica de arte.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999.

ARTIGAS, João Batista Vilanova. A função social do arquiteto. São Paulo: Nobel, 1989.

ARTIGAS, João Batista Vilanova. Argan e Nervi. [S. l.: s. n.]: 1960/1975b. (Caderno de notas inédito do Acervo Fundação Vilanova Artigas).

ARTIGAS, João Batista Vilanova. Arquitetura – depoimento: o homem e a ARTIGAS, João Batista Vilanova. A função social do arquiteto. São Paulo: Nobel, 1989.

ARTIGAS, João Batista Vilanova. Argan e Nervi. [S. l.: s. n.]: 1960/1975b. (Caderno de notas inédito do Acervo Fundação Vilanova Artigas).

ARTIGAS, João Batista Vilanova. Arquitetura – depoimento: o homem e a arquitetura. Casa e Jardim, São Paulo, n. 160, p. 42-48, abr. 1967.

ARTIGAS, João Batista Vilanova. O desenho. In: ARTIGAS, João Batista Vilanova. Caminhos da Arquitetura. São Paulo: Fundação Vilanova Artigas/Pini, 1986. p. 41-52.

ARTIGAS, João Batista Vilanova. Teoria da elasticidade. [S. l.: s. n.]: 1960/1975a. (Caderno de notas inédito do Acervo Fundação Vilanova Artigas).

ARTIGAS, João Batista Vilanova. Vilanova Artigas. São Paulo: Instituto Lina Bo e P.M. Bardi: Fundação Vilanova Artigas, 1997. p. 15-33. (Edição de Depoimentos Gravados de Posse da Fundação Vilanova Artigas).

BANHAM, Reyner. Theory and design in the first machine age. New York: Praeger Publishers, 1970.

BURKE, Edmund. Uma investigação filosófica sobre a origem de nossas ideias do sublime e do belo. Campinas: Papirus, 1996.

BUZZAR, Miguel Antonio. João Batista Vilanova Artigas: elementos para a compreensão de um caminho da arquitetura brasileira 1938-1967. São Paulo: UNESP, 2014.

COLQUHOUN, Alan. Racionalismo: um conceito filosófico em arquitetura. In: COLQUHOUN, Alan. Modernidade e tradição clássica. São Paulo: Cosac & Naify, 2004. p. 67–95.

CONGRESSO INTERNACIONAL EXTRAORDINÁRIO DE CRÍTICOS DE ARTE, 1959, São Paulo. Anais [...]. [Paris]: AICA/Unesco, 1959. DELEUZE, Gilles. The logic of sense. Londres: The Athlone Press, 1990.

FREUD, S. The ‘Uncanny’. In: FREUD, S. The standard edition of the complete psychological works of Sigmund Freud. Londres: The Hogarth Press and the Institute of Psychoanalysis, 1964. v. 17 (1917-1919), p. 217-256. An Infantile Neurosis and Other Works. Disponível em: www.arch.mcgill.ca/prof/bressani/arch653/winter2010/ Freud_TheUncanny.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019.

GABRIEL, Marcos Faccioli. Mário Pedrosa e a arquitetura brasileira: autonomia e síntese das artes. 2017. Tese (Doutorado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, São Paulo, 2017.

GIEDION, Siegfried; SERT, José Luis.; LÉGER, Fernand. Nine points on monumentality. In: OACKMAN, Joan (org.). Architecture culture 1943-1968. New York: Columbia Books of Architecture/Rizzoli, 1993. p. 29-30.

HÜBSCH, Heinrich. In what style should we build? In: HERRMANN, Wolfgang. (org.). In what style should we build? The german debate on architectural style. Santa Monica, CA: The Getty Center Publications Programs, 1992. p. 1-60

KAMITA, João Masao. Vilanova Artigas. São Paulo: Cosac & Naify Edições, 2000.

MOTTA, F. Introduzione al Brasile. Zodiac, [Itália], n. 6, p. 61-67, 1960.

PEDROSA, Mário. A Arquitetura Moderna no Brasil [1953]. In: AMARAL, Aracy A. (org.). Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981a. p. 255-264.

PEDROSA, Mário. A bienal de cá para lá. In: MAMMÌ, Lorenzo (org.). Mário Pedrosa: arte ensaios. São Paulo: Cosac & Naify, 2015b. p. 467-516.

PEDROSA, Mário. A cidade nova, síntese das artes. In: AMARAL, Aracy A. (org.). Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981c. p. 355-363.

PEDROSA, Mário. A máquina, Calder, Léger e outros. In: PEDROSA, Mário. Arte necessidade vital. Rio de Janeiro: Livraria Editora da Casa do Estudante do Brasil, 1949. p. 129-142.

PEDROSA, Mário. A propósito do “estilo século XX” [1957]. In: WISNIK, G. (org.). Mário Pedrosa: arquitetura ensaios. São Paulo: Cosac & Naify, 2015a. p. 41-42.

PEDROSA, Mário. Arquitetura e crítica de arte I [1957]. In: AMARAL, Aracy A. (org.). Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981b. p.269-271.

PEDROSA, Mário. Brasília, a cidade nova. In: AMARAL, Aracy A. (org.). Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981e. p.345-353.

PEDROSA, Mário. CONGRESSO NACIONAL DE CRÍTICOS DE ARTE, 2., 1961, São Paulo. Anais [...]. São Paulo, 1961.

PEDROSA, Mário. Fundamentos da arte abstrata [1953]. In: PEDROSA, Mário. Dimensões da arte. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1964. p. 207-215.

PEDROSA, Mário. Reflexões em torno da nova capital. In: AMARAL, Aracy A. (org.). Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981d. p.303-316.

PRÊMIOS UIA 1984 para Lúcio Costa e Vilanova Artigas. Projeto, São Paulo, n. 70, p. 51, dez. 1984.

SCHOPENHAUER, Arthur. The world as will and representation. New York: Dover, 1969. 2 v.

VALÉRY, Paul. Eupalinos ou o Arquiteto. São Paulo: Editora 34, 1996.

VIDLER, Anthony. The architectural uncanny: essay in the modern unhomely. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 1996.

VITRÚVIO. Da arquitetura. São Paulo: Hucitec/Fupam, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2020v13n25p447

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS