Odes mórbidas, metáforas inertes: práticas de sacralização da morte e re-invenção dos sujeitos a partir do estudo das manifestações arquetípicas

Francisco Chagas Atanásio

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo analisar as formas de apropriação e representação dos sujeitos perante a morte, ao estudar histórias de vidas distintas entre si, que, pela “circularidade” de uma determinada forma de apreensão social, acabam por se entrelaçarem em torno das práticas de religiosidade. Ao partir por esse pressuposto, se propõe abordar como as identidades dos sujeitos são re-inventadas e se processam em uma estrutura de sentidos, circundante em um determinado imaginário sociocultural. Alinhado a esse processo se busca avaliar como essas práticas sociais imprimem significados e se esculpem enquanto manifestações arquetípicas, sendo produção de subjetividades resultantes de construções socioculturais que adquirem uma mobilidade implícita no campo do inconsciente coletivo.


Palavras-chave


Representação; Cultura Popular; Identidades

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2010v3n5p247



Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br