Hannah Arendt e a antiguidade clássica: reflexões sobre os usos da concepção de liberdade em Aristóteles

José Petrúcio Farias Júnior, Gizeli da Conceição Lima

Resumo


Objetivamos, neste artigo, analisar os filtros de leitura de Hannah Arendt sobre a democracia ateniense, mais precisamente sobre a concepção de liberdade aristotélica em ‘A constituição de Atenas’. O estudo aqui apresentado se insere no âmbito de investigações sobre os usos do passado clássico, como dispositivo discursivo útil à reflexão de questões contemporâneas. No caso em apreço, preocupamo-nos em compreender em que medida a concepção de liberdade de Aristóteles, apropriada por Hannah Arendt, contribui para que a filósofa aprimore suas reflexões sobre a relação entre política, poder e liberdade, tendo em vista as circunstâncias político-culturais em que está inserida. Sendo assim, a pesquisa justifica-se pela necessidade de aprofundarmos a discussão sobre os usos do passado clássico na filosofia contemporânea, uma vez que percebemos referências recorrentes de filósofos contemporâneos europeus, sobretudo de escolas francesas e germânicas, à literatura greco-romana. A partir dessa perspectiva, faz-se necessário, ao longo de nossas reflexões, pontuar a relevância do pensamento aristotélico para Hannah Arendt no que diz respeito à construção de um olhar sobre a concepção de liberdade entre os atenienses, que permita indagar o cenário político no qual estava inserida.

Palavras-chave


Usos do Passado; Hannah Arendt; Aristóteles

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. O que é política?. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

ARISTÓTELES. A constituição de Atenas. Tradução de Francisco Murari Pires. São Paulo: Editora Hucitec,1995. Edição bilíngue.

ARISTÓTELES. Vida e obra. Tradução de Leonel Vallandro, Gerd Bornheim. São Paulo: Nova Cultural, 1987. p. 8-30. (Os Pensadores, v.1).

ARISTÓTELES. Política. Tradução de Maria Aparecida Oliveira Silva. São Paulo: Edipro, 2019.

BAKOGIANNI, Anastasia. O que há de tão “clássico” na recepção dos clássicos?: teorias, metodologias e perspectivas futuras. Codex: revistas de estudos clássicos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 114-131, 2016.

FRANCISCO, Gilberto da Silva; MORALES, Fabio Morales. Desvendando o atenocentrismo. Revista de Cultura e Extensão, São Paulo, v. 14, p. 67-79, 2016. Suplemento.

GOODY, J. O roubo da história: como os europeus se apropriaram das ideias e invenções do Oriente. Trad. Luiz Sérgio Duarte da Silva. SP: Contexto, 2008.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu. Grécia e Roma: vida pública e vida privada, cultura, pensamento e mitologia, amor e sexualidade. SP: Contexto, 2011.

SILVA, Glaydson José da. Antiguidade, arqueologia e a França de Vichi: usos do passado. Campinas: [s. n], 2005.

SILVA, Glaydson José da. O mundo antigo visto por lentes contemporâneas: as extremas direitas na França nas décadas de 1980 e 90, ou da instrumentalidade da antiguidade. Revista História, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 98 -118, 2007.

SONTHEIMER, Kurt. Prefácio. In: ARENDT, Hannah. O que é política?. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2020v13n25p425

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS