Estudos sociais para crianças numa democracia: prescrições didáticas para o ensino de história sob o prisma norte-americano

Elisiane da Silva Soares, Eliana Rela

Resumo


Este texto analisa o manual Estudos Sociais para crianças numa democracia, com enfoque em sua materialidade e conteúdo. A obra foi originalmente publicada em 1956, por John U. Michaelis, Professor da Escola de Educação da Universidade de Berkeley, Califórnia. No Brasil, a disciplina de Estudos Sociais tornou-se obrigatória no Ensino Básico e no Ensino Superior a partir de 1967. Em 1969, foi, então, implantado o curso de Estudos Sociais na UCS, que utiliza o manual de Michaelis como referência. O livro apresenta prescrições aos professores que desejam “melhorar a educação social das crianças” e seu tema central é a defesa de que “os valores e o comportamento democráticos devem impregnar todas as fases do programa de estudos sociais”. A bibliografia desta análise inclui Goodson, Saviani e Bittencourt, além de fontes referentes à implantação do curso de Estudos Sociais na UCS. O objetivo desta discussão é analisar o manual para além do seu conteúdo escrito, abordando, também, a comunicação possibilitada por seus elementos visuais. Evidencia-se a importância de leituras como esta por possibilitar que o material deixe de ser apenas um recurso pedagógico e didático, e passe a ser, também, um discurso sobre ensino de História, datado e contextualizado.

Palavras-chave


História do ensino de história; História da educação; Prescrições docentes

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, Michael W. Ideologia e currículo. São Paulo: Editora Brasiliense, 1982.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Os confrontos de uma disciplina escolar: da história sagrada à história profana. Revista Brasileira de História. São Paulo, v.13, n. 25-26, p. 183- 221, set. 1992/ ago. 1993

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História, fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2008.

BOURDÉ, Guy e MARTIN, Hervé. As escolas históricas. Sintra: Publicações Europa-América.

FILIZOLA, Roberto. Didática da Geografia: proposições Metodológicas e conteúdos entrelaçados com a avaliação. Curitiba: Base Editorial, 2009.

FRANÇA, Aldaíres França. Propostas Curriculares para o ensino de Estudos Sociais: circulação e apropriação de representações de ensino de História e de aperfeiçoamento de professores (Espírito Santo, 1956 – 1976).. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2013. 294 f.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 31. ed., São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GARCIA, Carlos Marcelo. Formação de professores: Para uma mudança educativa. Porto, Editora Porto, 1999.

GARCIA, Tânia Maria F. Braga; SCHMIDT, Maria Auxiliadora M. dos Santos. Discutindo o currículo “por dentro”: contribuições da pesquisa etnográfica. Educar, Curitiba, n. 17, p. 139-149. 2001.

GENETTE, Gérard. Paratextos editoriais. Cotia: Ateliê Editorial, 2009.

GOODSON, Ivor F. Currículo: teoria e história. 4.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

MICHAELIS, John U. Estudos Sociais pra crianças numa democracia. 2 ed. Porto Alegre: Editora Globo, 1970.

NADAI, Elza. O ensino de história no Brasil: trajetória e perspectiva. Revista Brasileira de História. São Paulo, v.13, n. 25-26, p. 143-162, set. 1992/ago, 1993.

NASCIMENTO, Thiago Rodrigues; SANTOS, Beatris Boclin Marques. Estudos Sociais no Brasil: da intenção à obrigatoriedade (1930-1970). História e Perspectivas, Uberlândia (53): 145-178, jan./ jun. 2015.

PINA, Fabiana. Acordos MEC-Usaid: ações e reações (1966-1968). 2011. 187 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Assis, 2011.

RAMIL, Chris de Azevedo. Do projeto à produção gráfica da coleção didática Tapete Verde (Editora Globo, década de 1970). IX ANPED SUL – Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul – Anais. Caxias do Sul: Universidade de Caxias do Sul, 2012.

REIS, José Carlos. As identidades do Brasil: de Varnhagen a FHC. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

SAVIANI, Dermeval. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 12. ed. rev.

Campinas: Autores Associados, 1996.

SAVIANI, Dermeval. Educação escolar, currículo e sociedade: o problema da Base Nacional Comum Curricular. Movimento Revista de Educação. Rio de Janeiro, ano 3, n. 4, p. 54-84, 2016.

TORRESINI, Elizabeth W. Rochadel. Livros, leituras e leitores: a Editora Globo de Porto Alegre. Biblos, Rio Grande, 10: 173-178, 1998.

XERRI, Eliana Gasparini. Da Universidade da Serra à Universidade de Caxias do Sul/RS (1950 - 2002): o pensar e o construir da universidade na serra gaúcha. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2012. 312 f.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2018v11n22p593

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA