Rudolf Brazda e o Parágrafo 175: A luta de um prisioneiro homossexual nos campos de concentração

Luana Pagano Peres Molina, Lucas de Melo Andrade, Pedro Arthur Passos da Silva

Resumo


O presente artigo busca apresentar as experiências do prisioneiro de guerra Rudolf Brazda, que por ser homossexual foi enviado ao campo de concentração de Buchenwald, na Alemanha Nazista. O início do século XX, abarcado pela concepção dos movimentos eugênicos – influenciados pelo darwinismo social – permitiu eventos segregativos e deu amplo poder ao desenvolvimento de políticas preconceituosas, tornando arbitrárias as condenações. Neste contexto, Brazda teve sua liberdade civil violada pelo regime totalitário de Hitler, baseando-se no Parágrafo 175 do Código Penal Alemão, que condenava a homossexualidade masculina no espectro de condenações luxuriosas, passíveis de condenação e recuo de cidadania, obrigando o mesmo a permanecer detido durante 32 meses em um ambiente de exposição dos ideais totalitaristas propagados pelo governo alemão. Por fim, ao abordar a biografia de Brazda, pretende-se expor os possíveis avanços na política internacional de defesa dos direitos humanos, com o surgimento da Declaração Universal dos Direitos Humanos, proposta pela ONU, que visa manter a paz e ajustar garantias e deveres essenciais para a preservação dos indivíduos e reconhecimento diplomático de sua dignidade.

Palavras-chave


Homossexualidade; Homofobia; Segunda guerra; Nazismo; Campos de concentração

Texto completo:

PDF

Referências


ANSART, Pierre. La gestion des passions politiques. Lausanne: L’Age d’Homme, 1983.

AVELAR, Alexandre de Sá. A biografia como escrita da História: possibilidades, limites e tensões. Revista Dimensões, Vitória, v. 24, n. 1, p. 157-172, fev./mar. 2010.

BOURDIEU, Pierre Félix. A ilusão biográfica: usos e abusos da história oral. São Paulo: FGV, 1996.

CAETANO, Tiago Lemanczuk Fraga. Mein Kampf e o Ideário Nazista. Revista Eletrônica de Direito, Brasília, v. 1, n. 4, maio/ago. 2010.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 2010.

ÉSQUILO. Prometeu acorrentado. São Paulo: Clássicos Jackson, 2005.

FIGUEIRÓ, Mary Neide Damico (org.). Homossexualidade e Educação Sexual: construindo respeito à diversidade. Londrina: EDUEL, 2007.

GUERRA, Andréa. Do Holocausto nazista à nova eugenia do século XXI. Revista Tendências, Crato, v. 12, n. 1, p. 4-5, jun. 2014.

LAFER, Celso. A ONU e os direitos humanos. Estudos Avançados, São Paulo, v. 9, n. 25, p. 169-185, jan./jun. 1995.

LONGERICH, Peter. A arquitetura da solução final. Revista BBC História, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 16-23, fev./jun. 2008.

MAGALHÃES, Marion Brepohl de. Campo de concentração: experiência limite. Revista História: Questões e Debates, Curitiba, v. 1, n. 35, p. 61-79, jan./jun. 2001.

MOLINA, Luana Pagano Peres. Professores homossexuais: suas vivências frente à Comunidade Escolar. 2010. 90 f. Monografia (Especialização em Psicologia Aplicada à Educação) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2010.

ONU - ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Brasília: ONU, 1998.

SCHWAB, Jean-Luc; BRAZDA; Rudolf. Triângulo rosa: um homossexual no campo de concentração nazista. São Paulo: Mescla, 2012.

SEEL, Pierre; LE BITOUX, Jean. Moi, Pierre Seel, déporté homosexuel. Paris: Éditions Calmann-Lévy, 1994.

SETTERINGTON, Ken. Marcados pelo triângulo rosa. São Paulo: Melhoramentos, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2018v11n22p709

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA