Batuque dos negros x Batuque dos brancos: discursos em disputa sobre um “ajuntamento de pretos” na vila de São Salvador de Campos dos Goytacazes, no ano de 1831

Carlos Eugênio Soares de Lemos

Resumo


A ameaça de uma rebelião escrava era motivo de constante preocupação para a classe senhorial no decorrer do século XIX. No ano de 1831, na coluna de correspondências do jornal Correio Constitucional Campista, na Vila de São Salvador de Campos dos Goytacazes, estabeleceu-se uma polêmica entre dois assinantes do periódico sobre o significado de um “ajuntamento de pretos” numa de suas freguesias. Com base numa abordagem historiográfica que concebe o escravo como agente social e na Análise do Discurso Francesa, o objetivo desse artigo é problematizar a formação discursiva liberal que dava sustentação a essa disputa de significados sobre a escravidão, inferindo-se, assim, sobre os sentidos atribuídos à liberdade a partir da posição assumida pelos sujeitos discursivos na produção textual.

Palavras-chave


Escravidão; Discurso; Liberalismo; Liberais moderados; Liberais exaltados

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Sérgio. Os Aprendizes do Poder: Bacharelismo Liberal na Política Brasileira, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

ALMEIDA, Cândido Mendes de. Código Philippino ou Ordenações e Leis do Reino de Portugal. Rio de Janeiro: Typographia do Instituto Philomathico, 1870.

ANÔNIMO, Memoria sobre o commercio dos escravos, em que se pretende mostrar que este tráfico he, para elles, antes hum bem que hum mal. Rio de Janeiro: Typographia Imperial e Constitucional de J. Villeneuve e Comp., 1838.

AZEVEDO, Celia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites no século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. SP: Martins Fontes, 1997.

BASILE, Marcello. “O laboratório da nação: a era regencial (1831 – 1840)”. In GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo. O Brasil Imperial, volume II: 1831 – 1870. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

COSTA, Emília Viotti da. Da Monarquia à República. Momentos decisivos. 8ª ed., São Paulo: editora UNESP, 2007.

DIDEROT, Denis, 1713-1784. Textos escolhidos / Diderot. São Paulo : Abril Cultural, 1979.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho (1993). “All the world was America”. In: Revista USP, nº 17, mar-mai/93. Dossiê Liberalismo/Neoliberalismo, p. 30-53.

GUIMARÃES, Lúcia Maria Paschoal. Liberalismo moderado: postulados ideológicos e práticas políticas no período regencial (1831-37). In: PEIXOTO, Antônio Carlos et alii, O Liberalismo no Brasil Imperial: Origens, Conceitos e Prática. Rio de Janeiro: Revan: UERJ, 2013.

INDURSKY, Freda. Da interpelação à falha no ritual: a trajetória teórica da noção de formação discursiva. In: BARONAS, Roberto Leiser. Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro & João Editores, 2007.

LOCKE John (1994). Segundo Tratado Sobre o Governo Civil, Petrópolis: Vozes, 1994.

MARIANI, Bethania. Subjetividade e imaginário linguístico. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 3, Número Especial, 2003, p. 55-72.

MOREL, Marco. O Período das Regências (1831-1840). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

MOREL, Marco. As Transformações dos Espaços Públicos: Imprensa. Atores Políticos e Sociabilidades na Cidade Imperial (1820-1840). São Paulo: Hucitec, 2010.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso - uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas, Editora da Unicamp, 1997.

PÊCHEUX, HAROCHE E HENRY. A semântica e o corte saussuriano: língua, linguagem e discurso”. In: BARONAS, Roberto Leiser. Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro & João Editores, 2007.

PIÑEIRO, Theo Lobarinhas. Os projetos liberais no Brasil Império. Passagens. Revista Internacional de História Política e Cultura Jurídica, Rio de Janeiro: vol. 2, nº 4, maio-agosto 2010, p. 130-152.

PRADO Jr., Caio. Evolução Política do Brasil (Colônia e Império). 18ª Ed., São Paulo: Brasiliense, 1987.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos malês em 1835. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas. São Paulo: Editora 34, 2000.

SMITH, Adam. A Riqueza das Nações : investigação sobre a natureza e suas causas. Volume I e II. Coleção Os Economistas. S.P: Nova Cultural, 1985.

SOARES, Márcio Souza. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 52, p. 75-90, jan./jun. 2010. Editora UFPR.

SOARES, Carlos Eugenio L; GOMES, Flavio. “Com o Pé sobre um Vulcão”: africanos Minas, identidades e a repressão antiafricana no Rio de Janeiro (1830-1840). Estudos Afro-Asiáticos, ano 23, n. 2, p. 01-44, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2019v12n23p510

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA