As Leguminosas no Portugal Moderno: uma presença constante e discreta

Isabel Drumond Braga

Resumo


Perante a impossibilidade de se conhecer o consumo per capita das diferentes leguminosas na Época Moderna, restam-nos fontes – livros de culinária, informações sobre dietas de estudantes, de religiosos e de presos, provérbios, relatos de viajantes estrangeiros, e outras – que permitem ter uma perceção qualitativa do uso das mesmas. A análise destas fontes diversas torna clara a maneira como foram entendidos estes alimentos, igualmente do ponto de vista dos consumos não prestigiantes, demonstrando o fraco valor simbólico da sua presença à mesa.

Palavras-chave


Brasil; Leguminosas; Portugal

Texto completo:

PDF

Referências


FONTES MANUSCRITAS

Évora, Biblioteca Pública de Évora

Cod. CXXXI/2-22, fols 60-60v.

Lisboa, Arquivos Nacionais Torre do Tombo

Inquisição de Évora, liv. 637.

FONTES IMPRESSAS

ANCHIETA, José de. Cartas, Informações, Fragmentos Históricos e Sermões. Belo Horizonte: Itatiaia, São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1988. Original do século XVI.

ANTONIL, André João. Cultura e Opulência do Brasil. 3.ª edição. Belo Horizonte: Itatiaia, São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1992. A primeira edição é de 1711.

BLUTEAU, Rafael. Vocabulario Portuguez e Latino. vol. 4. Coimbra: Colégio das Artes, 1713.

BUARCOS, João Brandão de. Grandeza e Abastança de Lisboa em 1552. Lisboa: Livros Horizonte, 1990. Original de 1552.

CARTAS de Luiz Joaquim dos Santos Marrocos. Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, vol. 56, Rio de Janeiro, 1934 [1939].

DEBRET, Jean Baptiste. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. Tradução e notas de Sérgio Milliet. São Paulo: Livraria Martins, 1940. A primeira edição é de 1834-1939.

DELICADO, António. Adagios Portugueses reduzidos a Lugares communs, nova edição revista e prefaciada por Luís Chaves. Lisboa: Livraria Universal, 1923. A primeira edição é de 1651.

DELLON, Charles. De Goa a Lisboa 1676-1677. Portugal nos séculos XVII e XVIII. Apresentação tradução e notas de Castelo-Branco Chaves. Lisboa: Lisóptima, 1989.

FERREIRA, Armando. O Casamento de Fifi Antunes. Lisboa: Livraria Guimarães, 1935.

LIMPO, Berta Rosa. O Livro de Pantagruel: Cozinha. Doçaria. Bebidas. Lisboa: Editorial Século, 1945.

MAWE, John. Viagem ao Interior do Brasil, principalmente aos Distritos de Ouro e dos Diamantes. Tradução de Solena Benevides Viana. Introdução e notas de Clado Ribeiro de Lessa. Rio de Janeiro: Zélio Valverde, 1944. A primeira edição é de 1812.

MODAS e Bordados. Lisboa, n.º 1786, de 01de maio de 1946.

NIEUHOF, Joan. Memorável Viagem Marítima e Terrestre ao Brasil. Tradução de Moacir N. Vasconcelos. Belo Horizonte: Itatiaia, São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1981. A primeira edição é de 1682.

POHL, Johan Emanuel. Viagem no Interior do Brasil empreendida nos anos de 1817 a 1821. vol. 1. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1951. A primeira edição é de 1832-1837.

RUGENDAS, Johann Moritz. Viagem Pitoresca através do Brasil. Tradução de Sérgio Milliet. São Paulo: Círculo do Livro [s.d.]. A primeira edição é de 1835.

SACROSANTO (O) e Ecumenico Concilio de Trento em Latim e Portuguez. tomo 2. Lisboa: Oficina Patriarcal de Francisco Luís Ameno, 1781.

SAINT-HILLAIRE, Auguste de. Viagem às nascentes do Rio São Francisco. Tradução de Regina Regis Junqueira. 2.ª edição, Belo Horizonte: Itatiaia, 2004. A primeira edição é de 1847.

SAINT-HILLAIRE, Auguste de. Viagem pelo Distrito dos Diamantes e Litoral do Brasil. Tradução de Leonam de Azevedo Penna. Belo Horizonte: Itatiaia, 2004. A primeira edição é de 1833.

SOUSA, Amílcar de. “O Feijão”. O Vegetariano. Vol. 8, n.º 7, Porto, 1917, p. 269.

SPIX, Johann Baptist von, MARTIUS, Carl Friedrich von. Viagem pelo Brasil 1817-1820. Tradução de Lúcia Furquim Lahmeyer. Revisão de B. F. Ramiz Galvão. Anotações de Basílio Magalhães. 3 vols. Belo Horizonte: Itatiaia, São Paulo: Universidade de São Paulo, 1981. A primeira edição é de 1823.

ESTUDOS

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O Trato dos Viventes: Formação do Brasil no Atlântico Sul (séculos XVI-XVII). 2.ª edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ALMEIDA, Aloísio. Vida Cotidiana da Capitania de São Paulo (1722-1822): Excertos de uma Obra Completa. Vida Cotidiana em São Paulo no século XIX: Memórias, Depoimentos, Evocações. Organização de Carlos Eugénio Marcondes de Moura. São Paulo: Ateliê Editorial, Fundação Editora da UNESP, Imprensa Oficial do Estado, Secretaria de Estado da Cultura, 1998, pp. 3-75.

BRAGA, Isabel Drumond. Conventos femininos e religiosidade subvertida: Évora séculos XVII e XVIII. Jacqueline Hermann e William de Souza Martins (dir.). Poderes do Sagrado. Europa Católica, América Ibérica, África e Oriente portugueses (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Multifoco, 2016, pp. 139-169.

BRAGA, Isabel Drumond. A Mesa Lisboeta na ficção de Armando Ferreira (1893-1968). Conferência apresentada ao II Simpósio Internacional de Património e Cultural Alimentar: os desafios e as delícias dos múltiplos sabores culinários – Curitiba, 6 a 9 de junho de 2017a.

BRAGA, Isabel Drumond. Castela e os Castelhanos nos Provérbios Portugueses. In Cooperação e Conflito. Portugal, Castela e Aragão (séculos XV-XVII). Lisboa: Universitária Editora, 2002, pp. 261-271.

BRAGA, Isabel Drumond. Domingos Rodrigues e a Arte de Cozinha: uma vida pouco conhecida, uma obra muito usada. In Arte de Cozinha, Lisboa: Círculo de Leitores, 2017b, pp.7-48.

BRAGA, Isabel Drumond. Alimentação e paremiologia no Portugal Moderno: ‘o hóspede e o peixe aos três dias fede’. II Seminário Internacional de História da Alimentação e Cultura Material: circulação de artefactos, saberes e fazeres – Campinas, Unicamp, 3 a 5 de maio 2017c.

BRAGA, Isabel Drumond. Sabores e Segredos: Receituários Conventuais Portugueses da Época Moderna. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, Annablume, 2015.

BRAGA, Isabel Drumond. Vaidades nos Conventos Femininos ou das Dificuldades em deixar a Vida Mundana (séculos XVII-XVIII). Revista de História da Sociedade e da Cultura, vol. 10, tomo 1, Coimbra, 2010, pp. 305-322. Disponível em https://www.academia.edu/6555044/.

BRAGA, Isabel Drumond, CASTRO, Inês de Ornelas. Saberes e Fazeres de Berta Rosa Limpo. A Construção de um Êxito: o Livro de Pantagruel. Faces de Eva, n.º 29, Lisboa, 2013, pp. 45-66.

BRAGA, Isabel Drumond, MOURÃO, Maria Elsa. Género e Discurso Proverbial no Portugal Moderno. Faces de Eva n.º 33, Lisboa, 2015, pp. 83-102.

BRANDÃO, Mário. O Colégio das Artes (1555-1580). Coimbra: Imprensa da Universidade, 1933.

CARDIM, Pedro. Politics and Power Relations in Portugal (Sixteenth-Eighteenth Centuries). Parliaments. Estates and Representations, vol. 13, n.º 2, Londres, 1993, pp. 95-108.

CHACOTO, Lucília. Semelhanças e diferenças dos provérbios meteorológicos no espaço lusófono”. GARGALHO GIL, José Enrique et alii (dir.). I Proverbi Meteoroligici: ai confini dell’Europa Romanza. Alessandria: Edizioni dell’Orso, 2011, pp. 1-14.

CHARTIER, Roger. Debate: História e Literatura. Topoi, n.º 1, Rio de Janeiro, 2000, pp. 197-216.

CINI, Marco. Economia, Muliebre e Religiosa. Note sulle Vicendi Patrimoniali del Monastero di Sant’Anna di Pisa nel XVIII secolo. In AGLIETI, Marcella (dir.). Nobildonne, Monache e Cavaliere dell’Ordine di Santo Stefano: Modelli e Strategia Femminili nella Vita Publica della Toscana Granducale. Pisa: Edizione ETS, 2009, pp. 235-266

COSTA, H. La Réprésentation du Corps dans la Littérature Populaire Portugaise: Le Discours Proverbial. In Littérature Orale Tradicionalle Populaire. Actes du Colloque. Paris: Fundação Calouste Gulbenkain, 1987, pp. 561-576.

ESPERANÇO, Ricardo Manuel Pereira. Lisboa em Camisa: palco e personagens na obra de Gervásio Lobato, Lisboa, Livros Horizonte, 2017.

FONSECA, Luís Adão da. As Relações entre História e Literatura no contexto da actual crise da dimensão social da narrativa historiográfica. In Actas do Colóquio Internacional Literatura e História. vol. 1, Porto, 2004, pp. 265-278.

FUNK, Gabriela. O Provérbio como Ponte entre diferentes Culturas. In SIEPMANN, Helmut (org.). Portugal, Indien und Deutschland. Portugal, Índia e Alemanha. Akten der V. DeutschPortugiesischen Arbeitsgespräche. Actas do V Encontro Luso-Alemão. Köln: Zentrum Portugiesischsprachige Welt. Lisboa: Centro de Estudos Históricos da Universidade Nova de Lisboa, 2000, pp. 345-353.

GHITESCU, Micaela. Os Provérbios. Traço de União entre Irmãos. Nós. Revista de Lusofonia. Vol. 19-20, Pontevedra, Braga, 1991, pp. 357-360.

LIMA, Valéria. J.-B. Debret Historiador e Pintor. Campinas: Editora Unicamp, 2007.

LOPES, Ana Cristina Macário. Texto Proverbial Português. Elementos para uma Análise Semântica e Pragmática. Coimbra: Dissertação de Doutoramento em Linguística Portuguesa apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra 1992.

MARTINS, Luciana de Lima. O Rio de Janeiro dos Viajantes. O Olhar Britânico (1800-1850). Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2001.

MATOS, Sérgio Campos de. História, Memória e Ficção: que fronteiras? História e Historiografia, n.º 17, Ouro Preto, 2015, pp. 414-426.

MATTOSO, José. O Essencial sobre os Provérbios Medievais Portugueses. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1987.

OLIVEIRA, Maria do Rosário Álvaro de Oliveira Mendes de. D. Francisco de Castro e o Morgado do ‘Menor’ D. João de Castro Telles Meneses Henriques (1641-1654). 2 vols. Lisboa: Dissertação de Mestrado em História Moderna apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2000.

PALOMBO, Irene. 2009. Il Sistema dei Monasteri Femminili in una Terra di Confine. La Diocesi di Sora, Aquino e Pontecorvo, Veneza, Dottorato di Ricerca in Storia Social Europea dal Medioevo all’Età Contemporanea, Università Ca’Foscari Venezia, 2009.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. O Mundo como Teatro: Leituras da História e da Literatura. História da Educação, n.º 14, Pelotas, 2003, pp. 31-45.

ROSSATO, Luciana. A Lupa e o Diário. História Natural, Viagens Científicas e Relatos sobre a Capitania de Santa Catarina (1763-1822). Itajaí: Universidade do Vale de Itajaí, 2007.

SCARANO, Julieta. Cotidiano e Solidariedade. Vida Diária da Gente de Cor nas Minas Gerais. Século XVIII, São Paulo, Editora Brasiliense, 1994.

SCHMIDT-RADEFELDT, Jiirgen. Descrição Semântica e Funções Semanfóricas do Provérbio. In J. Schmidt-Radefeldt e José G. Herculano de Carvalho (orgs.). Estudos de Lingüística Portuguesa. Coimbra: Coimbra Editora, 1984, pp. 201-223.

VELOSO, Carlos. A Alimentação em Portugal no século XVIII nos relatos dos viajantes estrangeiros. Coimbra: Minerva História, 1992.

ZARRI, Gabriella. Ordine Religiosi e Autorità Episcopali : le Visite Pastorali a Chiese Esenti e Monasteri. In NUBOLA, Cecilia, TURCHINI, Angelo (dir.). Fonti Ecclesiastiche per la Storia Sociale e Religiosa d’Europa: XV-XVII secolo, Bolonha: Il Mulino, 1999, pp. 356-364.

WEBGRAFIA

http://www.dgs.pt/promocao-da-saude/educacao-para-a-saude/areas-deintervencao/alimentacao.aspx). Consultado a 20 de setembro de 2016.

http://www.piselli.com.br/piselli-sud/. Consultado a 20 de agosto de 2017.

http://www.unric.org/pt/actualidade/32128-2016-e-ano-internacional-das-leguminosas. Consultado a 20 de setembro de 2016.

https://www.movimento2020.org/os-desafios/descubra-os-desafios-2020/aumentar-oconsumo-de-leguminosas. Consultado a 20 de setembro de 2016.

www.vidaativa.pt/a/importancia-das-leguminosas/. Consultado a 20 de setembro de 2016.

http://www.colegiof3.ulisboa.pt/pt/nots/fava.php. Consultado a 20 de setembro de 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2017v10n20p592

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA