A política de conciliação nos folhetins: Joaquim Manuel de Macedo e A carteira do meu tio (1855)

Carollina Carvalho R. de Lima

Resumo


Em 1855, Joaquim Manuel de Macedo ofereceu ao público-leitor brasileiro um livro de viagem, cuja preocupação não era somente promover o divertimento de seus leitores, mas, principalmente, apresentar um quadro da situação política no país e da atuação dos homens públicos naquele contexto. A carteira do meu tio, portanto, com seu tom satírico, expunha a visão de Macedo sobre alguns temas importantes à época: a política de conciliação conduzida por Marquês de Paraná, o sistema representativo brasileiro e o comportamento da classe política no Brasil. Tendo em vista o impacto dessa obra na década de 1850 e seu esquecimento com o passar dos anos, este artigo analisa o relato do sobrinho-viajante, cujo teor parece ser ainda tão atual.


Palavras-chave


Joaquim Manuel de Macedo – A carteira do meu tio – Literatura de viagem – Sátira política – Política de Conciliação – Imprensa

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2017v10n20p801

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS