Joalheria de Crioulas: Subversão e Poder no Brasil Colonial

Amanda Gatinho Teixeira

Resumo


O uso de joias sempre esteve presente ao longo do tempo nas mais diversas civilizações. Contendo significados para além da ornamentação, as joias podem ser analisadas como objetos que materializam posições sociais, poder espiritual, alegria, amor, luto, proteção, entre outras características. Durante o Período Colonial Brasileiro, foram produzidas e utilizadas as emblemáticas Joias de Crioulas Afro-Brasileiras, as quais são consideradas os primeiros exemplares da joalheria eminentemente nacional. Estas joias também representavam a ascensão econômica e a subversão às leis suntuárias que proibiam o uso destes adornos pelas escravizadas, além de exibirem veladamente devoções religiosas e colocarem em prática códigos de comportamento, de hierarquia social e de poder entre o grupo das alforriadas e libertas deste período. Para isso, recorro à historiografia do Brasil Colonial, à história do design de joias e aos estudos antropológicos concernentes à cultura material.

Palavras-chave


Joias de crioulas afro-brasileiras; Joalheria; Período colonial brasileiro; Cultura material; Hibridação

Texto completo:

PDF

Referências


BITTENCOURT, Renata. Modos de negra, modos de branca: o retrato “baiana” a imagem da mulher na arte do século XIX. Dissertação (Mestrado em História da Arte e da Cultura) – Universidade Estatual de Campinas, Campinas, 2005.

BOAS, Franz. A Religião dos Índios Americanos. In: A Formação da Antropologia Americana (1883-1911): Antologia. Rio de Janeiro: Contraponto/EdUFRJ, 2004.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas Híbridas. São Paulo: EDUSP, 2006.

CORRÊA, Aureanice de Mello. Territorialidade e Simbologia: o corpo como suporte sígnico, estratégia do processo identitário da Irmandade da Boa Morte. Revista Brasileira de História das Religiões- Dossiê Identidades Religiosas e História, Maringá, Vol.01, n.1, p. 121-133.

CUNHA, Laura; MILZ, Thomas. Joias de crioula. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2011.

FACTUM, Ana. Beatriz Simon. Joalheria escrava baiana: a construção histórica do design de jóias brasileiro. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

GIL, Santiago Alcolea e colaboradores. Artes Decorativas III: As artes decorativas aplicadas à indumentária e ao ornamento pessoal. Rio de janeiro: Edições Del Prado, 2006.

GOLA, Eliana. A jóia: história e design. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Rio de Janeiro: Museu, memória e cidadania, 2007.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A Invenção das Tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

JANUÁRIO, Erlaine Aparecida. Jóias de adorno, como investimento e de devoção. Disponível em: http://www.ichs.ufop.br/memorial/trab/h8_4.pdf Acesso em: 20 de maio de 2017.

KOPYTOFF, Igor. A biografia cultural das coisas. In: APPADURAI, Arjun. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2008.

LODY, Raul. Pencas de Balangandãs da Bahia. Rio de Janeiro: FUNARTE/Instituto Nacional do Folclore, 1988.

LODY, Raul. Jóias de Axé: fios de contas e outros adornos do corpo; a joalheria afro-brasileira. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

MILLER , Daniel. Consumo como cultura material. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, Vol.13, n.28, p.33-63.

MOTT, Luiz. De escravas à Senhoras. Disponível em: http://www.ub.edu/afroamerica/EAV2/mott.pdf Acesso em: 29 de maio de 2017.

OLIVEIRA, Octávia Corrêa dos Santos. Ourivesaria brasileira. Anais do Museu Histórico Nacional. Rio de Janeiro, Vol. IX, 1948.

PAIVA, Eduardo França. Escravidão e universo cultural na colônia: Minas Gerais, 1716-1789. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

RAMOS, Arthur. O Negro Brasileiro. 3ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional. 1940.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos malês em 1835. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SILVA, Renato Araújo da Silva. Joias africanas e alguns exemplos de suas memórias nas Américas. Disponível em: http://www.xiconlab.eventos.dype.com.br/resources/anais/3/1308349962_ARQUIVO_JoiasAfricanaseAlgunsExemplosdesuaMemorianasAmericas.pdf Acesso em: 20 de maio de 2017.

SILVA, Simone Trindade Vicente da. Referencialidade e representação: um resgate do modo de construção de sentido nas pencas de balangandãs a partir da coleção Museu Carlos Costa Pinto. Dissertação (Mestrado em Belas Artes) – Universidade Federal da Bahia, Bahia, 2005.

SILVA, Simone Trindade Vicente da. Joias Crioulas. São Paulo: Instituto Victor Brecheret, 2012.

SILVEIRA, Flávio Leonel Abreu da; LIMA FILHO, Manuel Ferreira. Por uma antropologia do objeto documental: entre a "a alma nas coisas" e a coisificação do objeto. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, vol.11, n.23, p. 37-50.

STRICKLAND, Carol. Arte Comentada: da pré-história ao pós-moderno.Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

VERGER, Pierre. Fatumbi: Artigos. São Paulo: Corrupio, 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2017v10n20p829

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA