Nietzsche e a Historiografia Prussiana: análise de fragmentos póstumos da Primeira Fase de sua obra

Celso Kraemer, Dominique Santos, Aniele Crescêncio

Resumo


Ao observar as relações de Nietzsche com seus contemporâneos verifica-se que ele estava ciente das principais discussões relativas à Unificação da Alemanha (1871). Para a unificação era necessário que os 39 estados alemães compartilhassem o sentimento de pertencimento a uma pátria comum. Nesse meandro, os historiadores prussianos do século XIX desempenharam papel fundamental ao produzir um ambiente filosófico nacionalista, uma maneira científica e objetiva de pensar sobre a história. O objetivo deste trabalho é compreender as interações de Nietzsche com estes círculos intelectuais. Para isto, foram selecionados quatro dos chamados fragmentos póstumos de Nietzsche datados entre 1871 e 1873. De acordo com o ponto de vista de Nietzsche, as pretensões dos historiadores não tinham nenhuma crítica, pois acreditavam, ingenuamente, que a verdade era um alvo tangível. Por outro lado, ele indicou a necessidade de uma história ligada à cultura, que era trabalhada em conjunto com “instintos artísticos”.

Palavras-chave


Historiografia; Século XIX; Nietzsche; Teoria da história

Texto completo:

PDF

Referências


ABBEY, Ruth. Introduction. In: ABBEY, Ruth. Nietzsche’s Middle Period. Madison Avenue, New York: Oxford University Press, Inc., 2000.

BARROS, José D’Assunção. O Paradigma da Descontinuidade em Nietzsche uma análise da Primeira Parte da 2ª Consideração Intempestiva de Nietzsche. Lusíada, Série de História, Lisboa, v. 7, p. 417-441, 2010.

BENTIVOGLIO, Julio. Cultura política e historiografia alemã no século XIX - a escola histórica prussiana e a Historische Zeitschrift. Revista de Teoria da História, Goiás, v.3, n.1, p.20-58, 2010.

BROBJER, Thomas. Nietzsche’s View of Historical Studies and Methods. Journal of the History of Ideas, Baltimore, v. 65, n. 2, p. 301-322, apr. 2004.

CALDAS, Pedro Spinola Pereira. História, ação e cultura: um esboço de comparação entre Hegel e Nietzsche. Fênix, Uberlândia, v. 3, n. 2, p. 1-15, 2006.

COSTA LIMA, Luiz. A Aguarras do Tempo. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.

ELIAS, Norbert. II. Uma Digressão sobre o Nacionalismo. In: ELIAS, Norbert. II. Os alemães: a luta pelo poder e a evolução do habitus nos séculos XIX e XX. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1997.

GIACÓIA JUNIOR, Oswaldo. Dados Biográficos. In: GIACÓIA JUNIOR, Oswaldo. Nietzsche. São Paulo: Publifolha, 2000.

GIACÓIA JUNIOR, Oswaldo. Nietzsche e a crítica do historicismo. In: MALERBA, Jurandir (org). Lições de história: da história cientifica à crítica da razão metódica no limiar do século XX. Porto Alegre: FGV: EDIPUCRS, 2013.

GRANIER, Jean. Capítulo I – A biografia. Nietzsche. Tradução: Denise Bottmann. Porto Alegre, RS: L&PM, 2011.

GRESPAN, Jorge. Hegel e o Historicismo. História Revista (UFG), Goias, v. 7, p. 55-78, 2002.

HEMPEL, Carl G. A Função das Leis Gerais em História. In: HEMPEL, Carl G. Teorias da História. Tradução e prefácio de Vítor Matos e Sá. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1995.

KITCHEN, Martin. História da Alemanha moderna. São Paulo: Cultrix, 2013.

MARROU, Henri-Irenée. Sobre o conhecimento histórico. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

MARTINS, Estevão Chaves Rezende. Historicismo: tese, legado, fragilidade. História Revista (UFG), Gioânia, v. 7, n. 1/2, p. 1-22, 2004.

MARTINS, Estevão Chaves Rezende. Veritas filia temporis? O conhecimento histórico e a distinção entre filosofia e teoria da história. Síntese, Belo Horizonte, v. 34, p. 5-25, 2009.

MARTON, Scarlett. Introdução. In: MARTON, Scarlett. Nietzsche das forças cósmicas aos valores humanos. São Paulo: Brasiliense, 1990.

MARTON, Scarlett. Nietzsche e a arte de decifrar enigmas – Treze conferências europeias. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

MARTON, Scarlett. Nietzsche: a transvaloração de valores. São Paulo: Moderna, 1993.

MATA, Sérgio da. Leopold von Ranke (1795-1886). In: MARTINS, Estevão de Rezende (org). A história pensada. São Paulo: Contexto, 2010.

MATA, Sérgio da. Elogio do Historicismo. In: VARELLA, Flávia et al (Org.). A dinâmica do historicismo. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich. Escritos sobre história. Apresentação, tradução e notas: Noeli Correia de Melo Sobrinho. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich. Segunda consideração intempestiva: da utilidade e desvantagem da história para a vida. Tradução de Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

NIETZSCHE SOURCE. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2016.

PASCHOAL, Antonio Edmilson. A Genealogia de Nietzsche. Curitiba: Champagnat, 2005.

RÜSEN, Jörn. Narratividade e objetividade nas ciências históricas. In: RÜSEN, Jörn. Jörn Rüsen e o ensino de história. Organizadores Maria Auxiliadora Schmidt, Isabel Barca, Estevão Rezende Martins. Curitiba: Ed. UFPR, 2011.

SAFRANSKY, Rüdiger. Nietzsche, biografia de uma tragédia. Tradução Lya Lett Luft. São Paulo: Geração Editorial, 2011.

SCHOLTZ, Gunter. O problema do historicismo e as ciências do espírito no século XX. História da Historiografia, Ouro Preto, n. 6, p. 42-63, 2011.

SCHOLTZ, Gunter. The phenomenon of ‘historicism’ as a backcloth of Biblical Scholarship. In: MACHINIST, Peter; SKA, Jean Louis (Ed.). Hebrew Bible – Old Testament. The History of its interpretation. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 2013. p. 64-89.

WEHLING, Arno. A temática do historicismo. In: WEHLING, Arno. A invenção da história: estudos sobre o historicismo. Rio de Janeiro, Editoria Central da Universidade Gama Filho; Niterói, Editora da Universidade Federal Fluminense, 1994. Cap. 1.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2017v10n20p979

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA