Aprender, pensar e viver História: Contribuições e questionamentos a partir de um estudo com professores e estudantes brasileiros e paraguaios

Éder Cristiano de Souza

Resumo


O presente artigo parte de três pressupostos elementares: 1. Ensinar história é lidar com conhecimentos que se relacionam à vida em sociedade; 2. Professores de história são sujeitos partícipes da sociedade, portanto suas vidas são afetadas por histórias que aprendem e ensinam, ou tentam ensinar; 3. Aprender história não é um ato individual isolado, pois não pode ser desvinculado da vida em sociedade, e não se limita a procedimentos metodológicos e conceituais restritos à sala de aula. A partir desses pressupostos, apresenta um debate sobre as relações entre a aprendizagem histórica, qualificada nos fundamentos do pensamento histórico, a função orientadora da história na vida e a concepção de formação histórica, a partir da forma como essas questões se apresentam nos estudos da Educação Histórica e da Didática da História. E relata um estudo realizado com professores e estudantes, de licenciatura em história, brasileiros e paraguaios, a partir dos conceitos objetividade e multiperspectividade, tendo como base interpretações divergentes sobre um conteúdo histórico específico, a Guerra da Tríplice Aliança. Os resultados desse estudo permitem elaborar reflexões sobre conceitos relevantes para discutir o ensino de história na atualidade: cultura histórica, burdening history, identidades e objetividade histórica.


Palavras-chave


Aprendizagem Histórica; Formação Histórica; Cultura Histórica; Objetividade; Multiperspectividade;

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2016v9n18p18

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS