A querela dos antigos e modernos: um panorama historiográfico

Luiz César de Sá Júnior

Resumo


O artigo propõe um breve panorama historiográfico da dita “querela dos antigos e modernos” desencadeada por letrados franceses e ingleses entre o fim do século XVII e meados do XVIII. Sugerimos que o conceito de “querela” deve ser cuidadosamente caracterizado, uma vez que a fortuna crítica dotou-lhe de significados que nem sempre correspondem a sua primeira legibilidade normativa, embora estes mesmos significados sejam, em alguma medida, responsáveis pela rendimento do conceito ao longo do tempo. Também nos interessa marcar o tom teleológico de algumas narrativas da “querela”, que enxergaram na disputa entre antigos e modernos o nascimento da “Modernidade”. Nesse sentido, defende-se, em conclusão, que o melhor tratamento do tema passe pelo exame das mediações históricas que monumentalizaram esses discursos.  


Palavras-chave


história moderna; história intelectual; querela dos antigos e modernos; batalha dos livros;

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2016v9n18p494

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS