Uma utopia oitocentista: igualdade, trabalho e estado em uma sociedade imaginada por Edward Bellamy

José D'Assunção Barros

Resumo


Este artigo examina a literatura utópica do século XIX, abordando mais diretamente, e em maior profundidade, a sociedade imaginária idealizada por Edward Bellamy no romance Olhando para Trás (1888). Esta análise mais específica é precedida por uma breve introdução à literatura utópica desde o século XVI – recuperando comparativamente proposições de autores como Thomas Morus, Campanella, Francis Bacon, Fourier, Saint-Simon, e Robert Owen –, além de uma discussão teórica sobre os modelos de distribuição da igualdade, neste caso considerando as reflexões de Norberto Bobbio e Amartya Sen sobre este tema. O romance de Bellamy é abordado em seu contexto, e justifica-se por envolver uma ponte entre literatura e sociedade, particularmente considerando que esta obra despertou grande interesse de leitores da época e mesmo a motivação para a realização de experiências utópicas específicas.

Palavras-chave


Literatura utópica; Sociedades imaginárias; Igualdade; Bellamy

Texto completo:

PDF

Referências


BACON, Francis. A Nova Atlântida. São Paulo: Abril Cultural, 1980. (Os Pensadores) Original de 1610.

BELLAMY, Edward. Daqui a cem anos: revendo o futuro. Rio de Janeiro: Record, 1960. Original de 1888.

BELLAMY, Edward. Equality. New York: D. Appleton & Company, 1898.

BELLAMY, Edward. What ‘Nationalism’ Means. The Eclectic Magazine of Foreign Literature (1844-1898). v.52, n.3, p.289-ss. Sep., 1890.

BOBBIO, Norberto. Teoria Geral da Política – a filosofia política e as lições dos clássicos. Rio de Janeiro: Campus, 2000. Original de 1999.

BOWMAN, Sylvia E. The Year 2000: a critical biography of Edward Bellamy. New York: Bookman Associates, 1958.

BUONARROTI, Philippe. Babeuf ’s conspiracy for equality. London: Hetherington, 1836.

CABET, Etienne. Voyage on Icarie. Paris: Au Bureau du Populaire, 1842.

CAMPANELLA, T. Cidade do Sol. São Paulo: Abril Cultural, 1980. Original de 1602. (Os Pensadores).

CIORANESCU, Alexandre. L’avenir du passe – utopie et littérature. Paris: Gallimard, 1972.

DESROCHE, H. Saint-Simon. Le nouveau christianisme et les Écrits sur la religion. Paris: Seuil, 1969.

FIRPO, Luigi. Por uma definição da “Utopia”. Tradução de Carfos Eduardo o. Berriel. Morus: Utopia e Renascimento, Campinas, n. 2, p.227-237, 2005.

FRANKLIN, John Hope. Edward Bellamy and the Nationalist Movement. The New England Quarterly, Boston, v. 11, p.739-772, dec., 1938.

FROMM, Erich. Prologue. In: BELLAMY, E. Looking Backward 2000-1887. New York: Signet, 1960.

FUNKE, Hans Gunter. L’évolution semantique de La notion d’Utopie en français” In: HUDDE, Heinrich; KUON, Peter (Eds.). De l’utopie a l’uchronie. Tubingen: G Narr, 1988. p. 19-37.

JACOBY, Russell. Imagem Imperfeita: Pensamento Utópico para uma Época Antiutópica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

LEVITAS, Ruth. The Concept of Utopia. Syracuse: Syracuse University Press, 1990.

MORRIS, Williams. Notes from Nowhere. New York: Oxford University Press, 2003. Original de 1890.

MORUS, Thomas. Utopia. São Paulo: Abril Cultural, 1980. Original de 1516. (Os Pensadores).

MUSSO, Pierre. Saint Simon et les saint-simoniisme. Paris: PUF, 1999.

NEUSÜSS, A (Ed.). Utopia. Barcelona: Barral, 1971.

ORWELL, George. 1984. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

PETRE-GRENOUILLEAU, Olivier. Saint-Simon, l’utopie ou la raison en actes. Paris: Payot, 2001.

PLATÃO. A República. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993. Original: cerca de 380 a.C.

QUARTA, Cosimo. Utopia: gênese de uma palavra-chave. Morus: Utopia e Renascimento, Campinas, n. 3, p.35-53, 2006.

RACAULT, Jean-Michel. Da ideia de perfeição como elemento definidor da utopia: as utopias clássicas e a natureza humana. Morus: Utopia e Renascimento, Campinas, n. 6, p.29-45, 2009.

REYNOLDS, Mack. Looking Backward from the Year 2000. New York: Ace Books, 1974.

SADLER, Elizabeth. One Book’s Influence: Edward Bellamy’s Looking Backward. The New England Quarterly, Boston, v. 17, p.530–555, dec., 1944.

SAINT-SIMON, C-H. New Christianity.Original de 1825. Disponível em: http://la.utexas.edu/users/hcleaver/368/368StSimon6NewChristianity.pdf. Acesso em: 10 set. 2016.

SAINT-SIMON, Claude Henri de Rouvroy. Letres d’un habitant de Genève à ses contemporains. Paris: Alcan, 1925. Original de 1803.

SEN, Amartya K. Desigualdade reexaminada. Rio de Janeiro: Record, 2001. Original de 1992.

SUVIN, Darko. Pour une définition de l’utopie comme genre littéraire. In: SUVIN, Darko. Pour une poétique de la science-fiction. Études en theorie et en histoire d’un genre littéraire. Montréal: Les Presses de l’Université du Quebec, 1977. p.47-69.

WELLS, H. G. A Máquina do Tempo. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983. Original de 1895.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2017v10n20p919

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA