“Esses chamados intelectuais de esquerda”: o IPM do PCB e o fenômeno do comunismo na produção cultural do pós-golpe

Rodrigo Czajka

Resumo


Entre as muitas ações de investigação adotadas pelos militares com a intenção de coletar informação sobre a chamada “subversão comunista” no pó-golpe, em 1964, uma das formas que muito se destacou foi o Inquérito Policial-Militar (IPM). Esse instrumento de investigação tinha por finalidade a coleta de provas e indícios que, posteriormente, serviriam de base para processos penais com base na Lei de Segurança Nacional (JSN). Entre os IPMs que ganharam maior repercussão estava o do Partido Comunista Brasileiro (PCB), sobretudo porque ele serviu de ponto de partida para outros inquéritos que se desdobraram em investigações específicas. Uma delas, que será abordada nesse artigo, diz respeito à organização de uma intelectualidade de esquerda que, se antes do golpe fundamentou um debate sobre o pensamento político e social no Brasil, após o golpe ganhará projeção ainda maior pela sua atuação na resistência ao regime militar. No IPM do PCB o “intelectual de esquerda” ou o “intelectual comunista” são definidos pelos relatórios militares como elementos portadores de um discurso sofisticado de propaganda soviética, logo, deveriam ser investigados em profundidade pelos serviços de informações. 


Palavras-chave


Ditadura militar; Inquéritos militares; Comunismo; Intelectuais

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2015v8n15p219



Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br