“Sou quem sou, e não sou nada, sou uma história já contada”: sujeitos cênicos - expressão erótica na obra audiovisual de Ney Matogrosso no contexto de autoritarismo (1975-1982)

Robson Pereira da Silva

Resumo


Verifica-se, no presente artigo, as investigações acerca das transgressões performáticas de Ney Matogrosso, no contexto da ditadura civil militar brasileira. Desta feita, percebe-se a exibição de sujeitos (tipos/arquétipos) marginais, nos procedimentos performáticos (fonograma, capa, encarte, espetáculo), que configuraram sentido a obra do artista durante as décadas 1970 e 1980. O artista, em suas obras, inverte a ideia regida pela cultura afluente em procedimentos compostos por materiais audiovisuais, oportunizados e difundido em uma indústria cultural, o que garante, historicamente, a materialidade da produção do intérprete da Música Popular Brasileiro – o registro da performance.  Neste estudo, preconiza a historicidade da estética da subversão em Ney Matogrosso, como uma atitude política frente ao regime de autoritarismo produtor de interdições do potencial erótico.


Palavras-chave


performance; Ney Matogrosso; autoritarismo; MPB; ditadura

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2015v8n16p303



Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br