Do palacete ao cortiço: o emprego do ladrilho nas construções paulistanas da passagem do século XIX para o século XX

Solange de Aragão, Thais Souza

Resumo


Este artigo trata do emprego do ladrilho hidráulico (um tipo de piso que resulta da mistura de cimento Portland com areia, água, pó de mármore e de granito, e que apresenta desenhos coloridos de formas geométricas ou florais) nas construções paulistanas da passagem do século XIX para o século XX – mais especificamente das últimas décadas do século XIX e das primeiras décadas do século XX. O objetivo é demonstrar como esse material construtivo, inicialmente empregado como símbolo de status nas edificações mais ricas da capital paulista (particularmente em alguns dos antigos palacetes paulistanos), aos poucos se difunde, podendo ser encontrado também em outros tipos de construção, e mesmo em antigas casas operárias e sobrados transformados em cortiços, associando-se ainda os diferentes graus de complexidade dos desenhos do ladrilho ao nível de renda dos proprietários originais – quanto mais complexo o desenho, mais elevado o preço de cada peça e, portanto, mais rico o proprietário da construção. Destaca-se também o modo como esse material produzido artesanalmente continua sendo valorizado por arquitetos e outros profissionais da área na atualidade, em função da riqueza de seus desenhos, de seu colorido e das diversas possibilidades de composição das peças.

Palavras-chave


Ladrilho hidráulico; Palacete; Cortiço; São Paulo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2014v7n14p348



Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br