O campo do patrimônio cultural e a história: itinerários conceituais e práticas de preservação

Antonio Gilberto Ramos Nogueira

Resumo


A complexidade que envolve a nova configuração do campo do patrimônio cultural na atualidade tem desafiado os pesquisadores a compreender os usos sociais do passado, consubstanciados pelo imperativo da patrimonialização, em perspectiva com o movimento de expansão da memória e as dinâmicas identitárias. A despeito das especificidades dos instrumentos que fundamentam a institucionalização do patrimônio cultural no Brasil, ainda que olhares apressados tendam a caracteriza-los de ordem conceitual e/ou metodológica, em estreita articulação com a dimensão material e imaterial do bem, procuramos evidenciar é que tombamento e registro se inserem na lógica das escolhas e atribuição de valores, segundo as contingências sociais e temporais sob as quais eles se constroem e se localizam. Enquanto uma modalidade de escrita do passado, as reflexões sobre o patrimônio cultural devem considera-lo parte do esforço dos agentes envolvidos (poder público e sujeitos sociais) de tornar a experiência do transcurso do tempo em experiência partilhável social e coletivamente (GUIMARÃES, 2011). Diante da profusão de leituras, apropriações e construções de significados em torno do patrimônio cultural, o artigo trata essa escrita a partir duma perspectiva histórica, buscando contribuir com as reflexões sobre as singularidades dos processos de patrimonialização em sua historicidade.

Palavras-chave


História; Patrimônio Cultural; Memória; Identidade; Campo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2014v7n14p45



Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS