A criminalização do MST e a formação dos operadores do sistema de justiça no Brasil

Adalmir Leonidio

Resumo


O artigo discute os problemas técnicos e históricos da formação dos principais operadores do sistema de justiça no Brasil, mormente delegados, promotores e magistrados. Busca mostrar que existe uma cultura histórica herdada, baseada no valor da desigualdade, que se incorpora à formação universitária destes operadores de justiça e que vai influenciar consideravelmente suas decisões ao longo da condução de processos penais movidos contra sem terras. Baseia-se na análise de um conjunto de dados extraídos das instituições responsáveis pela formação destes operadores, tais como universidades, escolas de magistratura e escolas do Ministério Público.

Palavras-chave


Operadores de Justica; MST; Criminalização; Brasil

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2014v7n14p417



Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br