Transformações da Paisagem e a Memória em Camorim

Luz Stella Rodriguez Cárceres

Resumo


Um importante elemento identitário para os habitantes do bairro Camorim é a capela de São Gonçalo de Amarante construída em 1625, ícone da arquitetura rural colonial do Rio de Janeiro e tombada como patrimônio estadual em 1965. A igreja e a paisagem que a rodeia têm passado pelas modificações que o tempo e as atividades humanas e não humanos lhe imprimem. O interesse e empenho da comunidade católica do bairro na restauração da capela no final da década de 1990 e as atuais apropriações simbólicas do espaço circundante da igreja por parte de um grupo quilombola oferecem um marco para explorar as relações que se tecem entre memória, mudança, materialidade e paisagem. O cenário de fundo são as abruptas transformações urbanísticas que vêm acontecendo na região, alvo da expansão urbana carioca e as inquietações que dito momento desperta nos habitantes do bairro.

Palavras-chave


memoria, patrimônio, paisagem, restauração, mudança

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2014v7n14p171



Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS