História e Antropologia nas fronteiras do extremo norte do Brasil: o patrimônio cultural dos Wajãpi e uma reflexão sobre as artes indígenas

Giovani José da Silva

Resumo


Os Wajãpi são indígenas falantes de uma língua Tupi que vivem no início do século XXI na região delimitada pelos rios Oiapoque, Jari e Araguari, no Estado do Amapá, fronteira do Brasil com a Guiana Francesa. Além da riqueza das narrativas orais, os Wajãpi possuem um repertório definido de padrões gráficos que pode ser denominado de arte kusiwa. Os padrões gráficos referem-se, sobretudo, a animais que compõem a mitologia Wajãpi. Em 2002, o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) inscreveu a arte kusiwa no Livro de Registro das Formas de Expressão por meio de um dossiê. Tal documento foi elaborado por iniciativa do Apina (Conselho das Aldeias Wajãpi) para ser encaminhado à Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), que selecionou as expressões gráficas e orais dos Wajãpi como obra prima do patrimônio oral e imaterial da humanidade, em 2003. O artigo tem por objetivo problematizar a temática do patrimônio cultural, apresentando uma reflexão sobre as artes indígenas em geral e especificamente sobre as artes dos Wajãpi. Espera-se, desse modo, contribuir a respeito dos usos sociais dos patrimônios culturais em perspectiva interdisciplinar, centrando na interlocução entre Arte, História e Antropologia.

Palavras-chave


Patrimônio Cultural; Artes Indígenas; índios Wajãpi; fronteira Norte do Brasil; História e Antropologia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2014v7n14p282



Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS