A história institucional recente da política de patrimônio cultural na cidade do Rio de Janeiro: versões protecionistas, versões empreendedoras.

João Luiz Domingues

Resumo


Neste artigo procura-se interpelar as formas gerais de gestão contemporânea das grandes cidades, sua relação com os meios de espacialização capitalista e sua articulação com o campo do patrimônio cultural. Tendo como pressuposto as mudanças conjunturais do modo capitalista de produção em sua perspectiva desigual e combinada, o que se pretende esboçar é a noção de que estão em curso alterações significativas na forma de representar e agir sobre o urbano, e que estas evidenciam problematizações para a cultura, em especial no que toca ao seu gestionamento. Tendo como objeto a história recente das políticas patrimoniais em atividade na cidade do Rio de Janeiro, procura-se ilustrar duas fases distintas: a primeira mostrou correspondência com as escolhas produzidas pelos institutos de proteção da memória nacional, expressando preocupação com a dimensão da preservação imobiliária. Numa segunda fase, mais recente, a política de patrimônio mantém a preocupação imobiliária, mas incorpora alguns dos elementos do marketing urbano e da economia criativa, tendo em seu esforço final ampliado o cenário de centralismo burocrático que já se desenhava.


Palavras-chave


Políticas Culturais, Patrimônio Cultural, Empreendedorismo Urbano; Insulamento Burocrático, Economia Criativa.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2016v9n17p222



Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

CNPQ PPG-HS DORA OJS