ANSIEDADE E PERCEPÇÕES DE MORTE E MORRER ENTRE GRADUANDOS DE ENFERMAGEM

Suélen Aparecida Costa, Ivi Ribeiro Back, Iven Giovanna Trindade Lino, Verônica Francisqueti Marquete, Maria Emília Grassi Busto Miguel, Sonia Silva Marcon

Resumo


Objetivo: Verificar o grau de ansiedade face à morte e as diferentes perspectivas do processo de morte e morrer entre graduandos do último ano de enfermagem. Método: Estudo transversal, realizado em cinco universidades do Noroeste do Paraná. Os dados foram coletados entre agosto e outubro de 2017, mediante questionário autoaplicável abordando questões sociodemográficas e as escalas de ansiedade e perspectivas da morte. Os dados foram analisados com auxílio da estatística descritiva e inferencial. Resultados: A maioria (41,7%) dos 108 acadêmicos apontou discussão insuficiente desta temática em sala de aula. Foi observada correlação entre ansiedade e as seguintes perspectivas de morte: sentimentos de sofrimento e solidão (p=0,0275), abandono como sensação de culpa (p=0,0177) e assombro de fracasso (p=0,0262). Conclusão: A ansiedade e a religião estiveram associadas a sentimentos perante a morte que devem ser melhor abordados entre futuros enfermeiros.

Palavras-chave


Enfermagem; Morte; Estudantes de Enfermagem

Referências


Ministério da Saúde (BR). Sistema de informação sobre mortalidade. DATASUS. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2015.

Bandeira D, Cogo SB, Hildebrandt LM, Badke MR. A morte e o morrer no processo de formação de enfermeiros sob a ótica de docentes de enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2014jun; 23(2):400-07. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072014000660013

Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução Cofen 564/2017. Código de ética dos profissionais de enfermagem [Internet]. Brasília, DF: COFEN; 2017. [citado 2019 jun. 20]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2017/12/RESOLU%C3%87%C3%83O-COFEN-N%C2%BA-564-2017.pdf.

Nunes NLF, Araújo KM, Silva LDC. As evidências sobre o impacto psicossocial de profissionais de enfermagem frente à morte. Rev Interd [Internet]. 2016 [citado 2019jun. 22];9(4):165-72. Disponível em: https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/545.

Oliveira ES, Agra G, Morais MF, Feitosa IP, Gouveia BLA, Costa MML. The process of death and dying in nursing students perception. J Nurs UFPE on line. 2016 May;10(5):1709-16. doi: 10.5205/reuol.9003-78704-1-SM.1005201617

Lima R, Bergold LB, Souza JDF, Barbosa GS, Ferreira MA. Death education: sensibility for caregiving. Rev Bras Enferm. 2018;71(suppl

:1884-89. doi: 10.1590/0034-7167-2017-0018

Freitas TLL, Banazeski AC, Eisele A, Souza EM, Bitencourt JVOV, Souza SS. The look of nursing on death and dying process of critically ill patients: an integrative review. Enferm Glob [Internet]. 2016 [cited 2019 Aug 21];15(41):322-34. Available from: http://scielo.isciii.es/pdf/eg/v15n41/en_revision2.pdf

Nunes ECDA, Santos AA. Challenges of nursing teaching-learning to care for human dying - professors’ perceptions. Esc Anna Nery. 2017Oct;21(4):e20170091. doi: 10.1590/2177-9465-EAN-2017-0091

Benedetti GMS, Oliveira K, Oliveira WT, Sales CA, Ferreira PC. Meaning of the death / dying process for entering nursing students. Rev Gaúcha Enferm. 2013 Mar;34(1):173-79. doi: 10.1590/S1983-14472013000100022

Jafari M, Rafiei H, Nassehi A, Soleimani F, Arab M, Noormohammadi MR. Caring for dying patients: attitude of nursing students and effects of education. Indian J Palliat Care. 2015 Aug;21(2):192-97. doi: 10.4103/ 0973-1075.156497.

Lima BSF, Silva RCL. Death and dying in a pediatric ICU: challenges for nursing care in the finitude of life. Cienc Cuid Saude. 2014 Out/Dez;13(4):722-29. doi: 10.4025/cienccuidsaude.v13i4.21530

Santos MAD, Hormanez, M. Atitude frente à morte em profissionais e estudantes de enfermagem: revisão da produção científica da última década. Ciênc Saúde Coletiva. 2013 set;18(9):2757-768. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000900031.

Ferreira JMG, Nascimento JL, Sa FC. Profissionais de saúde: um ponto de vista sobre a morte e a distanásia. Rev Bras Educ Med. 2018;42 (3):87-96. doi: 10.1590/1981-52712015v42n3rb20170134

Barros-Oliveira J, Neto F. Validação de um instrumento sobre diversas perspectivas da morte. Aná Psicol [Internet]. 2004 [citado

ago. 20];22(2):355-67. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/aps/v22n2/v22n2a04.pdf

Ribeiro HJ. Atitude e ansiedade face à morte: perfil dos graduandos da área da saúde [Monografia]. Brasília (DF): Universidade de Brasília; 2014.

Borges MC, Gomes BLBD. Percepção dos acadêmicos de enfermagem quanto ao processo terminal da vida. Rev Enferm

Contemp. 2017 abr;6(1):49-55. doi: 10.17267/2317-3378rec.v6i1.1183

Duarte AC, Almeida DV, Popin RC. Death within the medical undergraduate routine: students’ views. Interface (Botucatu). 2015; 9(55):1207-19. doi: 10.1590/1807-57622014.1093

Mendonça GA, Souza Junior VD, Correio NLS, Santos AS. O morrer para graduandos em enfermagem: a contribuição da psicologia. REFACS [Internet]. 2013;1(1):24-33 [citado 2019 ago. 20]. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/

refacs/article/view/492/pdf.

Custódio MRM. O processo de morte e morrer no enfoque dos acadêmicos de enfermagem. Rev Psicol [Internet]. 2010 [citado 2019 ago. 20];13(18):127-42. Disponível em: https://revista.pgsskroton.com.br/index.php/renc/article/view/2538/2425

Farinasso ALC, Labate RC. Luto, religiosidade e espiritualidade: um estudo clínico-qualitativo com viúvas idosas. Rev Eletr Enf [Internet]. 2012set;1(1):588-95 [citado 2019 ago. 23]. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/revista/v14/n3/pdf/v14n3a15.pdf

Bousso RS, Poles K, Serafim TS, Miranda MG. Religious beliefs, illness and death: family’s perspectives in illness experience. Rev Esc

Enferm USP. 2011 Apr; 45(2):397-403. doi:10.1590/S0080-62342011000200014

Barbosa AMGC, Massaroni L. Living with death and dying. J Nurs UFPE on line. 2016 Feb; 10(2):457-63 doi: 10.5205/reuol.8557-

-1-SM1002201611

Silva CR, Portella SDC, Reis LR, Bispo TCF. Religião e morte: qual a relação existente. Rev Enferm Contemp. 2012;1(1):130-41. doi:10.17267/2317-3378rec.v1i1.49

Campelos ICSF. A ansiedade e o medo da morte nos profissionais de saúde [Monografia]. Porto (POR): Universidade Fernando Pessoa; 2006.

Ribeiro DB, Fortes RC. A morte e o morrer na perspectiva de estudantes de enfermagem. Revisa [Internet]. 2012 [citado 2019 ago.

;1(1):32-9. Disponível em: http://revistafacesa.senaaires.com.br/index.php/revisa/article/view/10/7

Stochero HM, Nietsche EA, Salbego C, Pivetta A, Schwertner MVE, Fettermann FA, et al. Sentimentos e dificuldades no enfrentamento

do processo de morrer e de morte por graduandos de enfermagem. Aquichan. 2016 jun;16(2):219-20. doi: 10.5294/aqui.2016.16.2.9

Archambault-Grenier MA, Roy-Gagnon MH, Gauvin F, Doucet H, Humbert N, Stojanovic S, et al. Teamwork and conflicts in paediatric end of life care. Acta Paediatr. 2018 Feb;107(2):262-69. doi: https://doi.org/10.1111/apa.14102

Lopez Alonso AI, Fernández Martínez ME, Liébana Presa C, Vasquez Casares AM, Castro González MP. Experimental classroom games: a didactic tool in palliative care. Rev Esc Enferm USP. 2018 Apr; 52:e03310. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2017007703310

Oliveira-Cardoso EA, Santos MA. Grupo de educação para a morte: uma estratégia complementar à formação acadêmica do

profissional de saúde. Psicol Ciênc Prof. 2017;37(2):500-14. doi: http://doi.org/10.1590/1982-3703002792015


Apontamentos

  • Não há apontamentos.