DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTE: ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO E PARTICIPAÇÃO DO ENFERMEIRO

Kelen Mayer Machado, Simone Lysakowski, Rita Catalina Aquino Caregnato, Carine Raquel Blatt

Resumo


Objetivo: o objetivo desse estudo foi relatar a participação dos enfermeiros de uma Organização de Procura de Órgãos (OPO) na unificação do serviço com uma Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT). Método: o relato inclui a experiência de um complexo hospitalar, referência em saúde, da região sul do Brasil, no período de agosto de 2016 a dezembro de 2018, com a reformulação das atividades em três etapas: a) Processos administrativos e assistenciais; b) Atribuições do enfermeiro; e c) Educação permanente. Resultados: os transplantes de órgãos evoluíram significativamente ao longo dos anos, apresentando um aumento de 2,4%, na taxa de doadores efetivos por milhão de população (pmp) em 2018. Os enfermeiros das Organização de Procura de Órgãos (OPO)e Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT) devem ser capacitados para atuar em cada etapa desse processo, sendo responsáveis por planejar, organizar, coordenar e executar a assistência a esses pacientes. A participação do enfermeiro é fundamental no desenvolvimento das atividades da OPO e CIHDOTT, prestando cuidado aos pacientes e familiares, desenvolvendo atividades de gestão, assistência e educação, tornando-se referência para a equipe de saúde no processo de doação e transplantes. Conclusão: A atuação desses profissionais na unificação dos dois serviços foi essencial, permitindo melhoria nas rotinas e bons resultados, evidenciados pelo aumento das notificações de possíveis doadores e consequentemente no acréscimo no número de doações possibilitando a melhor organização do serviço e interação com as equipes assistenciais.

Palavras-chave


Transplantes; Cuidados de enfermagem; Obtenção de tecidos e órgãos; Cuidados críticos; Educação continuada

Referências


Moreira WC, Barbosa TMA, Ribeiro WRA, Damasceno CKCS, Alencar DC, Vieira SKSF. Assistência de enfermagem no processo de doação de órgãos e transplantes. Rev Prev Infecç Saúde. 2016;2(1-2):32-42. doi: 10.26694/repis.v2i1-2.4381.

Westphal GA, Garcia VD, Souza RL, Franke CA, Vieira KD, Birckholz VR, et al. Diretrizes para manutenção de múltiplos órgãos no

potencial doador adulto falecido. Rev Bras Ter Intensiva. 2016;28(3):220-255. doi: 10.5935/0103-507X.20160049.

Zúñiga-Fajuri Alejandra. Transparência e transplantes: é possível? Dilemas bioéticos da alocação de órgãos. Bioeth Act [Internet]. 2017 jul [citado 2019 set 03]; 23 (2): 237- 243. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?cript=sci_arttext&pid=S1726-

X2017000200237&lng=en.http://dx.doi.org/10.4067/S1726-569X2017000200237.

Scientific Registry of Transplant Recipients. SRTR/OPTN annual data report: statistics on donation and transplantation in the United Status [Internet]. Departament of Health and Human Services (US); 2018 [citado 2019 mar 20]. Disponível em: https://www.srtr.org/reports-tools/srtroptn-annual-data-report/.

Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado no período de 2011 a 2018. RBT [Internet]. 2018 [citado 2019 mar 20]; 24(4):1-89. Disponível em: http://www.abto.org.br/abtov03/Upload/

file/RBT/2018/Lv_RBT-2018.pdf

Tech AW, Cruz LV, Cornelli M, do Vale Pereira C, Bertoglia J, Brasil B, et al. Implementing activities developer by the organ transplantation Academic Society of the Hospital Dom Vicente Scherer: a pilot study.

Transplant Proc. 2016Set;48(7):2253-7. doi: 10.1016/j.transproceed.2016.06.009

Organ Procurement and Transplantation Network (OPTN). Board of Directors Meeting. Annual data report. Departament of health

and human services (US); 2018. [citado 2019 Mar 20]. Disponível em: https://optn.transplant.hrsa.gov/

Hodgson R, Young AL, Attia MA, Lodge JPA. Impact of a National Controlled Donation After Circulatory Death (DCD) Program on Organ

Donation in the United Kingdom: A 10 Year Study. Am J Transplant . 2017 dez; 17 (12):3172-3182. doi: 10.1111 / ajt.14374.

Murakami M, Fukuma S, Ikezoe M, Nakamura M, Yamazaki S, et al. Effect of an educational program on attitudes towards deceased organ

donation. Ann Transplant. 2015 may;20:269-78. doi: 10.12659/AOT.893325

Fiorelli AL, Stolf NA, Pego-Fernandes PM, Oliveira Júnior JL, Santos RH, Contreras CA, et al. Recommendations for use of marginal donors

in heart transplantation: Brazilian Association of Organs Transplantation guideline. Transplant Proc. 2011jan-feb;43(1):211-5.

doi: 10.1016/j.transproceed.2010.12.047.

Silva FAA, Cunha DSP, Lira JAC, Ribeiro JF, Campelo GVS, Nunes BMVT. Morte encefálica e manutenção de órgãos: conhecimento dos profissionais intensivistas. Rev Enferm UFPE. 2018 jan;12(1):51-8. doi: 10.5205/1981-8963-v12i01a25130p51-58-2018.

Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado

(2009-2016). RBT [Internet]. 2016 [citado 2019 abr 15]; 22(4):1-89. Disponível em: http://www.abto.org.br/abtov03/Upload/file/

RBT/2016/RBT2016-leitura.pdf.

Ministerio da Saúde (BR). Portaria nº 1.752, de 23 de setembro de 2005. Determina a constituição de Comissão Intra-Hospitalar de

Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante em todos os hospitais públicos, privados e filantrópicos com mais de 80 leitos [Internet].

Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2005 [citado 2019 mar 20]. Disponível em: http://bvsms. saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2005/

prt1752_23_09_2005.html.

Ministerio da Saúde (BR). Portaria nº 2.600, de 21 de outubro de 2009. Aprova o Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2009 [citado 2019 mar 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt2600_21_10_2009.html.

Ministerio da Saúde (BR). Portaria nº 2.601, de 21 de outubro de 2009. Institui, no âmbito do Sistema Nacional de Transplantes, o Plano Nacional de Implantação de Organizações de Procura de Órgãos e Tecidos - OPO [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2009 [citado 2019 mar 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt2601_21_10_2009.html.

Fonseca PIMN, Tavares CMM. O preparo emocional dos profissionais de saúde na entrevista familiar: estudo hermenêutico. Online Braz J Nurs. 2014 set;13(4):496-506. doi 10.17665/1676-4285.2014v13n4

Morais TR, Morais MR. Doação de órgãos: é preciso educar para avançar. Saúde Debate. 2012out-dez;36(95):633-9. doi:10.1590/

S0103-11042012000400015

Bianchi M, Accinellia LG, Silva MA, Menegócio AM. Identificação dos diagnósticos de enfermagem ao paciente potencial doador de

órgãos. Uniciências. 2015 dez;19(2):174-80. doi: 10.17921/1415-5141.2015v19n2p%25p.

Araújo C, Santos JAV, RAP Rodrigues, Guidi Júnior LRG. O papel do profissional de enfermagem na doação de órgãos. Rev Saúde Foco [Internet]. 2017 [citado 2019 jan 10]; 9:533-51. Disponível em: http://portal.unisepe.com.br/unifia/wp-content/uploads/sites/10001/2018/06/061_papel_profissional_enfermagem.pdf.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução COFEN nº 292/2004. Normatiza a atuação do enfermeiro na captação e transplante de órgãos e tecidos [Internet]. Rio de Janeiro: COFEN; 2004 [citado 2018 mar 10]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/

resoluo-cofen- 2922004_4328.html.

Garcia CD, Garcia VD, Pereira JD. Manual de doação e transplantes: informações práticas sobre todas as etapas do processo de doação de órgãos e transplante. Porto Alegre: Libretos; 2017.

Halldorson J, Roberts JP. Decadal analysis of deceased organ donation in Spain and the United States linking an increased donation

rate and the utilization of older donors. Liver Transpl. 2013 sep;19(9):981-6. doi: 10.1002/lt.23684

Andrade JDA de, Brito AC de, Lira GG, Fernandes FECV, Melo RA. Experiences and strategies of an organ procurement organization vivências e estratégias de uma organização de procura de órgãos. Rev Enferm UFPE on line.2018abr;12(4):857-64. doi: 10.5205/1981-

-v12i4a110257p857-864-2018.

Conselho Federal de Medicina (BR). Resolução nº 2.173, de 23 de novembro de 2017. Define os critérios do diagnóstico de morte encefálica [Internet]. Diário Oficial da União, Brasilia; 2017. Seção 1, p. 50-275. [citado 2019 mar 18]. Disponível em: https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/carga20171205/19140504-resolucao-do-conselho-federal-de-medicina-2173-2017.pdf

Silva EPB, Nunes FS, Bueno JLS, Silva MG, Silva PRB, Santos RC, Santos SSS. Educação permanente como instrumento de trabalho do

profissional de saúde. Rev Remecs [Internet]. 2017 [citado 2019 mar 15]; 2(2):41-6. Disponível em: http://www.revistaremecs.

com.br/index.php/remecs/article/view/10/

pdf_1.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.