Avaliação da fadiga em profissionais de enfermagem do setor de urgência-emergência

Aline Oliveira Russi Pereira, Sérgio Valverde Marques dos Santos, Fabiana Cristina Taubert de Freitas Swerts, Joab Jefferson da Silva Xavier, Aida Maria de Oliveira Cruz Mendes, Maria Lúcia do Carmo Cruz Robazzi

Resumo


Objetivo: avaliar a fadiga física e mental de profissionais de enfermagem que atuam no setor de urgência e emergência hospitalar. Método: Estudo transversal e quantitativo, realizado no setor de urgência e emergência de um hospital localizado em Minas Gerais, Brasil, em 2016, com 37 profissionais de enfermagem. Para coleta de dados, utilizou-se um instrumento de avaliação sociodemográfica e laboral e para avaliar a fadiga física e mental a Escala de Fadiga de Chalder. Resultados: a maioria dos participantes era do sexo feminino (73%), solteira (54,1%), com média de idade de 30,5 anos, sem hábitos de fumar e de praticar atividade física (62,2%). Com relação à categoria profissional, a maior parte era de enfermeiro I (43,2%), com tempo de atuação de até cinco anos na profissão e na instituição (40,57%; 59,4%) e de três anos no setor de urgência/ emergência (56,7%), com carga horária de 8h/dia (75,5%). Em relação à fadiga física, os trabalhadores relataram que às vezes se cansavam facilmente (32,4%), precisavam descansar mais (40,5%) e sentiam fraqueza (24,3%). Na fadiga mental, relataram que às vezes tiveram problemas de concentração (21,6%), dificuldade para pensar claramente (18,9%) e problemas de memória (10,8%). Na soma dos escores dos itens da fadiga, 35,1% apresentaram presença de fadiga (13), enquanto que 64,8% (24) não apresentaram presença de física ou mental. Conclusão: o ambiente laboral dos profissionais de enfermagem pode propiciar fadiga e, consequentemente, trazer consequências para sua saúde. Assim, torna-se importante a promoção da qualidade desse ambiente e da saúde de quem nele trabalha.

Palavras-chave


Fadiga; Saúde do trabalhador; Enfermagem; Enfermagem em Emergência

Referências


Pitta AMF. Hospital: dor e morte como ofício. São Paulo: Hucitec Ltda., 1990.

Marziale MHP. Abordagem ergonômica do trabalho de enfermagem. 1999. [tese Livredocência], Escola de Enfermagem de Ribeirão

Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 1999.

Lanfranchi JB, Duveau A. Explicative models of musculoskeletal disorders (MSD): From biomechanical and psychosocial factors to clinical analysis of ergonomics. EurRevApplPsychol, France, v.58, n.4, p. 201-213. Dec 2008.

Moon SD. A psychosocial view of cumulative trauma disordens. Implications for Occupational Healh and Prevention. In: MOON

S.D; SAUTER S.L. Beyond biomechanics: Psychosocial aspects of musculoskeletal disorders in office work. London: Taylor &

Francis, 1996. p. 109-143.

Ministério da Previdência Social. Cai o número de acidentes de trabalho e aumenta afastamento por transtornos mentais. Ministério da Previdência Social: Notícias. 5 mar 2012.

Guimarães BM, Laura BM, Azevedo LS, Andrade MA. Análise da carga de trabalho de analistas de sistemas e dos distúrbios osteomusculares. Fisioter Mov. 2011;24(1):115-24.

Moura AAG, Carvalho EF, Silva NJC. Repercussão das doenças crônicas nãotransmissíveis na concessão de benefícios pela Previdência Social. Cien Saude Colet 2007; 12(6):1661-1672.

Boff BM, Leite DF, Azambuja MI. Morbidade subjacente à concesso de benefício por incapacidade temporária para o trabalho. RevSaude Publica 2002; 36(3):337-342.

Batiz EC, Vergara LGL,Licea OEA. Análise comparativa entre métodos de carregamento de cargas e análise postural de auxiliares de enfermagem. Produção.2012;22(2): 270-283.

Mota DDCF, Cruz DALM, Pimenta CAM. Fadiga: uma análise do conceito. Acta Paul Enferm. 2005;18(3):285-93.

Moriguchi CS, et al. Avaliação de diferentes parâmetros para interpretar a necessidade de descanso em ergonomia. Fisioterapia em

Movimento. 2013; 26(4):823-833.

Vegian CFL. Capacidade para o trabalho entre profissionais de um serviço de atendimento pré-hospitalar móvel de urgência [dissertação]. Campinas: Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas; 2010.

Sancinetti, TR. Absenteísmo por doença na equipe de enfermagem: Taxa, diagnóstico médico e perfil dos profissionais [tese]. São Paulo: Escola de Enfermagem, universidade de São Paulo; 2009.

Fischer FM, Borges FNS, Rotenberg L, Latorre MRDO, Soares NS, Santa Rosa PLF, Nagai R, Landsbergis P. A (in)capacidade para o trabalho em trabalhadores de enfermagem. Rev Bras Med Trab 2005;3(2):97-103.

Chalder, T, Berelowitz, G, Pawlikowska, T, Watts, L, Wessely, S, Wright, D, & Wallace, E P. Development of a fatigue scale. Journal

of Psychosomatic Research. 1993;37(2),147-153.

Cho HJ, Costa E, Menezes PR, Chalder T, Bhugra D, Wessely S. Cross-cultural validation of the Chalder Fatigue Questionnaire in Brazilian primary care. J Psychosom Res. 2007 Mar; 62 (3): 301-4.

Alencar MCB, Schultze VM, Souza SD. Distúrbios osteomusculares e o trabalho dos que cuidam de idosos institucionalizados. Fisioter Mov. 2010;23(1):63-72.

Silva FJ. A capacidade para o trabalho e a fadiga entre trabalhadores de enfermagem. 2011. 84 f. Dissertação (Mestrado em

Fundamentos e Administração de Práticas do Gerenciamento em Enfermagem) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo,

FIOCRUZ. Fundação Oswaldo Cruz. Perfil da Enfermagem no Brasil. Agência Fiocruz de Notícias. 2015. Disponível em: .

Chillida MSP; Contrera-Moreno L; Monteiro MI. Atividade física referida e estilo de vida entre trabalhadores de enfermagem em serviço público de saúde. In: Roberto Vilarta, Gustavo Gutierrez, Roberto Teixeira Mendes. (Org.). Políticas Públicas, Qualidade de Vida

e Atividade Física. Campinas: Ipes Editorial, 2011, p. 137-143.

Souza NVDO, et al. Perfil Socioeconômico e de saúde dos trabalhadores de enfermagem da policlínica Piquet Carneiro. Rev Mineira Enferm. 2012;16(2): 232-240.

Scholze AR, et al. Ambiente ocupacional e o consumo de substâncias psicoativas entre enfermeiros. Acta Paulista Enferm.

;30(4):404-411.

Hilleshein EF, et al. Capacidade para o trabalho de enfermeiros de um hospital universitário. Rev Gaúcha Enferm. 2011; 32(3):509-515.

Gurgueira GP, Alexandre NMC, Corrêa Filho HR. Prevalência de sintomas músculo-esqueléticos em trabalhadoras de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2003;11(5):608-613.

Santos SVM, Macedo FRM, Silva LA, Resck ZMR, Nogueira DA, Terra FS. Work accidents and self-esteem of nursing professional

in hospital settings. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2017;25:e2872.

Steege LM, Dykstra JG. A macroergonomic perspective on fatigue and coping in the hospital nurse work system. Applied Ergonomics. 2016; 54: 19-26.

Steege LM, Rainbow JG. Rainbow Fatigue in hospital nurses — ‘Supernurse’ culture is a barrier to addressing problems: A qualitative

interview study. International Journal of Nursing Studies. 2017; 67:20-28.

Fang J, Kunaviktikul W, Olson K, Chontawan R, Kaewthummanukul T. Factors influencing fatigue in Chinese nurses. Nursing & Health Sciences. 2008; 10: 291-99.

Loro MM, Zeitoune RCG, Guido LA, Silveira CR, Silva RM. Desvelando situações de risco no contexto de trabalho da Enfermagem em serviços de urgência e emergência. Rev Escola

Anna Nery. 2016; 20(4).

Rocha MCP, Martino MMF. Stress and sleep quality of nurses working different hospital shifts. Rev Escola de Enfermagem da USP.

;44(2):280-86.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.