RELIGIOSIDADE POPULAR, LUTA E RESISTÊNCIA: LEGADO CULTURAL QUE PERDURA HÁ 100 ANOS

Eline Farias da Silva, Daiane Cirilo de Souza

Resumo


Este artigo apresenta uma perspectiva da formação do território enquanto espaço da vida cotidiana, na qual se manifestam as mais diversas relações de poder. Tem como objetivo analisar os aspectos culturais da religiosidade popular, ligadas a crença nos Monge João Maria, e suas relações enquanto forma de luta e resistência para preservar a identidade territorial. Através das imagens apresentadas dos espaços sagrados, procura-se refletir como essas influencias religiosas seculares, estão presentes na atualidade e se perpetuaram através da transmissão da cultura oral. Este artigo é resultado de pesquisa bibliográfica e trabalho de campo. Apresenta o conceito de território ligado as diversas relações que o compõem, na qual, opondo-se ao de poder hegemônico, consequentemente se desdobra em formas de luta e resistência. Neste contexto de formação territorial, enquanto espaço de luta e resistência, temos as representações culturais e simbólicas do monge José Maria, em quanto curandeiro, conselheiro e profeta, que mobiliza lideranças para a guerra do contestado.  O cotidiano presente, através desses espaços históricos, na figura do monge João Maria e nas águas santas, levam a crenças que duram mais de cem. Na qual, vê-se a força dessa cultura, transmitida pela oralidade do povo caboclo, através da fé no Monge, que se configura como uma forma de resistência. Mostra que o espaço concreto que lhes é negado, se materializa na construção da simbologia da religiosidade popular.


Palavras-chave


Território, contestado, resistência

Texto completo:

PDF

Referências


AURAS, Marli. Guerra do Contestado: A Organização da Irmandade Cabocla. Florianópolis: Ed. UFSC: Assembleia Legislativa; São Paulo: Cortez e Livraria, 1984. Ed. Ilustrada.

FRAGA, Nilson Cesar. Território, Região, Poder e Rede: Olhares e Possibilidades conceituais de aproximação, Relações Internacionais no Mundo Atual, Curitiba, n. 7, p. 9-35, 2007.

MACHADO, Paulo Pinheiro. Liderenças do Contestado: A formação e a Atuação das Chefias Caboclas(1912-1916). Campínas, SP: Editora Unicamp, 2004.

PORTO UNIÃO. Disponível em: turismo.portouniao.sc.gov.br//equipamento/index/codEquipamento/10549. Acesso em agosto de 2018.

QUEIROZ, Maurício Vinhas de. Messianismo e conflito social: a Guerra Sertaneja do Contestado (1912-1916). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

QUEIROZ, Thiago Augusto Nogueira. Espaço Geografico, Território Usado e Lugar: Ensaios Sobre o Pensamento de Milton Santos. Para Onde!?, 9 (1): 154-161, ago./dez.

SANTOS, Milton. O dinheiro e o Território. Universidade de São Paulo, Geographia – Ano. 1 – No 1 – 1999

SILVA, Luiz Carlos. Do retrato ao signo: a imagem como parte constitutiva de uma crença. Domínios da Imagem, Londrina, v. 8, n. 15, p. 69-97, jun./dez. 2014.

TEIDER, Tania Mara Muller; FRAGA, Nilson Cesar. O contestado Vive!: entre o espaço sagrado de João Maria e o Assentamento contestado, resistências sobre a invisibilidade secular na Lapa – PR. Geographia Opportuno Tempore, Londrina, v. 3, n. 3, p. 184 – 198, 2017.

WALTER, Tania. O profeta São João Maria continua encantando no meio do povo: um estudo sobre os discursos contemporâneos a respeito de João Maria em Santa Catarina, 2007. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com