TERRITÓRIO E PATRIMÔNIO NA REGIÃO DO ESTADO CONTESTADO

Dominique Antoine, Wagner Roberto Do Amaral

Resumo


Resumo: O presente artigo tem como objetivo analisar a não-patrimonialização da herança da população cabocla pelos governos dos estados do Paraná e Santa Catarina, bem como do governo federal. Surge do questionamento sobre as características da relação entre o patrimônio e o território, na compreensão de que são dois elementos consubstanciais e inseparáveis. Assim, entendemos que o patrimônio dos Caboclos participa na territorialização da região do Contestado. Como procedimento metodológico, utilizamos a revisão de literatura e a observação participante. Nossa análise nos permite entender que o desprezo dos governos estaduais da região e do governo federal está relacionado à própria missão do Estado, na medida em que este está vinculado organicamente à classe dominante. No entanto, apesar da precariedade dos municípios da região, sem o apoio dos governos estaduais da região do Contestado e do governo federal, dos municípios em conjunto com algumas organizações da sociedade civil local, rompem o silêncio e lutam pela patrimonialização de sua herança.

 


Palavras-chave


Territorialização; Patrimonialização; População do Caboclo

Texto completo:

PDF

Referências


HAESBAERT, 2007; BOURDIEU, 1998; BONNEMAISON, 2002; VERNIERES, 2012 e ALDHUY, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com
REDIB
logo Diadorim