Produção do espaço e segregação: implementação de programas habitacionais nos bairros Santa Clara e Recreio Vale do Sol, município de Alfenas-MG

Clara Ribeiro Silva

Resumo


As abordagens referentes à construção de moradia nas áreas periféricas urbana por meio da implementação de políticas habitacionais, está diretamente relacionada com as históricas e políticas formação espacial desigual e contraditória das cidades. A partir do período Vargas (1930-1945) e o primeiro ano do período militar de 1964, um dos direcionamentos escolhidos com o intuito do desenvolvimento econômico, foi a adoção das políticas habitacionais IAP e BNH (Banco Nacional de Habitação) para a construção de habitações para a classe trabalhadora nas periferias urbanas no país. O ramo habitacional pode ser representado historicamente pelas disputas de diferentes interesses e atores: aos movimentos populares por moradia, à especulação imobiliária e aos próprios gestores dessa política. De forma introdutória, o artigo apresenta a caracterização do objeto de estudo a formação histórica e geográfica do bairro Santa Clara, junto à construção de 96 Unidades Habitacionais (UHs),  por meio do Programa Crédito Solidário, a partir do ano de 2008 no bairro, e a construção de 240 UHs do Programa Minha Casa Minha Vida, Residencial Jardim das Alterosas no bairro Recreio Vale do Sol, ambos situados no município de Alfenas-MG. Desta forma, torna-se essencial para compreender a relação dessas características na formação espacial no município. São apresentadas origens da política de habitação social no Brasil, abordando diferentes óticas dos contextos políticos, econômicos e sociais que sucederam o surgimento do Programa Crédito Solidário e do Programa Minha Casa Minha Vida. A pesquisa empregou abordagem geográfica sob perspectiva dialética e qualitativa, com base em importantes teóricos referenciais acerca do tema, o acompanhamento direto da intervenção municipal no bairro com os moradores, coleta de dados primários e secundários, entrevistas semiestruturada e aplicação de questionários direcionado aos moradores, poder público e demais agentes sociais envolvidos neste processo. Cabe questionar, junto à população e o poder público, se o bairro conquistou mudanças concretas em sua dinâmica espacial

 

Palavras-chave: Políticas habitacionais; Programa Crédito Solidário; Programa Minha Casa Minha Vida; produção espacial; segregação.


Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, P. F.; FIX, M. Como o governo Lula pretende resolver o problema da habitação. Alguns comentários sobre o pacote habitacional Minha Casa, Minha Vida. 2009. Disponível em: . Acesso em: dez. 2017.

BONDUKI, N. G. Origens da habitação social no Brasil: arquitetura moderna, lei do inquilinato e difusão da casa própria. 7ª ed. São Paulo: Estação Liberdade. FAPESP, 2017.

BOULOS, G. Por que ocupamos?: uma introdução à luta dos sem-teto. 2. ed. São Paulo: Scortecci, 2014.

BRASIL. Programa Minha Casa Minha Vida. – Resolução Nº 11.977, de 7 de julho de 2009 Disponível em: . Acesso em: 03 de dezembro de 2018.

CARLOS, A. F. A. A Cidade. Coleção Repensando a Geografia. 6ed. São Paulo: Editora Contexto, 2001.

CORREA, R.L. Segregação residencial: classes sociais e espaços urbanos In: VASCONCELOS, P. A.; CORRÊA, R. L.; PINTAUDI, S. M. (Org.). A cidade contemporânea: segregação espacial. São Paulo: Contexto, 2013.

DE PAULA, I.R. Trabalhando a educação geográfica para o direito à cidade na escola - para quem tem servido a nossa geografia? Trabalho de Conclusão de Curso (Geografia). Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, 2017.

DRAGO, Felipe. Autogestão na Produção Habitacional: Programa Crédito Solidário, entre a institucionalização e o confronto político. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional) – Programa de Pós Graduação em Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

HARVEY, D. 17 Contradições e o fim do capitalismo. Tradução Rogério Berttoni. 1ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

IBGE. Cidades: Alfenas. Disponível em: . Acesso em 22 de julho de 2017.

MARICATO, E. Habitação e Cidade. São Paulo: Editora Atual, 1997.

ROLNIK, R. Guerra dos Lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2015.

SACHS, C. São Paulo: Políticas Públicas e Habitação Popular. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 1999.

SAULE JÚNIOR, Nelson; ROLNIK, Raquel Estatuto da Cidade: novos horizontes para a reforma urbana. São Paulo, Pólis, 2001. xxp. (Cadernos Pólis, 4)


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com