A discussão de gênero em Geografia: proposições a partir dos componentes curriculares da Base Nacional Comum Curricular para os Anos Finais do Ensino Fundamental

João Paulo Ferraz de Oliveira, Luciana de Abreu Nascimento

Resumo


Considerando a relevância da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e com base nos componentes curriculares para a Geografia desse documento, propomos para este trabalho a construção de um diálogo entre as discussões de gênero e o ensino de Geografia. Para tanto, buscamos evidenciar como a discussão de gênero, ainda que de maneira incipiente, está presente nos componentes curriculares de Geografia. Com esse objetivo, utilizamo-nos da análise documental e do paradigma indiciário para procedermos a análise dos quadros de habilidades e objetos de conhecimento para o 6º, 7º, 8º e 9º anos, a partir dos quais buscamos selecionar e organizar as propostas curriculares da BNCC que possibilitam, dentre outras discussões, o trabalho com gênero. Dentre as possibilidades de trabalho encontradas, podemos dizer que a abordagem de gênero em Geografia, viabiliza uma gama de reflexões sobre as desigualdades sociais em diferentes níveis da sociedade, bem como a produção de novas ações e saberes sobre quaisquer dimensões da existência humana.


Palavras-chave


Currículo; Educação; Gênero

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Lei de Diretrizes e Bases da Educação nacional: Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Brasília: MEC, 1996.

_______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional da Educação. Câmara Nacional de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica, Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

_______. Base Nacional Comum Curricular (BNCC) Consulta Pública. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2015.

_______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: MEC, 2017.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 11. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016. Tradução de: Renato Aguiar.

CAETANO, G. N.; COSTA, B. P. Geografia, sexualidades e reconhecimento sociocultural em âmbito educacional: a inserção das demandas sociais da ONG Igualdade/Santa Maria na escola Marieta D’ Ambrósio. Geografia Ensino & Pesquisa, v. 16, n. 1, p. 9-22, jan./abr. 2012.

CARNEIRO, L. O.; ITABORAHY, N. Z.; GABRIEL, R. A. Territorialidades e etnografia: avanços metodológicos da análise geográfica de comunidades tradicionais. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 7, n. 1, p.81-101, abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2018.

CORRÊA, R. L. A dimensão cultural do espaço: alguns temas. Espaço e Cultura, Rio de Janeiro, n. 1, p.1-22, 1995.

FÉLIX, J. Gênero e formação docente: reflexões de uma professora. Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 8, n. 2, p. 223-231, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2017.

FRANCISCO, M. L. O. Geografia de gênero e trabalho familiar: algumas considerações. Revista Latino-americana de Geografia e Gênero, Ponta Grossa, v. 2, n. 1, p.27-36, jan./jul. 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 nov. 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GINZBURG, C. “Sinais: raízes de um paradigma indiciário”. __________ Mitos, emblemas, sinais: Morfologia e História. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

LODI, O. A mulher e as relações de trabalho. Ciências Sociais em Perspectivas, Cascavel, v. 5, n. 9, p.149-160, 2006. Disponível em: . Acesso em: 03 nov. 2018.

LOPES, T. S. Currículo e ações afirmativas: perspectivas multiculturais. Espaço do Currículo, v. 4, n. 1, p. 35-39, 2011. Disponível em: . Acesso em: 06 abr. 2018.

MCDOWELL, L. A transformação da Geografia Cultural. In: GREGORY, Derek; MARTIN, Ron; SMITH, Graham (Org.). Geografia Humana: sociedade, espaço e ciência social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1995. p. 159-188.

MESQUITA, L. A. P. Relações de gênero na Comunidade Rancharia: o trabalho das mulheres na agricultura familiar. Revista Latino-americana de Geografia e Gênero, Ponta Grossa, v. 5, n. 1, p.98-113, jan./jul. 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 nov. 2018.

MOREIRA, E. V.; HESPANHOL, R. A. M. O lugar como uma construção social. Revista Formação, Presidente Prudente, v. 2, n. 14, p.48-60, 2007. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2018.

OLIVEIRA, M. R.; CAMPOI, I. C. Diversidade sexual nos documentos educacionais brasileiros: dos PCNS aos Planos Municipais de Educação. In: V Simpósio Internacional em Educação Sexual: Saberes/Trans/Versais Currículos Identitários e Pluralidades de Gênero, Maringá, 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2017.

RAIMUNDO, G. Geografia Agrária e Gênero: uma abordagem sobre o papel das mulheres colhedoras de café em Divisa Nova - MG. In: IV Jornada Científica da Geografia UNIFAL-MG. 2016. p. 280-285. Disponível em: . Acesso em: 03 nov. 2018.

SAMPAIO, L.; FRANÇA, L. As relações de gênero aplicadas à análise socioespacial: como a construção cultural no espaço urbano aprisiona as mulheres. In: II Workshop de Geografia Cultural, 2015. p. 59-70. Disponível em: . Acesso em: 03 nov. 2018.

SANCHES, M. A.; LUZ, C. R. F.; SIMÃO-SILVA, D. P. Transição demográfica no Brasil e planejamento da parentalidade no contexto da bioética. Revista Latino-americana de Geografia e Gênero, Ponta Grossa, v. 8, n. 1, p.159-176, jan./jul. 2017. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2018.

SCOTT, J. Prefácio a gender and politics of history. Cadernos Pagu, Campinas, n. 3, p.11-27, 1994.

SEEMANN, J. Mapeando culturas e espaços: uma revisão para a Geografia Cultural no Brasil. In: ALMEIDA, M. G.; RATTS, A. (orgs.). Geografia: leituras culturais. Goiânia: Alternativa, 2003. p. 261-284.

SILVA, J. M. Ausências e silêncios do discurso geográfico: uma crítica feminista à geografia eurocêntrica. In: SILVA, J. M (org.). Geografias subversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009. p. 55-91.

_______. Geografias feministas, sexualidades e corporalidades: desafios às práticas investigativas da ciência geográfica. In: SILVA, J. M.(org.). Geografias subversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009. p. 93-113.

SILVA, M. Pensando o espaço simbólico. In: MELO, J. G. (org.). Espiral do espaço. Presidente Prudente: [s.n.], 2003. p. 41-47.

SMITH, G. Teoria política e Geografia Humana. In: GREGORY, D.; MARTIN, R.; SMITH, G. (orgs.). Geografia Humana: sociedade, espaço e ciência social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1996. p. 65-89.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com