GEOGRAFIA DOS CRIMES VIOLENTOS NA REGIÃO SUL DO ESTADO DE MINAS GERAIS: UMA ANÁLISE COM BASE NAS TEORIAS DA DESORGANIZAÇÃO SOCIAL E TEMPERATURA-CRIME

Janael da Silva Alves

Resumo


Os crimes violentos são caracterizados como aqueles que desencadeiam insegurança e medo na população, por este motivo governos fazem um monitoramento específico de ilícitos que se enquadram nesta categoria. Os crimes violentos têm lugar no tempo e no espaço sendo, portanto, objeto de estudo da Geografia por meio da Geografia do crime. Através deste trabalho objetivou-se realizar uma análise descritivo comparativa dos crimes violentos ocorridos no ano de 2018 na região Sul de Minas Gerais e verificar, se as teorias da desorganização social e da temperatura-crime que dão suporte à uma análise geoespacial, são capazes de sustentar uma explicação para o fato de que a região do sul de minas mesmo sendo a segunda mais populosa do Estado de Minas Gerais, também foi no ano de 2018 a segunda região menos violenta do estado. O trabalho foi desenvolvido com uso de fontes de dados oficiais divulgados por meio de sites do governo de Minas Gerais.


Palavras-chave


Geografia do Crime; Segurança Pública; Políticas Públicas

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Craig A.; ANDERSON, Dona C. Ambient temperature and violent crime: Tests of the linear and curvilinear hypotheses. Journal of personality and social psychology, v. 46, n. 1, p. 91, 1984.

CAPRIROLO, Dino; JAITMAN, Laura; MELLO, Marcela. Custos de bem-estar do crime no Brasil: Um país de contrastes. Inter-American Development Bank, 2017.

CARDIA, N.; ADORNO, S. e POLETO, F. Z. Homicide rates and human rights violations in São Paulo, Brazil: 1990 to 2002. Health and human rights, 6: 14-33, 2003.

DA MATTA, Roberto. As raízes da violência no Brasil: reflexões de um antropólogo social. Violência brasileira, p. 14-28, 1982.

DURKHEIM, Émile. Da divisão do trabalho social. São Paulo: Martins Fontes, 1977.

FAJNZYLBER, Pablo; LEDERMAN, Daniel; LOAYZA, Norman. Inequality and violent crime. The journal of Law and Economics, v. 45, n. 1, p. 1-39, 2002.

FELIX, Sueli Andruccioli. ______. Crime, medo e percepções de insegurança. Perspectivas,

São Paulo, v. 36, p. 155-173, jul./dez. 2009.

______. Geografia do Crime. Revista de Geografia, São Paulo, v. 13, p. 145-166, 1996.

FRANCISCO FILHO, Lauro Luiz. Distribuição espacial da violência em Campinas: uma análise por geoprocessamento. 2004. 170 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências –Departamento de Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

GALLO, Erika Alejandra Giraldo et al. Vitimização por crime na infância e adolescência conforme registros oficiais: coorte de nascimentos de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 32, p. e00072915, 2016.

IBGE, IBGE. Censo demográfico 2010. IBGE: Insituto Brasileiro de Geografia e, 2010.

MacDonald Z. Official crime statistics: their use and interpretation. The Economic Journal 2002; 112:F85-F106.

MADALOZZO, Regina; FURTADO, Giovanna Maia. Um estudo sobre a vitimização para a cidade de São Paulo. Brazilian Journal of Political Economy, v. 31, n. 1, p. 160-180, 2011.

MASSENA, Rosa Maria Ramalho. Distribuição espacial da criminalidade violenta na região

metropolitana do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v.48, n.3,

p.285-330, jul./set., 1986.

MELO, Silas Nogueira de. Geografia do crime= análise espacial da criminalidade no município de Campinas-SP = Geography of crime: spatial analysis of criminality in Campinas-SP municipality. --- SP.2017. 219 F.Dissertação. UNICAMP. Campinas/SP.

MINAS GERAIS, Minas em Números. A situação econômica e Social de Minas Gerais. Disponível em: http://www.seguranca.mg.gov.br/politica-de-privacidade/page/2500-estatisticas-criminais. Acesso em : 20 fev.2019.

MORAIS, Régis. O que é violência urbana. São Paulo: Brasiliense, 1990. 113p.

REBOITA, Michelle Simões et al. Aspectos climáticos do estado de minas gerais (climate aspects in minas gerais state). Revista brasileira de Climatologia, v. 17, 2015.

SASS, Karina Simone; PORSSE, Alexandre Alves; DA SILVA, Eduardo Ramos Honório. Determinantes das taxas de crimes no Paraná: uma abordagem espacial. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, v. 10, n. 1, p. 44-63, 2016.

SENADO FEDERAL, Brasil. http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529748/codigo_penal_1ed.pdf .Acesso em 02/2019.

SHAW, Clifford Robe; ZORBAUGH, Frederick McClure. Delinquency areas: A study of the geographic distribution of school truants, juvenile delinquents, and adult offenders in Chicago. University of Chicago Press, 1929.

SAMPSON, Robert J. Family management and child development: Insights from social disorganization theory. In: Facts, frameworks, and forecasts. Routledge, 2017. p. 63-94.

SAMPSON, Robert J.; GROVES, W. Byron. Community structure and crime: Testing social-disorganization theory. American journal of sociology, v. 94, n. 4, p. 774-802, 1989.

SANTOS, Márcia Andréia Ferreira. A GEOGRAFIA DOS CRIMES VIOLENTOS EM UBERLÂNDIA-MG. Revista da ANPEGE, v. 12, n. 19, p. 166-182, 2016.

TAVARES, Ricardo et al. Homicídios e vulnerabilidade social. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, p. 923-934, 2016.

TUAN, Yi-Fu. Paisagens do medo. São Paulo: Editora UNESP, 2005. 376p.

ZALUAR, A. Um debate disperso: violência e crime no Brasil da redemocratização. Revista São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 13, n.3, 1999, p. 03-17.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com