POLÍTICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS DESAFIANDO RELAÇÕES DESIGUAIS DE PODER: ACESSO/PERMANÊNCIA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

Jéssica Justino Brandão, Margarida de Cássia Campos, Ângela Maria de Souza Lima

Resumo


O artigo objetiva discutir as Políticas de Ações Afirmativas no Brasil, sua implementação na Universidade Estadual de Londrina (UEL) e os desafios para a garantia de acesso e permanência dos grupos excluídos historicamente das políticas públicas educacionais, como negros e indígenas. O mesmo é parte de resultados da pesquisa de pós-graduação em Geografia intitulada “Políticas de Ação Afirmativa no Ensino Superior: o desempenho no espaço geográfico, em especial no mercado de trabalho dos estudantes de cotas raciais formados na Universidade Estadual de Londrina de 2010 a 2018” e das reflexões efetuadas no PROPE (Programa de Apoio ao Acesso e Permanência para Formação de Estudantes da UEL). Como procedimentos metodológicos, pesquisou-se vários documentos que normatizam as Políticas de Ações Afirmativas no Brasil e na UEL, apoiou-se nos referenciais bibliográficos sobre a temática, na sistematização dos dados e posterior produção de texto sobre resultados da pesquisa. Conclui-se que mesmo com a expansão das Ações Afirmativas, o que coloca o Brasil na vanguarda desse tipo de iniciativa inclusiva no mundo e destaca a UEL entre as universidades estaduais do Paraná, para a democratização das relações de poder no âmbito dessa política pública ainda há de se ampliar as ações de permanência estudantil.


Palavras-chave


Inclusão; Estudantes cotistas; Acesso ao Ensino Superior.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Wagner Roberto do. As trajetórias dos estudantes indígenas nas universidades estaduais do Paraná: sujeitos e pertencimentos. Tese apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Educação, Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná. Curitiba: UFPR, 2010. 586 f.

Agência UEL. Laboratório divulga cultura e estudos afro-brasileiros. Em 22/08/2018. Disponível em: . Acesso em 28/08/2018. p.01.

ALTHUSSER. Louis. Ideologia e aparelhos ideológicos do Estado. Rio de Janeiro: GRAAL, 1989.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Casa Civil. Brasília. 1988.

BRASIL. Lei nº 10.639/03. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Casa Civil. Brasília. 09/01/2003.

BRASIL. Resolução nº02/2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. MEC.CNE.CP. Brasília, 01/07/2015.

CARVALHO, J. J. Mapa das Ações Afirmativas no Brasil.2011. Disponível em: < https://docs.google.com/file/d/0ByAZgb4_etHTMjBwTnY2UGRHX2s/edit> Acesso em: 23 maio. 2018

CHIZZOTTI. Antônio. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação: Braga/Portugal, v. 16, n. 02, p.221 a 236, 2003.

CHIZOTTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 1991 (Biblioteca da Educação. Serie 1, Escola; v.16).

FERREIRA, Kennedy Piau. YÁ MUKUMBY: possibilidades de articulações entre o sagrado, o político e o poético. In: SILVA, Maria Nilza; PACHECO, Jairo Queiroz. Dona Vilma: cultura negra como expressão de luta e vida (orgs). Londrina: UEL, 2014. 192 p.

FREIRE. Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1968.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Continua. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/calendario. Acesso em 09 de agosto de 2018.

JACOOUD, Luciana e THEODORO, Mario. Raça e Educação: os limites das políticas universalistas. In: SANTOS. Sales Augusto dos. Ações Afirmativas e Combate do Racismo na América. Brasília: UNESCO, 2007, p. 105 a 120.

MARCON. Telmo. Políticas de ação afirmativa no contexto da sociedade brasileira. Brasília. Revista Brasileira de Pedagogia, v. 93, n. 233, p. 11-33, jan/abr. de 2012.

MOEHLECKE, Sabrina. Ação Afirmativa: história e debates no Brasil no Brasil. São Paulo. Cadernos de Pesquisa, n. 117, p. 197- 217, novembro de 2002.

PESSOA. Vera Lúcia Salazar.Geografia e Pesquisa Qualitativa: um olhar sob o processo investigativo. Geo-UERJ. Rio de Janeiro, ano 14, n. 23, v.1, p. 4- 18, 1º semestre de 2012.

PIOVESAN, Flavia. Ações afirmativas sob a Perspectiva dos Direitos Humanos. In: SANTOS. Sales Augusto dos. Ações Afirmativas e Combate do Racismo na América. Brasília: UNESCO, 2007, p. 35-46.

UEL. Estatuto da Universidade Estadual de Londrina. Londrina. UEL, 2014. (mimeo).

UEL. Resolução CEPE/CA nº083/2013. Institui e Regulamenta o Programa de Apoio ao Acesso e Permanência para a Formação do Estudante da UEL (PROPE). 07/08/2013. Londrina: UEL.2013.

UEL. Resolução CU nº 78/2004. Estabelece a reserva de vagas no Processo Seletivo Vestibular para candidatos oriundos de instituições públicas brasileiras de ensino e para aqueles que se autodeclararem negros. 23/07/2014. Londrina: UEL.2014.

UEL. Resolução CU nº008/2017. Estabelece a reserva de vagas no Processo Seletivo Vestibular e no Sistema de Seleção Unificada do Ministério da Educação para candidatos oriundos de instituições públicas brasileiras de ensino e para aqueles que se autodeclararem negros. 03/03/2017. Londrina: UEL.2017.

UEL. Relatório da Comissão de Avaliação do Sistema de Cotas na UEL. Londrina: UEL. fev/2017. (impresso)

UEL. Resolução CU nº015/2012. Estabelece a reserva de vagas no Processo Seletivo Vestibular para candidatos oriundos de instituições públicas brasileiras de ensino e para aqueles que se autodeclararem negros. 30/03/2012. Londrina: UEL.2012.

WEDDERBURN. Carlos Moore. Do Marco Histórico das Políticas Públicas de Ação Afirmativa Carlos Moore. In: SANTOS. Sales Augusto dos. Ações Afirmativas e Combate do Racismo na América. Brasília: UNESCO, 2007, p. 307 a 334.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com