RODEIO: DO LOCAL PARA O GLOBAL E A MONTARIA EM TOURO COMO ESPETÁCULO.

Deividi Lira Martins, Marcos Clair Bovo

Resumo


Este artigo apresenta reflexões e análises sobre o rodeio, levando-se em consideração a interdisciplinaridade e conceitos de modernidade e cultura. Diante disso, tem por objetivo compreender a montaria em touro como espetáculo do rodeio destacando as transformações do local para o global. Dessa forma, encontra-se estruturado em três partes, sendo: a contextualização histórica do rodeio; a ideia de modernidade, interdisciplinaridade, cultura para o desenvolvimento local e global e por fim, a montaria como espetáculo: o homem x touro. A metodologia utilizada é caracterizada como pesquisa bibliográfica por meio de teses, dissertações, livros, artigos de periódicos científicos referentes à temática “rodeio”. Também foram utilizadas fotografias de montarias e da arena de rodeios de Colorado, cidade esta que abriga uma das mais tradicionais festas do segmento rodeio no Brasil. Os resultados indicam que dentre todas as atividades desse esporte, a montaria em touro é a que se destaca, atraindo um grande número de espectadores durante a realização de um espetáculo na arena. O rodeio contribui para o desenvolvimento da sociedade das cidades que sediam esse evento, por meio da geração de empregos diretos e indiretos, antes e durante o período de realização.  


Texto completo:

PDF

Referências


ALEM, J. M. Caipira e country: a nova ruralidade brasileira. Tese (Doutorado em Ciências Sociais)- Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas e Sociais, Universidade de São Paulo, 1996.

BERGAMASCHI, J. P.; Matsudo, S. M. Matsudo, V. K. R. 2006. Relação da força dos membros superiores e nível de atividade física com prevalência de lesão e o desempenho competitivo de participantes de rodeio competitivo. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 14, 53-5 Disponível em: . Acesso, 01 de jan. 2018.

BOVO, Marcos Clair. Interdisciplinaridade e transversalidade como dimensões da ação pedagógica. Revista Urutágua, v. 7, p. 1-12, 2004. Disponível em: http://www.uem.br/urutagua/007/07bovo.html. Acesso em: 01 de abril de 2017.

CASCUDO, L. C. A vaquejada nordestina e sua origem. Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, Natal, 1976.

CLAVAL, Paul. A volta do cultural na Geografia. Revista Mercator, v. 1, n. 1, 2009. Disponível em: . Acesso em 01 de abri de 2017.

COSTA, S. P. Esporte e paixão: o processo de regulamentação dos rodeios no Brasil. Movimento, v.9, n.2, p. 71-88, maio/ago.2003.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto. 1997.

DOURADO, S. P. C. O Rural como fronteira do urbano: rodeios e vaquejadas nas interpretações do Brasil. Revista do Centro de Educação, Letras e Saúde da Unioeste, Cascavel- PR, 2013. Disponível em: . Acesso em 06 de mar. 2018.

DUARTE, Jorge e BARROS, Antonio (orgs). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2010.

FEATHERSTONE, Mike. O desmanche da cultura: globalização, pós-modernismo e identidade. São Paulo: SESC/Nobel, 1997.

GIDDENS, Anthony. É a modernidade um projeto ocidental. In: ______. As consequências da modernidade. São Paulo: Editora Unesp, 1991, p. 189-193.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia e o triunfo do espetáculo. Tradução Rosemary Duarte, LÍBERO - Ano VI - Vol 6 - no. 11, 2001.

LEIRA, Matheus Hernandes et al. A origem do rodeio no Brasil sua prática como esporte radical e o bem-estar dos animais de montaria. PUBVET, v. 11, p. 207-312, 2016. Disponível em: < http://www.pubvet.com.br/uploads/23ef58a078cf36c4587557258a019caa.pdf>. Acesso em 28 de junho de 2017.

Manual de montaria da Confederação Nacional de Rodeio. Disponível em: http://eugeniojose.com.br/wp-content/uploads/2017/01/MANUAL-DE-REGRAS-RODEIO-OFICIAL-CNAR.pdf. Acesso em 15 de junho de 2017.

MARCONI, M. de A.; PRESOTTO, Z. M. N. Antropologia: uma introdução. São Paulo: Atlas, 2010.

ORTIZ, Renato. Mundialização e cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

PÁTARO, Ricardo Fernandes; BOVO, Marcos Clair. Escola, interdisciplinaridade e contextualização do conhecimento. p. 223-249. In: OLIVEIRA, Rosa Maria M. Anunciato de.; PASSOS, Carmen Lúcia B.; PÁTARO, Cristina Satiê de Oliveira (orgs). Pesquisa em educação: múltiplos olhares em um doutorado interinstitucional. Assis: Triunfal Gráfica e Editora: Fecilcam, 2016.

PARLEBÁS, P. O significado do esporte na sociedade contemporânea. In: Congresso Latino Americano de Esporte para Todos. Santos-SP: SESC, 1996.

PIMENTEL, G. G. S. Localismo e globalismo na esportivização do rodeio. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 28, 91-104. Campinas-SP: 2006.

SANTOS, J. L. dos. O que é cultura? São Paulo: Brasiliense, 1987.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2004.

SERRA, Rhodes Albernaz de Almeida. Rodeio uma paixão. Rio de Janeiro. Editora Gryphus, 2000.

WILLIAMS, R. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com