O EVOLUCIONISMO NA PROIBIÇÃO DA MACONHA

Aknaton Toczek Souza, Pedro Rodolfo Bodê de Moraes

Resumo


Este artigo propõem uma reflexão sobre a genealogia da proibição da maconha no Brasil. Procurando identificar a contribuição da antropologia – através das teorias evolucionistas – na construção do discurso proibicionista que se articula tanto com o saber médico quanto com o saber jurídico.  E os reflexos dessa genealogia na atual política de drogas conduzida pelo Sistema de Justiça Criminal (SJC).


Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, L. A. DE. Maconha: a planta do diabo. O cruzeiro, n. 18. fev. 1947;

BECKER, H. Outsiders: hacia una sociología de la desviación. 1a. ed. Buenos Aires: Siglo XXI, 2009;

BECKER, H. S. Consciência, Poder e Efeito da Droga. In: Uma teoria da ação coletiva. Rio de Janeiro: Zahar, 1977;

BOAS, F. As limitações do método comaparativo da antropologia. In: Antropologia Cultural. 5 ed ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

CHAVES, E. S. Nina Rodrigues: sua interpretação do evolucionismo social e da psicologia das massas nos primórdios da psicologia social brasileira. Psicologia em Estudo, v. 8, n. 2, dez. 2003.

DEL OLMO, R. La cara oculta de la Droga. Bogotá: Temis, 1998;

DOCE, E. G. Evidencias del consumo de drogas en Europa durante la Prehistoria. Transtornos Adictivos, v. 8, n. 1, p. 53–61, 2006.

DOCE, E. G. Psychoactive Substances in Prehistoric times: Examining the archaeological evidence. Time and Mind: The Journal of Archaeology, Consciousness and Culture, v. 8, n. 1, p. 91–112, 2015a;

DOCE, E. G. The Origins of Inebriation: Archaeological Evidence of the Consumption of Fermented Beverages and Drugs in Prehistoric Eurasia. Journal of Archaeological Method and Theory, v. 22, n. 3, p. 751–782, 2015b.

DOUGLAS, M. Pureza e perigo: Ensaio sobre as noções de Poluição e Tabu. Lisboa: Edições 70, 1966.

ESCOHOTADO, A. O Livro das Drogas: Usos e abusos, desafios e preconceitos. São Paulo: Dynamis, 1997;

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: Aula inaugural no Collège de France (1970). São Paulo: Loyola, 1999.

FOUCAULT, M. Os anormais: curso no Collège de France. 2a. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

GEERTZ, C. O saber local: fatos e leis em uma perspectiva comparativa. In: O saber local: novos ensaios em Antropologia interpetativa. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GOULART, S. L. Articulações entre religião, política e cultura: o caso das religiões ayahuasqueiras do Brasil. 29a Reunião Brasileira de Antropologia, 2014.

GUTMAN, G. Raça e psicanálise no Brasil. O ponto de origem: Arthur Ramos. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. 10, n. 4, p. 711–728, dez. 2007.

JOSÉ RODRIGUES DA COSTA DÓRIA. Os fumadores de maconha: efeitos e males do vício. In: Maconha: coletânea de trabalhos brasileiros. 2a. ed. Rio de Janeiro: Oficinas Gráficas do IBGE, 1958.

JÚNIOR, W. W. C. O comissário do esgoto: coragem da verdade e artes da existência na escritura-vida de William Burrough. [Dissertação] PUC/SP, 2014.

LABATE, B. C.; ET.ALL. Drogas e Cultura: novas perspectivas. Salvador: EDUFBA, 2005;

LUCIANO GÓES. A “tradução” do paradigma etiológico de criminologia no Brasil: um diálogo entre Cesare Lombroso e Nina Rodrigues da perspectiva centro-margem. [Dissertação] Universidade Federal de Santa Catarina, 2015.

MACRAE, E.; SIMÕES, J. A. A subcultura da maconha, seus valores e rituais enre setores socialmente integrados. In: Drogas e Pós-modernidade: faces de um tema proscrito. Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2003.

MACRAE, E.; SIMÕES, J. A. Rodas de fumo: o uso da maconha entre camadas médias. Salvador: EDUFBA, 2004.

MENEZES, M. O. A psicanálise na Bahia (1926-1937): os estudos de Arthur Ramos sobre a loucura, educação infantil e cultura. [Dissertação] UFBA, 2002.

MORGAN, L. H. A sociedade antiga ou investigações sobre as linhas do progreso humano desde a selvageria através da barbárie, até a civilização. In: Evolucionismo cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

NASSER, D. Três chagas sociais. O cruzeiro, nº 23, out. 1948.

WING, N. Marijuana Prohibition Was Racist From The Start. Not Much Has Changed. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2016.

PASSETTI, E. Das fumeries ao narcotráfico. São Paulo: Educ, 1991.

PEREIRA, M. E. C.; GUTMAN, G. Primitivo e loucura, ou o inconsciente e a psicopatologia segundo Arthur Ramos. Revista Latinoamericana de Psicopatologia fundamental, v. X, n. 3, 2007.

RAMOS, A. O negro Brasileiro. Etnografia religiosa. Rio de Janeiro: Graphia Editorial, 2001.

RODRIGUES, L. B. DE F. Controle penal sobre as drogas ilícitas: o impacto do proibicionismo no sistema penal e na sociedade. [Tese Doutoral] Universidade de São Paulo, 2006.

RODRIGUES, R. N. Os africanos no Brasil. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2010.

RODRIGUES, T. Narcotráfico. São Paulo: Desatino, 2003.

ROSA, P. O. Drogas e a governamentalidade Neoliberal - Uma genealogia da redução de danos. Florianópolis: Insular, 2014.

SAAD, L. G. “Fumo de negro”: a criminalização da maconha no Brasil. [Dissertação] Universidade Federal da Bahia, 2013.

SOUZA, A. T. Perigo à ordem pública: um estudo sobre controle social perverso e segregação. [Dissertação] Universidade Federal do Paraná, 2015.

SOUZA, A. T.; ROSA, P. O.; CALDAS, S. H. “Você que é pobre, favelado, vai ficar grampeado no 12”: Uma reflexão sobre o processo de seleção de usuários e traficantes de drogas. Anais do 6o Seminário Nacional de Sociologia & Política. 20 a 22 de maio de 2015, GT13 - Controle Social, Segurança Pública e Direitos Humanos. Anais.Curitiba: 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com
logo Diadorim