GESTÃO PARTICIPATIVA DO TURISMO RURAL PARA O DESENVOLVIMENTO DO MUNICÍPIO DE ILHA GRANDE, NA ROTA DAS EMOÇÕES – PI-BRASIL.

Rita de Cassia Pereira de Carvalho

Resumo


O turismo rural é um segmento que visa agregar valor as atividades realizadas nos espaços rurais por meio da gestão participativa, e em especial a gestão do território turístico, em que toros os componentes do município, gestão pública, privada e comunidade participem do planejamento de forma engajada para a obtenção de benefícios. Este estudo teve objetivou analisar a gestão participativa do turismo rural no município de Ilha Grande-PI, um dos 14 municípios pertencentes a Rota das Emoções, identificar como se dá o planejamento participativo para este segmento turístico e a contribuição da gestão pública participativa em Ilha Grande-PI. A metodologia definiu-se em caráter quantitativo e qualitativo, bibliográfica, exploratória e descritiva com aplicação de roteiros de entrevistas e questionários para a obtenção de dados que propuseram respostas aos objetivos propostos. Dessa maneira foi identificada que a gestão participativa é relevante para o município e como essa gestão é fundamental para o planejamento do turismo rural com a inserção da comunidade nos processos decisórios que contemplem o planejamento e que contribuam para o desenvolvimento local. Portanto, espera-se que esse estudo possa instigar novas discussões sobre a gestão participativa do turismo rural.

 


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Ministério do Turismo. Turismo rural: orientações básicas. Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação Geral de Segmentação. Brasília: Ministério do Turismo, 2008.

CORIOLANO, Luzia Neide Menezes Teixeira. Turismo e geografia: abordagens críticas. Fortaleza: Ed. UECE, 2005.

LOCALIZAÇÃO DA ROTA DAS EMOÇÕES. Disponível em: www. dondeandoporai.com.br. Acessado em: 14/09/2014.

LOTTICI KRAHL, MARA Flora. F. O Turismo Rural no Brasil e o exemplo do Distrito Federal e região circunvizinha. Turismo: tendências e debates. V. 1, p. 43-52, 2009.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em http://www.ibge.gov.br> Acesso em 28 mar 2012.

MAFRA, Francisco; SILVA, João, Amado da. Planejamento e Gestão do Território. Porto: Sociedade Portuguesa de Inovação, 2004.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE – MMA. Resolução N° 306 do CONAMA 2002. Disponível em: . Acesso em: 27 mar 2012.

PARO, Vitor Henrique. Administração escolar: introdução crítica. São Paulo: Cortez, 2003.

PIRES, Paulo dos Santos. Turismo e meio ambiente: relação de interdependência. In: PHILLIPI JR, A.& RUSCHMANN, D. V. de M (Editores). Gestão ambiental e sustentabilidade no turismo. Barueri – SP: Manole, 2010 – (Coleção Ambiental, v. 9).

PORTUGUEZ, Anderson, Pereira. Turismo Rural. TRIGO, L. G. G. Análises regionais e globais do turismo brasileiro. São Paulo: Roca, 2005.

SANTOS, Clezio. Globalização, turismo e seus efeitos no meio ambiente. Terra livre. São Paulo, ano 18, n. 19, p. 191-198, jul/dez. 2002.

SOUSA, Luziána. Silva O turismo rural: instrumento para o desenvolvimento sustentável. Edición electrónica. Texto completo em

SPÓSITO, Maria, Encarnação, Beltrão. A gestão do território e as diferentes escalas da centralidade urbana. Revista TERRITÓRIO. Ano III, N. 4, jan/jun, 1998.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com