A GEOGRAFIA POLÍTICA DOS CONFLITOS: INDICAÇÕES PARA A ANÁLISE DAS RELAÇÕES DE PODER E O USO DA VIOLÊNCIA DURANTE A GUERRA DO CONTESTADO

Gustavo Glodes Blum

Resumo


Resumo

O presente artigo tem como principal objetivo realizar uma breve revisão bibliográfica a respeito dos usos políticos da violência, e a sua relação com os conflitos e os ordenamentos territoriais. Desta maneira, partindo do arcabouço teórico não apenas da Geografia Política, mas também de outras áreas das ciências sociais, realiza-se uma reunião de indicações para compreender as relações de poder e o uso da violência durante a Guerra do Contestado. Desta maneira, o trabalho aborda, inicialmente, a discussão a respeito do poder e do desenvolvimento das práticas de uso e disputa pelo espaço. Trazendo a discussão dos conflitos e sua espacialidade, busca apresentar questões relevantes para a compreensão dos mesmos enquanto processos sócio-espaciais. Posteriormente, dedica-se a compreender o papel essencial que a violência cumpre na estruturação e no ordenamento dos territórios. Partindo dos tipos de violência (objetiva, subjetiva e simbólica), debate a forma como o exercício das relações de poder, sobretudo durante a Guerra do Contestado, representa uma das formas de uso da violência conhecidos como políticas de produção da morte, ou necropolíticas.

Palavras-chave: Poder; Violência; Guerra do Contestado.


Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

________________. Eichmann in Jerusalem: A report on the banality of evil. Nova York: Penguin Press, 2006.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

BOBBIO, Norberto. Estado, governo, sociedade: por uma teoria geral da política. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

CAPEL, Horacio. El poder. Una perspectiva geográfica. Biblio 3W – Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales, v. XIX, n. 1100, 2014, s/p.

FANON, Frantz. FANON, Frantz. Los condenados de la tierra. México: FCE, 2001.

FRAGA, Nilson C. Vale da morte: o Contestado visto e sentido “entre a Cruz de Santa Catarina e a espada do Paraná”. Blumenau: Hemisfério Sul, 2010.

HAESBAERT da C., Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 6ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

LACOSTE, Yves. A geografia: Isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. Campinas, SP: Papirus, 2012 [1985].

MASSEY, Doreen. For space. Londres: SAGE Publications, 2005.

MBEMBE, Achille. Necropolitics. Public Culture, ano 15, v. 1, p. 11-40.

ŽIŽEK, Slavoj. Violência : seis reflexões laterais. São Paulo: Boitempo, 2014.

PASQUINO, Gianfranco. Guerra. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco (orgs.). Dicionário de Política. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 13ª ed., 4ª reimpressão, 2010.

RAFFESTIN, Claude. Autour de la fonction sociale de la frontière. Espaces et sociétés, 1992, n. 70/71, p. 157-164.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: Técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. 7. reimp. São Paulo, SP: Editora da Universidade de São Paulo, 2012 [1996].

__________________. Por uma geografia do poder. São Paulo, SP: Editora Ática, 1993 [1980].

SOUZA, Marcelo J. L. de. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

_____________________. O Território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: Iná E. de; GOMES, Paulo C. da C.; e, CORRÊA, Roberto L. Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012[1992] (2012b).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com