Guerreiras imortais do Contestado, as que tudo viam e faziam durante a Guerra do extermínio

Aline Eloíse Trento, Vanessa Maria Ludka, Nilson Cesar Fraga

Resumo


 

 

 A Guerra do Contestado ainda é pouco difundida no que tange a sua real concepção, pois seu contexto por vezes é não é compreendido devido a sua dinamicidade, sendo na maioria das vezes remetido a uma mera disputa de território entre Paraná e Santa Catarina. O estudo que aqui se apresenta tem como intuito principal realizar uma análise que venha contribuir para a compreensão deste evento, propiciando um enfoque na importância da atuação das mulheres no contexto da Guerra. Para tanto a partir desta problemática serão ressaltadas as relações efetivadas pela figura feminina no decorrer desta Guerra tão complexa. Embora sejam poucos os registros da Guerra do Contestado que contemplam a participação das mulheres, estas tiveram um papel fundamental no conflito, cada qual com a sua importante atuação, justificando a abordagem do papel atribuído às mulheres nos redutos durante o conflito e as lideranças femininas que se destacaram no decorrer da Guerra do Contestado.

Palavras-chave


Guerra do Contestado; Mulheres do Contestado; Paraná e Santa Catarina

Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, Átila José. A menina e o General. Maria Rosa: A menina guerreira, nossa Joana D’ Arc Cabocla. General Carneiro: O Herói do cerco da Lapa - PR. Curitiba: Editora do autor, 2007.

DOLBERTH, Aldo. Maria Rosa: A virgem comandante da Guerra Sertaneja. Curitibanos: Tipograf, 2005.

FELDMAN, Sergio Alberto. Virgens Messiânicas: A Participação Feminina e Imaginário Religioso no Movimento do Contestado 1912-1916. ANPUH – XXIII Simpósio Nacional de História – Londrina, 2005.

FERNANDES, Rafael Carlos Prieto. Contestado, vivido e sentido. In: FRAGA, N. C. (Org.) Contestado: O Território Silenciado. Ed. Insular, 2009.

FRAGA, Nilson Cesar. Contestado a grande Guerra Civil Brasileira. In: SCORTEGAGNA, A.; REZENDE, C. J. e TRICES, R. I. (Orgs). Paraná, Espaço e Memória – diversos olhares histórico-geográficos. Curitiba: Ed. Bagozzi, 2005, p.228-255.

____________ (Org.) Contestado em Guerra: 100 anos do massacre insepulto do Brasil (1912-2012). Florianópolis: Insular, 2012.

MACHADO, Paulo Pinheiro. Lideranças no Contestado: a formação e a atuação das chefias caboclas (1912-1916). Campinas, SP: Unicamp, 2004.

PRADI, Cirila de Menezes. Chica- Pelega do Taquaruçu. Florianópolis, 2000.

QUEIRÓS, Mauricio Vinhas. Messianismo e Conflito Social. 2 ed. São Paulo: Ática, 1977.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

RUBIM, Sergio. As mulheres no Contestado. Brasil cultura, 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 set. 2013.

SANTA CATARINA. Contestado. Florianópolis: Governo do Estado de Santa Catarina, 2002.

SAVOLDI, Adiles ; GEROLDI, Josiane ; RENK, Arlene. Presença da “luta” com Chica Pelega: Narrativas caboclas nas experiências cotidianas. Fazendo Gênero 9 Diásporas, Diversidades, Deslocamentos, 2010.

SILVA. Natália Ferronato da. As “Virgens Messiânicas”: participação e influência das “Virgens” Teodora e Maria Rosa no Contestado (1912-1916). Revista Santa Catarina em História – Florianópolis,, v.1, n.1, 2010.

SCHÜLER, Márcia. Aquarela: Maria Rosa. Artista Plástica: Videira- PR. 2013.

ONON, Eloy. Virgens, videntes, guerreiras. Centenário do movimento do Contestado. Revista de Historia. Kaygangue, 2012. Disponível em:

VALENTINI, Delmir José. Da cidade santa à corte celeste: memórias de sertanejos e a guerra do contestado. 2. ed. Caçador: UNC, 2000.

VASCONCELLOS, Aulo Sanford de. Chica Pelega: A Guerreira de Taquaruçu. Florianópolis: Insular, 2. ed. 2008.

TELLES, Vicente. (org.). Folclore Itinerante da Epopéia do Contestado. História em Música. Irani, 2002.

ZUMBLICK, Willy Alfredo. Artista Plástico. Pintura: Maria Rosa, 1953. Disponível em: Acesso em: 30 ago.2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com