Desenvolvimento, conflitos e impactos ambientais: a territorialização da Suzano e a resistência camponesa na mesorregião Leste Maranhense

José Arnaldo dos Santos Ribeiro Junior, Danniel Madson Vieira Oliveira, Saulo Barros Costa

Resumo


Este artigo visa compreender o processo de territorialização da empresa Suzano Papel e Celulose na mesorregião Leste Maranhense, bem como os conflitos e impactos ambientais oriundos do desenvolvimento de suas atividades sobre territórios camponeses nos municípios de Anapurus, Milagres do Maranhão, Santana do Maranhão, Santa Quitéria do Maranhão e Urbano Santos. Baseado em trabalhos de campo e na discussão teórica em foco entende-se a Suzano como um poderoso agente econômico monopolista que transforma o território a partir de relações capitalistas de produção com a finalidade de realizar os seus objetivos. Dessa forma, o processo de territorialização da Suzano é analisado de maneira multiescalar como produtor de conflitos no escopo do desenvolvimento geográfico desigual do capitalismo. A seleção do universo empírico, que diz respeito à escolha dos povoados, levou em consideração o confronto de lógicas distintas de apropriação do território. Ou seja, opera-se com o pressuposto de que existe, por um lado, a lógica territorial dos grupos sociais atingidos e, por outro lado, a lógica daqueles que gerenciam os projetos de desenvolvimento. Assim, o conflito, que configura um contexto de disputas territoriais envolvendo diferentes formas de significação do modo de vida e reprodução material a partir dos agentes sociais neles inseridos, é entendido contraditoriamente, uma vez que concebe o desenvolvimento do capitalismo no campo de modo dialético, histórico e materialista. Nesse sentido, o caderno Conflitos no Campo - Brasil 2012, publicado pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) registra nos municípios citados anteriormente um total de 702 posseiros e 50 assentados que estão em conflito com a Suzano. Este artigo tem caráter qualitativo e adotou como procedimentos metodológicos: levantamento de material bibliográfico, imagens, bem como identificação e seleção de áreas para trabalho de campo

Palavras-chave


Camponeses; Suzano Papel e Celulose; Impactos Ambientais; Desenvolvimento

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, H. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: ______. (Org.). Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Fundação Heinrich Böll, 2004. p. 13-35.

AQUINO, M. J. S; SANT’ANA JÚNIOR, H. A. Ferro, “Canga”, Mangue: conservação ambiental e exploração mineral na Amazônia brasileira. In: FERRETTI, S. F.; RAMALHO, J. R.. (Orgs.). Amazônia: desenvolvimento, meio ambiente e diversidade sociocultural. São Luís: EDUFMA, 2009. 224p.

CARVALHO, A. M. de. Chapadas, carrascos e capões: uma abordagem antropológica sobre camponeses numa situação de conflito fundiário no Baixo Parnaíba, Maranhão. 2012. 235f. Monografia (Graduação em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís.

COMISSÃO PASTORAL DA TERRA. Conflitos no campo - Brasil 2012. Goiânia: CPT Nacional - Brasil: Centro de Documentação Dom Tomás Balduino, 2013. 188p.

FERREIRA, A. J. A. Políticas territoriais e a reorganização do espaço maranhense. 2008. 269f. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

GOLDENSTEIN, L. Aspectos da reorganização do espaço brasileiro face às novas relações de intercâmbio: uma análise geográfica do reflorestamento e da utilização da madeira por indústrias de celulose. 1975. Tese (Livre-Docência em Geografia) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

HARVEY, D. Espaços de esperança. Tradução de Adail Ubirajara Sobral. Loyola: São Paulo, 2004. 382p. Tradução de: Spaces of hope.

______. O novo imperialismo. 4 ed. Tradução de Adail Ubirajara Sobral & Maria Stela Gonçalves. Loyola: São Paulo, 2010. 208p. Tradução de: The new imperialism.

______. Spaces of global capitalism: towards a theory of uneven geographical development. New York: Verso, 2006. 154p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo 2010. 2010. Disponível em: . Acesso em: várias datas.

LESSA, S. Para compreender a ontologia de Lukács. 3 ed. Ijuí-RS: Unijui, 2007. 240p.

LUKÁCS, G. As Bases Ontológicas do Pensamento e da Atividade do Homem. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2012.

MARANHÃO. O Maranhão e a nova década: oportunidades e desafios. 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 de out. 2011.

MARQUES, M. I. M. Análise geográfica da expansão recente da indústria de papel e celulose no campo brasileiro, o caso do Grupo Suzano Papel e Celulose. Projeto de Pesquisa apresentado ao CNPq - Universidade de São Paulo, Departamento de Geografia, Agosto de 2011.

MARTIN, C. Suzano Papel e Celulose inicia operações da Unidade Imperatriz: empresa cumpre cronograma e anuncia start-up da planta de 1,5 milhão de toneladas de celulose no Maranhão. O Papel, Brasil, ano LXXV, nº 1, pp. 26-33, revista mensal de tecnologia em celulose e papel da ABTCP, jan. 2014.

MARTINS, J. de S. O cativeiro da terra. 9 ed. São Paulo: Contexto, 2010. 288p.

MARX, K. Manuscritos Econômico-Filosóficos. Tradução de Alex Marins. São Paulo: Martin Claret, 2006. 216p. Tradução de: Ökonomisch-philosophischen Manuskripte.

______. O Capital: crítica da economia política: livro I. 27 ed. Tradução de Reginaldo Sant’Anna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira: 2010. 574p. Tradução de: Das Kapital: kritik der politschen ökonomie.

MORAES, A. C. R. Meio Ambiente e Ciências Humanas. 4 ed. São Paulo: Annablume, 2005. 160p.

OLIVEIRA, A. Umbelino. A agricultura camponesa no Brasil. Contexto: São Paulo, 2001. 128p.

______. Geografia Agrária: perspectivas no início do Século XXI. In: OLIVEIRA, A. U; MARQUES, M. I. M. (Orgs.). O Campo no Século XXI. São Paulo: Paz e Terra/Casa Amarela, 2004, p. 29-70.

______. Modo de Produção Capitalista, Agricultura e Reforma Agrária. 2007. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2011.

PAULA ANDRADE, M. de. A produção de carvão vegetal e o plantio de eucalipto no Leste Maranhense. In: ______. (Coord.). Carajás: desenvolvimento ou destruição? Relatórios de pesquisa. São Luís: CPT; Belém: Coordenação do Seminário Consulta Carajás, 1995. p.15-65.

______. A Suzana – o cerco das terras camponesas e a destruição dos recursos naturais pela Suzano Papel e Celulose. 2011.

______. (Coord.). Conflitos socioambientais no Leste Maranhense: problemas provocados pela atuação da Suzano Papel e Celulose e dos chamados gaúchos no Baixo Parnaíba (Relatório de Pesquisa). São Luís: GERUR/ PPGCS/ UFMA, 2012. 232p.

PÖYRY. Estudo de Impacto Ambiental (EIA) Industrial: Suzano Papel e Celulose - Projeto Grandis (MA). 2010. Disponível em: . Acesso em: 09 fev. 2014.

SILVA, Armando C. da. Geografia e lugar social. São Paulo: Contexto, 1991. 144p.

SIQUEIRA, J. D. P. (Coord.). Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) da área de implantação do projeto florestal da Suzano, na região de Porto Franco, estado do Maranhão. 2010. Disponível em: . Acesso em: 09 fev. 2014.

SMITH, N. Desenvolvimento Desigual: natureza, capital e a produção de espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988. 250p. Tradução de: Uneven development: nature, capital and the production of space.

WOLF, E. R. Guerras Camponesas do século XX. Tradução de Iolanda Toledo. São Paulo: Global Editora, 1984. 230p. Tradução de: Peasant wars of the Twentieth Century.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com