São Luís para todos? O cadeirante nas múltiplas cidades da capital maranhense: o centro histórico

Hermeneilce Wasti Aires Pereira Cunha, Raul Borges Guimarães

Resumo


O presente trabalho analisa os múltiplos espaços na configuração urbana da capital maranhense tomando como aporte o ponto de vista do cadeirante, e como este têm se apropriado desses espaços, no caso especifico, a área do Centro Histórico da capital maranhense. De forma específica, faz-se uma análise a respeito da cidade de São Luís do ponto de vista da pessoa com deficiência física. Para a realização da análise utiliza-se as categorias acessibilidade e mobilidade e a importância da implementação de políticas que atentem para essa demanda e, nesse sentido, voltadas para as categorias em referência, no ambiente urbano da capital maranhense. Com base na pesquisa qualitativa, as informações de depoimentos orais foram obtidos baseado em um roteiro semiestruturado, sendo gravadas as entrevistas e posteriormente transcritas. Das narrativas, temas como cidade, deficiência física e discriminação estiveram presentes. Partindo dessas premissas trabalhamos na assertiva de que a efetivação de políticas públicas favorece a equidade e a qualidade de vida da população, de uma forma inclusiva. Essa possibilidade estende-se, portanto, a minorias como a dos cadeirantes. Ressaltamos a noção clara do direito à cidade, mesmo compreendendo dificuldades na implementação de tais políticas.

Palavras-chave: pessoa com deficiência física; cadeirante; São Luís.


Palavras-chave


Pessoa com deficiência física; Cadeirante; São Luís.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉS, Luís Phelipe de C. Castro. Centro Histórico de São Luís – MA: Patrimônio Mundial. São Paulo: Audichromo Editora, 1988.

ARAÚJO JÚNIOR, Cyrillo Rodrigues de. et al. Fibrodisplasia ossificante progressiva: relato de caso e achados radiográficos. Radiologia Brasileira, São Paulo, v. 38, n. 1, jan./feb. 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-39842005000100014&script=sci_arttext> Acesso em: 6 out. 2010.

BRASIL. Decreto nº 4665, de 3 de abril de 2003. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão do Ministério das Cidades, e dá outras providências. Diário Oficial [da] União, Brasília, D. F., 3 abr. 2003. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2003/decreto-4665-3-abril-2003-496239-norma-pe.html> Acesso em: 05 set. 2010.

BORN, Cláudia. Gênero, Trajetória de Vida e a Biografia: desafios metodológicos e resultados empíricos. Sociologias, Porto Alegre, v. 3, n. 5, p. 240-265, jan./jun. 2001. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-45222001000100011> Acesso em: 10 out. 2010.

BURNETT, Carlos Frederico Lago. Urbanização e Desenvolvimento Sustentável: a sustentabilidade dos tipos de urbanização em São Luís do Maranhão. São Luís: Ed. UEMA, 2008.

______. Programa de Preservação e Revitalização do Centro Histórico de São Luís. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE REVITALIZAÇÃO DE CENTROS HIS´TORICO DA AMÉRICA LATINA E CARIBE, 3, 1999, Santiago. Anais... Santiago: Lista de Contribuições, 1999. Disponível em: Acesso em: 17 nov. 2010.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. O Espaço Urbano: novos escritos sobre a cidade. São Paulo: Labur Edições, 2007.

CORRÊA, Roberto Lobato. Trajetórias Geográficas. 4 ed. Rio de Janeiro: Betrand Brasil, 2010.

DINIZ, Juarez Soares. As condições e contradições no espaço urbano de São Luís (MA): traços periféricos. Ciências Humanas em Revista, São Luís, v. 5, n. 1, jul. 2007.

FERRARA, Lucrécia D’Alessio. Olhar Periférico: informação, linguagem, percepção ambiental. São Paulo: EDUSP, 2000.

FERREIRA, Antônio José de Araújo. Uma interpretação geográfica para São Luís. Revista GEOUSP, São Paulo, n. 7, p. 51-58, 2000.

GAULEJAC, Vicente de. La societá malade de la gestion: idéologie gestionnaire, pouvoir managérial e harcèlement social. Paris: Seuil, 2005.

JESTE, Thomas; PARK, Sharon. Making Historic Properties Accessible. Technical Preseration Services (TPS) Division, National Park Service, AIA, 1993. Disponível em: Acesso em: 15 jul. 2011.

LEFEBVRE, Henri. O Direito à Cidade. São Paulo: Ed. Centauro, 2001.

LOBODA, Carlos Roberto. Práticas socioespaciais e espaços públicos em Garapuava-PR. 2008. 338f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8 ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

PAIVA, Ellayne Kelly Gama de. Acessibilidade e preservação em sítios históricos: o caso de São Luís do Maranhão. 2009. 177f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília.

PORTO, Iris Maria Ribeiro. A cidade de São Luís no olhar da criança: uma representação pelo desenho. In: CASTRO, Cláudio Eduardo de; PORTO, Iris Maria Ribeiro (Orgs.). Abordagens geográficas da multiplicidade dos espaços maranhenses. São Luís: Editora Uema, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com
REDIB
logo Diadorim