O SÍTIO URBANO

Voltar a pagina principal

Mirian Vizintim Fernandes Barros; Rosely Sampaio Archela; Omar Neto Fernandes Barros; Hervé Théry; Neli Aparecida de Mello. Lúcia Helena Batista Gratão



 

A cidade de Londrina foi implantada no Terceiro Planalto Paranaense, no planalto de Apucarana, entre os divisores de águas das bacias do ribeirão Lindóia, ao norte, e do ribeirão Cambé, ao sul, no interior da densa floresta tropical.

Com a expansão urbana, a floresta foi praticamente desmatada, restando somente alguns resquícios da mata virgem, entre esses, destaca-se a “Mata dos Godoy” com 300 alqueires, situada a 20 km da cidade na vertente do rio dos Apertados, ao sul do município de Londrina. 

O sítio urbano atual, considerando a área de expansão urbana, implantada após 2000, assenta-se sobre uma paisagem de colinas suaves e espigões alongados, constituídos pelos divisores de água das bacias dos ribeirões Jacutinga, Lindóia, Cambé, Limoeiro, Cafezal e Três Bocas. Os canais principais estão espacialmente dispostos de forma paralela, em direção ao ribeirão Três Bocas, atual limite da área urbana, que desemboca no rio Tibagi.

Pequenos platôs ou mesetas são encontrados em direção aos baixos cursos dos ribeirões Cambé e Cafezal, cuja altitude está entre 520m a 450m. As mesetas são pequenos “morros testemunhos” com altitudes abaixo do nível geral do planalto.

A direção predominante do relevo acompanha o sentido preferencial da rede hidrográfica, na direção NW-SE, numa posição altimétrica entre 620m - trevo Londrina-Cambé, na cabeceira do ribeirão Cambé e 430m, no encontro do Cambé com o Três Bocas. Os platôs e mesetas dos divisores de água apresentam as linhas “orográficas” principais, que acompanham as fendas estruturais das rochas eruptivas básicas.

 A morfologia da região está relacionada à constituição geológica relativamente simples, que sustenta o Terceiro Planalto formado pelos derrames de “trapp” que abrangem toda a sua extensão. As rochas eruptivas básicas, influenciadas pelo clima do Quaternário Recente, se decompõem em solos argilosos vermelhos muito coesos, conhecidos como Terra Roxa, ocupando grande parte do Terceiro Planalto. A Terra Roxa está associada às matas pluvial-tropicais que recobriam inicialmente, todo o planalto de Apucarana, substituída pelas plantações de café e algodão, e mais recentemente, pelo trigo, soja e pastagem.

O sistema de classificação climática de Köppen, baseado na vegetação, temperatura e pluviosidade, apresenta um código de letras que designam grandes grupos e subgrupos climáticos, além de subdivisões para distinguir características estacionais de temperatura e pluviosidade.  De acordo com esta classificação, Londrina apresenta o tipo Cfa - Clima subtropical, com temperatura média no mês mais frio, inferior a 18oC (mesotérmico) e temperatura média no mês mais quente acima de 22oC, com verões quentes, geadas pouco freqüentes e tendências de concentração de chuvas nos meses de verão, sem estação seca definida.