MESTRADO EM DIREITO NEGOCIAL

ESTADO CONTEMPORÂNEO: RELAÇÕES EMPRESARIAIS E RELAÇÕES INTERNACIONAIS

 

PROJETOS DE PESQUISA

 

Perspetivas do Direito Internacional Contemporâneo: (In) certezas - Um Mundo em transformação e os Desafios para a Pacificação Social e a Segurança Jurídica  

Profa. Dra. Tânia Lobo Muniz 

 

Objetivos: 

A) Expandir os conhecimentos através de um repertório analítico crítico das produções e teorias jurídicas e tendências contemporâneas pertinentes;

B) Desvendar os procedimentos, a teorização e a normatização jurídica como processo de realização da ordem mundial em que a história, a economia, a política e a técnica são analisadas como um continum de raciocínios sobre a maneira de dar significados aos fatos sociais, em especial à seara das relações negociais;

C) Fundamentar estratégias de compreensão e renovação dos discursos críticos sobre a heterogeneidade das relações, das culturas e das estruturas jurídicas, a partir da compreensão de que uma ordem jurídica se constitui em uma forma de aproximação, aberta a conhecimentos extrajurídicos e a produção científica e teórica produzidas no tempo.

D) Estudar as transformações globais e a importância destas a partir do impacto destas no Estado nacional e os seus instrumentos disponíveis para a efetivação de proteção social, considerando a busca da pacificação social e da segurança jurídica, em especial daqueles direitos e relações que tiveram sua formação e desenvolvimento no plano internacional;

E) Revisitar os instrumentos atuais de proteção e efetivação do direito a partir das necessidades apresentadas pela complexidade das relações econômicas, políticas e sociais transnacionais contemporâneas, analisando sua pertinência ou não no que diz respeito à pacificação social ao acesso à justiça e à segurança jurídica;

F) Promover a prática dos instrumentos alternativos de solução de conflitos, na sua perspectiva interna e internacional, em especial pela preparação e participação em simulados e competições nacionais e internacionais.

 


 

Direito à Cidade e Justiça Ambiental no contexto metropolitano

Prof. Dr. Miguel Etinger de Araujo Junior

 

O projeto visa dar prosseguimento às pesquisas relacionadas à conexão entre os temas “Direito à Cidade” e “Justiça Ambiental”, realizado nos últimos anos. Partindo da premissa de que as ideias de Direito à Cidade e de Justiça Ambiental estão relacionadas à efetividade dos Direitos Humanos, busca-se neste projeto analisar a dimensão jurídica das intervenções no processo de ocupação da terra no contexto metropolitano, com vistas a proporcionar um ambiente adequado para ser morar, trabalhar, circular e desfrutar destes espaços com base na ideia do bem viver. A interelação com outras áreas do conhecimento (geografia, planejamento urbano, sociologia, etc.) torna-se imperiosa, visando conformar os negócios jurídicos com base em análises técnicas. Propõe-se, inicialmente, analisar as intervenções jurídicas que permitam a utilização da terra em benefício da coletividade e que visem garantir a segurança e a soberania alimentar, controlar o processo de expansão desordenada do perímetro urbano, e, ainda, que permitam desenvolver medidas mitigadoras e adaptadoras em um contexto de mudanças climáticas.

 


 

 A dimensão jurídica no contexto da reabilitação da razão prática em Habermas

Prof. Dr. Clodomiro José Bannwart Júnior

 

Pretende-se investigar como a teoria crítica da sociedade de jürgen habermas responde, no plano empírico e normativo, às mudanças ocorridas no panorama do pós-guerra, sobretudo a partir dos anos de 1960, e o que tais mudanças representaram para o conjunto dos valores (éticos) em nível social (política), bem com as implicações normativas na esfera jurídica (direito). Em suma, busca-se diagnosticar, com habermas, o processo de releitura dos componentes da ética/moral, da política e do direito no conjunto maior de sua teoria social apresentada no início dos anos de 1980. Utilizando o termo ‘reabilitação da razão prática’, habermas se insere no movimento de ideias iniciadas no alvorecer da década de 1960, que ganhou fôlego nos anos de 1970, e alcançou centralidade nos debates a partir dos anos de 1980 em diante, em torno das questões centrais da normatividade social. O eixo estruturante da pesquisa se dará a partir da obra “direito e democracia: entre facticidade e validade”, de 1992, onde é destacado o giro jurídico operado da teoria crítica de habermas e a indicação de uma nova perspectiva de leitura da razão prática – que acomoda a ética/moral, a política e o direito – à luz do princípio do discurso. 

 


 

 Estado, Soberania e Direito Internacional: Interfaces de uma relação em transformação

Prof. Dr. Elve Miguel Cenci
 
 
O projeto discute a relação entre Estado, soberania e direito internacional. O conceito de soberania nasce na transição para a modernidade e se torna vital na constituição do Estado moderno. Em sua dimensão interna, a soberania caracteriza o Estado que exerce o poder de mando sobre determinado território. No aspecto externo, é soberano o Estado capaz de colocar-se perante a comunidade internacional de Estados livres e iguais. A soberania interna começa a perder força com o advento do Estado liberal ou Estado de direito. A tripartição dos poderes e a força da Constituição como última instância à qual todos se submetem minam o poder absoluto do Estado. No aspecto externo ocorre o oposto. Sem limites, os Estados passam a agir como se estivessem em um estado de natureza. Essa concepção somente será alterada com o fim da II Guerra Mundial e a criação da ONU como instância de garantia da paz e dos direitos humanos. Há, desde então, uma mudança de paradigma. Cria-se, na figura de um novo direito internacional disperso em cartas, declarações e pactos, uma espécie de contrato social internacional. Pode-se falar agora apenas em soberania compartilhada. A paz e a garantia dos direitos humanos demandam uma perspectiva supra estatal. Os novos desafios do século XXI colocam uma nova agenda para os estados, agora fragilizados na capacidade de tomar decisões, e para a comunidade internacional e suas instituições. Temas como economia, meio ambiente, violência e refugiados demandam novas respostas e novas instituições de garantia.
 
 

 
Direito e Liberdade: Características da Liberdade nas teorias Republicana e Liberal e a conduta do homem no mundo antigo e na sociedade contemporânea
 
Prof. Dr. Marcos Antonio Striquer Soares
 
 
O projeto investiga a liberdade do homem no Mundo Antigo e na modernidade para compreender a conduta mais adequada para o homem na sociedade contemporânea. No texto clássico de Benjamin Constant, “Da liberdade dos antigos comparada à dos modernos”, a liberdade do homem antigo (republicana) dependia de sua inserção em uma sociedade preparada para a guerra, para evitar a escravidão e/ou para obter riquezas; o homem moderno (o mundo liberal), no entanto, ganhou sua independência do grupo social e sua liberdade está relacionada com seus interesses pessoais, o que foi viabilizado pelo comércio, segundo o autor. Por outro lado, a conduta do homem antigo era bastante dependente da religião, haja vista existir uma relação umbilical entre religiosidade e a cidade antiga (a cidade-estado), pela qual os deuses influenciavam de modo decisivo na conduta dos homens. O homem moderno, no entanto, tem uma religião que permite a independência individual em relação ao grupo, religião que assegura a salvação individual com recompensa a ser obtida depois da morte, o que exige um sistema exaustivo de leis criadas de modo impessoal pelo Estado, para a viabilidade da vida em sociedade, neste mundo. Alguns autores apesar de formarem diferentes correntes teóricas republicanas, explicam as possibilidades de construção de uma sociedade republicana nos nossos dias a partir do Mundo Antigo. Então, se o que pode ser entendido por república ou republicanismo existiu no Mundo Antigo, somente o estudo das sociedades daquela época é que poderá indicar as possibilidades de condutas republicanas para as sociedades contemporâneas, compostas por infinidades de sujeitos que se isolam em seus interesses pessoais. Diante da liberdade do homem moderno na fixação de sua conduta, a decisão política do Estado (seja judicial, administrativa ou legislativa) acaba por se restringir a decisões universais e impessoais, sem beneficiar ou prejudicar alguém especificamente. A nova fronteira surgida leva ao estudo das características do que seja conduta republicana ou liberal; ao estudo de objetivos que possam ser republicanos ou liberais; e ao estudo das fontes determinantes da conduta do homem em uma sociedade republicana e em uma sociedade liberal. A hipótese para as questões levantadas, é que a sociedade republicana dos antigos apresentava padrões de conduta que podem ser aplicados na sociedade contemporânea, liberal, mesmo que a guerra e a religião já não sejam aceitas como determinantes para a conduta no mundo atual. 

 


 

 

Intervenção do Estado sobre o domínio econômico em face da Constituição Federal de 1988: possibilidades de reconfiguração das relações entre Estado e Mercado
 
Profª. Drª. Marlene Kempfer
 
 
A Constituição Federal brasileira de 1988 prevê competências aos governos para intervir no e sobre o domínio econômico. Intervir no domínio econômico na condição de empresário (Art. 173) e sobre o domínio econômico por meio normativo, de fiscalização, incentivo e planejamento (Art. 174). Recorrer às competências previstas no Art. 174 é dever do Estado uma vez que o mercado interno é patrimônio nacional conforme Art. 219 da CF/88 e, nesta condição, deve ser preservado. Por meio destas competências poderá regular e reconfigurar as tradicionais relações que ocorrem na atualidade no mercado. Entende-se por relações econômicas tradicionais aquelas construídas, especialmente, sob o domínio dos direitos individuais, da autonomia de vontade privada plena e da liberdade econômica legitimada pelo pensamento liberal e neoliberal. Reconfigurar tais relações, para esta pesquisa, significa intervenção estatal em prol da efetividade dos valores constitucionais da solidariedade, democratização das relações empresariais e responsabilidades das empresas em face do Estado Democrático e Social. Sob o primeiro fundamento, a intervenção estatal por meio das normas promocionais, propõe-se viabilizar práticas da economia solidária, entre elas, as experiências do comércio justo, fiança solidária, economia sem dinheiro e empresas sociais. Quanto à democratização das relações empresárias o enfoque é para o direito à informação sobre a conduta da empresa em face do ordenamento jurídico brasileiro, que consta em arquivos privados e públicos (Lei nº 12.527/2011). Com tal acesso aumentam-se as possibilidades do consumo seletivo e consciente. No aspecto das responsabilidades da empresa em face do Estado Democrático e Social, procura-se enaltecer estudos sobre o marketing social, o qual é centrado em valores, causas sociais, ambientais e desta forma a empresa contribui para conscientizar a sociedade, além de demonstrar seu engajamento para que o privado e o público sejam esferas que se complementam. Todos estes aspectos da pesquisa, que será bibliográfica e interdisciplinar, defendem-se possibilitar a reconfiguração das relações tradicionais do mercado e contribuir para as relações econômicas socialmente justas. 

 

 

 

© 2007 Universidade Estadual de Londrina
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 6001 | CEP 86051-990 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4000 | Fax: (43)3328-4440
e-mail: mestrados@uel.br