Linhas de pesquisa

1. Produção de Sentido nas Mídias

Estuda a produção de sentido nas diversas mídias, bem como suas expressões de linguagem. Analisa as dinâmicas do mito e do imaginário na construção de narrativas nos meios de comunicação. Investiga as representações simbólicas na práxis comunicacional.

 

Pro­je­tos de Pesquisa

 

Imagens Ofensivas: Demonização do Outro e Panfletagem na Reforma do Século XVI

Alberto Klein

A reforma religiosa do século XVI, que tem em Martinho Lutero um de seus principais atores, pode ser estudada como um fenômeno comunicacional ímpar, uma vez que se constitui como o primeiro grande debate público na Europa moderna após a invenção da prensa de tipos móveis de Gutenberg. O caráter midiático deste evento pode ser atestado não somente pela intensa produção de livros, entre eles a bíblia traduzida em língua vernácula pelo reformador alemão, mas também pela disseminação virulenta de panfletos, que envolveu grande parte da população nos embates públicos entre os reformadores e a Igreja Católica Romana. Lutero e seu companheiro Phillip Melanchton assinaram 183 panfletos somente no ano de 1523. Apesar do recorte eminentemente histórico, pretendemos nos debruçar sobre as imagens que estampavam esses panfletos a partir da técnica da xilogravura. Desse modo, analisaremos mecanismos de articulação de sentido para a produção da ofensa, bem como os processos semióticos de demonização do outro, conjugando elementos visuais que se codificariam três séculos depois em uma linguagem própria, a charge. Entre estes elementos, investigaremos formas visuais que se estruturam em uma base binária e polar, repercutindo em uma destituição simbólica da alteridade. A perspectiva deste estudo baseia-se principalmente na semiótica da cultura, sistematizada por Ivan Bystrina, além das contribuições da teoria das imagens de W.J.T. Mitchell. Se as imagens ofensivas formam um conjunto marcante da produção visual na mídia contemporânea, buscaremos com este projeto estudá-las no alvorecer da imprensa.

Mitos nas mídias: ideologia, imaginação social e reencantamento instrumental na sociedade de consumo

André Azevedo da Fonseca

Um dos elementos que constituem o imaginário construído a respeito do século XXI é o desenvolvimento fabuloso das ciências. No entanto, apesar do histórico de racionalidade que possibilitou o progresso do conhecimento científico, observamos que persiste entre usuários de tecnologia um imaginário repleto de mitologias, crenças e superstições que atribuem qualidades sagradas e miraculosas no campo do consumo e da política. Parte desta dinâmica é verificável na adoração do público a determinadas marcas e nas paixões e ódios políticos que atribuem conotações sagradas aos partidários e demoníacas aos adversários. Notamos, contudo, que essas dinâmicas não são espontâneas. Toda uma literatura de manuais de publicidade explica como empregar símbolos arquetípicos para carregar a publicidade de sentidos sagrados. Partimos do princípio, portanto, que a mitificação dessas imagens na propaganda, na política ou no cinema parece indicar um propósito menos propriamente religioso e mais utilitarista, seja em termos econômicos ou ideológicos. O objetivo do presente projeto é investigar, em um conjunto de imagens veiculadas pelos meios de comunicação, a presença de narrativas sagradas empregadas para causar impactos na imaginação social a fim de alcançar os objetivos de propaganda política e publicidade voltada ao consumo. O objeto de estudo serão reportagens e anúncios publicitários recentes de marcas populares dos mais diversos produtos; filmes de hollywood de grande bilheteria e também filmes independentes que trazem discussões sobre mitologia; além de peças de propaganda político-ideológica, produzidas por agências e por ativistas, que circulam nas redes sociais. Para isso, empregaremos métodos da pesquisa qualitativa, tal como análise documental e pesquisa bibliográfica, a partir da perspectiva da comunicação, da história cultural, dos estudos culturais e das teorias dos mitos e dos imaginários sociais. Como resultado, buscamos ampliar a compreensão sobre os símbolos midiáticos que atribuem sentidos sagrados às imagens associadas ao consumo, à política e ao cinema no século XXI.

Rep­re­sen­tação e sim­boliza­ção, via imagem, das inter­fer­ên­cias (inter­venções) nos condi­cio­nantes socioam­bi­en­tais do espaço intrau­r­bano de Londrina-PR

Miguel Luiz Contani

A pesquisa anal­isa os proces­sos cod­i­fi­cadores da imagem, em seus vários suportes (com ênfase no dia­grama e na fotografia) man­i­fes­ta­dos nos mecan­is­mos de comu­ni­cação vin­cu­lada a um recorte no desen­volvi­mento urbano. Questões socioam­bi­en­tais são lev­an­tadas para iden­ti­ficar for­mas de artic­u­lação de sen­tido e man­i­fes­tações estéti­cas no espaço da cidade e sua expressão.

Aprender com brilho no olho: linguagem imagética para articulação de sentido de objetos pedagógicos com design thinking, inovação e tecnologia

Rosane Fon­seca de Fre­itas Martins

O projeto investiga a articulação de sentido e significado da linguagem imagética de objetos pedagógicos em diversos suportes (jogos digitais e impressos, livros didáticos, livros literários, livros objetos, formas tridimensionais de apoio/impressão 3D, apostilas, manuais, cartilhas, brinquedos, animações e outras formas criativas e divertidas) a fim de estimular o aprendizado de crianças e adolescentes como reforço de aprendizagem, bem como auxiliar e motivar professores neste processo. A metodologia é de natureza exploratória, qualitativa e descritiva, delineamento de dados primários e secundários. Toda a criação é conduzida pelo processo de design thinking. Os objetos com foco educacional são criados em conjunto com os departamentos de design, comunicação, psicologia, educação e computação, e analisados junto ao público em investigações diversas (levantamento, estudos de caso e estudos de campo) sobre forma e conteúdo e suas formas de articulação de sentido. Espera-se minimizar a falta de sintonia entre a linguagem imagética e tecnológica às quais as novas gerações têm acesso no cotidiano fora da escola e o material didático de ensino tradicional, motivando-as a aprender com brilho no olho.

Imagem e sub­je­tivi­dade: uma car­tografia dos modos de semi­o­ti­za­ção do onírico no cin­ema pós-moderno

Sil­vio Ricardo Demétrio

Esta pesquisa pre­tende anal­isar e inter­pre­tar os com­po­nentes de imagem encon­tra­dos num recorte da recente história do cin­ema que apre­senta derivações que alguns autores con­sid­eram car­ac­terís­ti­cas expres­sas do pós-modernismo nesse campo de expressão. Como delim­i­tação exem­plar dessa pro­dução as análises inci­dem sobre as fil­mo­grafias de três dire­tores con­tem­porâ­neos: David Lynch, Michel Gondry e Jean-Pierre Jeunet. O quadro histórico rel­a­tivo ao cin­ema que serve de base ao pro­jeto é o pro­posto por Gilles Deleuze a pas­sagem de um cin­ema clás­sico a um mod­erno. Essa pas­sagem se opera no sen­tido de uma pro­gres­siva desvin­cu­lação da nar­ra­tiva como estru­tu­rante da lin­guagem cin­e­matográ­fica e a aber­tura do cin­ema para uma imagem que pre­cipita abstrações. Imagem-pensamento, car­ac­terís­tica de um cin­ema cujo domínio de lin­guagem se torna a marca fun­da­men­tal de sua mod­ernidade. A questão maior que per­meia o pro­jeto é a dis­cussão da emergên­cia de uma pós-modernidade que cruza e inclui esses domínios sep­a­ra­dos his­tori­ca­mente uma linha que artic­ula o cin­ema como uma forma de pen­sa­mento e a linha tradi­cional que rebate toda a sua lin­guagem segundo os deter­mi­nantes de uma lin­guagem fran­ca­mente nar­ra­tiva e que se con­soli­dou no mod­elo indus­trial que vig­ora nas pro­duções cin­e­matográ­fi­cas.

2. Processos Sociais e Práticas Culturais

Estuda estruturas e experiências comunicacionais em seus desdobramentos históricos, geopolíticos, econômicos e culturais a partir de suas mais diferentes expressões verbais, visuais, sonoras e gestuais. Interpreta criticamente práticas e processos comunicacionais como práxis sócio-históricas da reprodução e das disputas de hegemonias.

 

Pro­je­tos de Pesquisa

 

Con­strução sim­bólica e agen­da­mento por meio da Imagem e das lin­gua­gens na pro­dução tele­jor­nalís­tica

Flo­rentina das Neves Souza

Os ele­men­tos de visu­al­i­dade têm extremo peso na con­strução da cred­i­bil­i­dade de uma matéria. No tele­jor­nal­ismo as ima­gens e tex­tos se alin­ham e são estru­tu­radas de acordo com a estética de pro­dução de mer­cado­ria para reforçar a obje­tivi­dade e a impar­cial­i­dade ofer­e­ci­das ao tele­spec­ta­dor. Tendo em conta os vários com­po­nentes da lin­guagem tele­jor­nalís­tica como reporta­gens, notas, “ao vivo”, sim­u­lações, info­grá­fi­cos, mapas do tempo, vin­hetas, cenários e até a apre­sen­tação e posi­ciona­mento de medi­adores, este pro­jeto inves­tiga os fatores pre­sentes nos proces­sos cod­i­fi­cadores da imagem e seus mecan­is­mos de expressão na lin­guagem nas edições local e nacional dos tele­jor­nais de maior audiên­cia atual­mente. Para análise do cor­pus, o pro­jeto exam­ina os tele­jor­nais a par­tir da metodolo­gia das valên­cias e da noção de enquadra­mento noti­cioso, proces­sos que artic­u­la­dos com­põem os fatores capazes de garan­tir o agen­da­mento. A fonte prin­ci­pal serão os roteiros uti­liza­dos pelos gru­pos de estu­dos de mídia e política. Como prognós­tico de resul­tado, pretende-se con­hecer qual o trata­mento dado pelos edi­tores, repórteres e apre­sen­ta­dores dos pro­gra­mas jor­nalís­ti­cos de tv para deter­mi­nado assunto e público.

Sinais da crise do capitalismo – determinações históricas das formas audiovisuais de produção comunicacional (dos sistemas nacionais de televisão à rede mundial de computadores)

Manoel Dourado Bastos

O presente projeto se propõe a estudar o processo de transformação das determinações históricas entre comunicação e capitalismo, particularmente os processos relativos às formas audiovisuais, concentrando-se na interpretação do período que vai da hegemonia comunicativa dos sistemas nacionais de televisão àquela da rede mundial de computadores. A partir das contribuições da economia política da informação, comunicação e cultura (EPICC), pretende-se caracterizar as formas audiovisuais de comunicação moderna como aspectos de complexas dinâmicas históricas que se desdobram dos padrões de reprodução do capital e do estado-nação moderno, elementos essenciais do capitalismo. Reconhece-se assim a comunicação como um processo histórico específico da modernidade capitalista. Trata-se inicialmente de observar a expansão global dos sistemas nacionais de televisão, caracterizando-a como elemento essencial ao capitalismo no século XX. Em seguida, o interesse recai sobre a crise sistêmica do capital e a correspondente emergência das redes mundiais de computadores. Busca-se particularmente avaliar as continuidades e rupturas desse processo histórico em consonância com os debates sobre o atual estado histórico do capitalismo. Sob esse prisma, a rede mundial de computadores mantém aspectos essenciais dos sistemas nacionais de televisão, superando-os como um complexo midiático e de controle afeito à dinâmica de militarização do cotidiano.

Relatos, registros e representações: a censura brasileira na visão da imprensa internacional

Márcia Neme Buzalaf

Este projeto pretende realizar um estudo acerca de como o olhar de fora que os jornais estrangeiros construíam sobre os anos mais violentos da ditadura brasileira (1968-1975) pode ser revelador de representações, textos, imagens e fatos em contraste com uma produção em ambiente influenciado por censura política. O corpus será constituído a partir de matérias obtidas dos jornais New York Times, Washington Post, The Guardian e The Observer. A metodologia terá em conta essa visão distanciada, e a condução das análises ocorrerá nos campos da historiografia e das teorias do jornalismo. A pesquisa terá caráter exploratório e analítico. A contribuição buscada é no sentido de enriquecer o conhecimento da história do jornalismo brasileiro e melhorar a percepção sobre noticiabilidade e representação ao fazer uso das fontes de dados hoje tornadas disponíveis pela vasta gama de materiais digitalizados ao alcance do pesquisador.

Gatilho da memória: o uso da fotografia para a recuperação da história do norte do Paraná nas décadas de 1930 a 1960

Paulo César Boni

Este projeto se propõe a aplicar e testar uma nova técnica metodológica, a do uso da fotografia como disparadora do gatilho da memória, e a recuperar, estudar, organizar e classificar a história e documentos iconográficos (com ênfase voltada para a fotografia) das décadas de 30, 40, 50 e 60 no norte do Paraná. Para tanto, adotará os seguintes procedimentos metodológicos: pesquisa bibliográfica, pesquisa documental, análise iconográfica – com ênfase voltada à fotografia, história oral (entrevistas com pioneiros, estudiosos, pesquisadores, historiadores, autores, jornalistas e autoridades da região) e o uso da fotografia como disparadora do gatilho da memória em um primeiro momento, o projeto se destina à aplicação, ajustes, reaplicação e consolidação de uma nova técnica metodológica. Contudo, a partir do levantamento de dados e documentos (oficiais e de testemunho oral) e dos documentos iconográficos (disponíveis em locais de consulta pública ou em álbuns particulares), o trabalho se propõe a contextualizar as informações e fotografias e organizá-las por temática e cronologicamente. Ao final, o projeto pretende contribuir com o desenvolvimento e consolidação de uma nova técnica metodológica, a do uso da fotografia como disparadora do gatilho da memória, e com a recuperação e organização de fragmentos da história do norte do Paraná – e de seu acervo iconográfico (fotográfico) – nas décadas de 30, 40, 50 e 60 e disponibilizar seus resultados para consulta acadêmica e pública, em locais de fácil acesso, preferencialmente em forma de artigos científicos em periódicos e livros temáticos.

Por uma Crítica Fenomenológica da Imagem Técnica da Publicidade: O Problema da Atenção

Rodolfo Rorato Londero

Um dos principais problemas atualmente identificado pela publicidade é a saturação de anúncios e a sobre-exposição da atenção do consumidor. Questionando se esse cenário de escassez é um problema de fato ou uma consequência, esta pesquisa pretende mostrar como a própria publicidade fomenta essa briga por atenção através de seus textos científicos. Deve-se entender, portanto, como a atenção é um conceito psicologizante criado para sustentar uma economia de consumo capitalista, o que exige uma crítica fenomenológica da imagem técnica da publicidade, ou seja, da imagem construída a partir dos textos científicos da publicidade. A metodologia baseia-se em pesquisa bibliográfica e documental, principalmente na leitura da história da atenção de Jonathan Crary, da fenomenologia da percepção de Merleau-Ponty e de manuais de publicidade da primeira metade do século XX.

 Retratos de uma ofensiva neoliberal: análise do discurso chárgico na imprensa brasileira na Era FHC (1995-2002)

Roz­i­naldo Antonio Miani

Este projeto de pesquisa tem como objetivo analisar como a charge, no contexto discursivo da imprensa brasileira, retratou as mazelas da ofensiva neoliberal no Brasil, bem como os respectivos impactos econômicos, políticos e sociais na sociedade, durante a Era FHC. As análises serão realizadas com base na metodologia da análise do discurso chárgico. Por sua natureza interdisciplinar, o projeto contribuirá para uma compreensão histórica e sociológica da Era FHC, a partir de uma análise histórica e historiográfica, possibilitando uma apropriação e uma problematização dos fundamentos político-ideológicos que potencializaram o avanço da ofensiva neoliberal no Brasil a partir da segunda metade da década de 1990. Trata-se, ainda, da continuidade de um processo de pesquisa no sentido de estabelecer uma revisão teórico-metodológica da história brasileira recente, tendo como base documental as fontes iconográficas.