ago 9

Saiu o resultado do edital da Chamada 14/2008 de Apoio à Pesquisa Básica e Aplicada da Fundação Araucária. Um dos projetos aprovados, cujo resumo é apresentado a seguir, tem a Coordenação do Prof. Dr. José Alexandre de França, docente do MEEL.

Sistema de Medição de Umidade Baseado na Reflexão Difusa no Infravermelho Próximo

RESUMO: Em diversos setores da indústria, a medição de umidade é uma tarefa fundamental como, por exemplo, na indústria alimentícia, de processamento/esmagamento de grãos, de papel, usinas de açúcar etc. O método clássico de medição de umidade requer uma análise da amostra em laboratório. Este é um processo destrutivo, caro e demorado. Além do mais, como a umidade da matéria-prima pode variar bastante ao longo do dia, são necessárias várias medições em laboratório ao longo do período. Por outro lado, com o processo de medição on-line de umidade, a percentagem de água é conhecida instantaneamente, logo tem-se controle do processo de produção sem perdas, com máximo lucro e qualidade. Atualmente, existem poucos fabricantes deste tipo de equipamento e não existe nenhum fabricante neste país, o que resulta em um custo elevado para indústrias pequenas. Em vista disto, propõe-se, neste projeto, o desenvolvimento de um medidor on-line de umidade baseado no princípio de absorção da luz, onde moléculas da água absorvem parte da radiação incidente, baseado em um princípio físico que faz com que a luz seja absorvida por ligações químicas características da molécula de água. Tal instrumento será capaz de efetuar a medição de umidade na própria linha de produção, instantaneamente e insensível a grandes variações de temperatura, permitindo o ajuste do processo produtivo de imediato ao valor proposto, evitando perdas, reprocesso de produto e reduzindo custos com medições químicas, infra-estrutura e mão-de-obra. Além disso, uma vez desenvolvida a técnica, esta poderá ser facilmente estendida a medição de outros tipos de substâncias em uma variedade de outros materiais.

ago 8

A Profa. Dra. Silvia Galvão de Souza Cervantes, docente do MEEL, deu entrevista ao Jornal RPC falando sobre as condições do trânsito de Londrina. O Controle de Tráfego Urbano é uma das áreas de pesquisa da docente.

jul 17

O Globo Universidade de 27 de junho visitou a Universidade Estadual de Londrina (UEL). A equipe do programa mostrou armadilhas que capturam fungos causadores de danos às plantações de soja. Essas armadilhas fazem parte de um projeto maior que tem a participação do Prof. Dr. José Alexandre de França, integrante do MEEL.

Já ouviu falar em ferrugem asiática da soja? Esta doença deixa as folhas da soja cheias de manchas assemelhadas a marcas de ferrugem mesmo e, em oito anos, já causou prejuízos de US$ 12 bilhões para o Brasil. No Departamento de Agronomia da UEL, a repórter Bianca Rothier encontra o professor Seiji Igarachi, idealizador de uma “armadilha” capaz de capturar no ar os esporos da praga. “Não é porque é nosso trabalho, mas a eficácia desta técnica é de 100%. Esse aparelho, embora simples, pode detectar tudo quanto é esporo de ferrugem e de outras doenças, como doença de final de ciclo, oídio, míldio, etc.. Eu venho desenvolvendo esse trabalho desde 2003 e, neste período, a gente tem conseguido reduzir significativamente o número de aplicações de fungicidas e, consequentemente, reduzir o custo da produção de soja no estado”, comemora Igarachi.

mai 26

Usuários do Portal de Periódicos têm acesso aos dados dos Journal Citation Reports

Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes
Sexta, 22 de Maio de 2009 16:12

Os usuários do Portal de Periódicos da Capes já podem acessar os dados do Journal Citation Reports (JCR), publicados pela Thomson Reuters por meio da plataforma ISI Web of knowledge. Poderão ser consultadas as informações do JCR Science Edition e do JCR Social Sciences Edition.

O JCR analisa o número de citações atribuídas pela comunidade acadêmica aos artigos dos periódicos indexados na base de dados Web of Science. Levando em conta a periodicidade da revista, a quantidade de artigos publicados e o número de citações, é atribuído o fator de impacto de um periódico. “O JCR é uma demanda muito antiga dos usuários do Portal, tanto dos bibliotecários como dos professores e pesquisadores porque a informação que ele oferece subsidia a decisão dessas pessoas sobre onde publicar os seus papers, procurando sempre um periódico que tenha maior visibilidade e consulta no mundo”, explica Rejane Klaes, bibliotecária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e help desk do Portal de Periódicos na Região Sul.

O JCR Science Edition possui informações sobre mais de 5.900 periódicos de Ciência e Tecnologia. Já o JCR Social Sciences Edition reúne dados de mais de 1.700 títulos na área das Ciências Sociais. O fator de impacto de parte desses títulos já estava disponível no Portal de Periódicos, que disponibiliza informações detalhadas sobre as revistas assinadas pela Capes. Segundo Rejane Klaes, o acesso pelos usuários das informações do conjunto completo de títulos indexados nos JCR vai facilitar a tomada de decisões pelo pesquisador sobre onde publicar.

O JCR pode ser acessado por meio da Web of Knowledge, na aba Select a Database.

mai 17
UEL firma convênio com o MAPA
icon1 Coordenador | icon2 Notícias | icon4 05 17th, 2009| icon3Comente »

A UEL firmou convênio com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para desenvolvimento de um projeto de pesquisa. O projeto terá duração de 24 meses e prevê o investimento de R$ 136.269,00.

Sistema descentralizado de monitoramento do microclima em plantações de soja para uso na agricultura de precisão

Equipe de Trabalho:

  • José Alexandre de França – MEEL/DEEL/UEL (Coordenador);
  • Marcelo Giovanetti Canteri – Agronomia/UEL;
  • Maria Bernadete de Morais França – DEEL/UEL;
  • Aziz Elias Demian Júnior – DEEL/UEL;

RESUMO: Há muito é sabido que as condições ambientais são fator chave na epidemiologia de diversos fitopatógenos. Por isso, o monitoramento do clima é indispensável a qualquer sistema inteligente de cultivo. Normalmente, tal monitoramento é realizado através de estações agrometeorológicas que adquirem dados de diversas grandezas, tais como, temperatura, umidade, velocidade do vento, molhamento foliar etc. Infelizmente, o alto custo das estações de aquisição de dados limita o número de pontos de monitoramento dentro de uma mesma propriedade. Isso força o uso de ferramentas de interpolação matemática. Contudo, tal procedimento não leva a bons resultados na estimação de grandezas como a precipitação e o molhamento foliar. Neste projeto, propõe-se um sistema de monitoramento composto por um conjunto microestações de aquisição de dados. Essas serão de baixo custo e altíssima autonomia. Por isso, poderão ser instaladas ao longo de toda a região de cultivo, coletando dados de grandezas como, por exemplo, temperatura e molhamento foliar. As microestações comunicar-se-ão entre si através de uma rede de comunicação sem fio. Nessa rede, um dispositivo coordenador terá controle total da rede, ou seja, esse solicitará o dado a ser transmitido e qual estação o receberá, criando um sistema de comunicação pergunta/resposta. A rede de dados também incorporará o conceito multi-hop (múltiplos saltos), ou seja, o dado não precisa ser transmitido diretamente, e sim, através de roteadores, o mesmo poderá ser repassado até o destino, aumentando a profundidade da rede. Tal sistema auxiliará o uso inteligente de agrotóxicos para redução dos custos de produção, a diminuição da contaminação da natureza pelos defensivos utilizados e, logicamente, o aumento da produção.

mai 17
E AGORA, JOSÉ?
icon1 Coordenador | icon2 Notícias | icon4 05 17th, 2009| icon3Comente »

A edição de abril de 2009 da Revista Horizontes, da Sociedade Brasileira de Computação (SBC), traz um artigo interessante sobre o que o aluno interessado em ingressar em um curso de mestrado deve fazer para aumentar suas chances de ser aceito em um programa de pós-graduação. O artigo também traz dicas para ajudar a escolher o melhor programa para o seu perfil. Confira!

dez 13
Aprovado projeto MAPA/CNPq
icon1 Coordenador | icon2 Notícias | icon4 12 13th, 2008| icon31 Comentário »

O CNPq divulgou os projetos aprovados no “Programa Defesa Agropecuária do MAPA: Mais Ciência, mais Tecnologia”. Dentre os projetos aprovados, um tem a participação do Prof. Dr. José Alexandre de França, integrante do MEEL, e é coordenado por nosso parceiro na agronomia, o Prof. Dr. Marcelo Canteri.

Foram aprovadas 367 propostas para receber investimentos em pesquisas científicas, tecnológicas e inovação nos temas vigilância e sanidade animal e vegetal, qualidade e inocuidade de produtos de origem animal e vegetal e de insumos agropecuários do Programa Defesa Agropecuária – Mais Ciência, mais Tecnologia.

O Programa envolve, numa parceria inédita, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA), do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), e inicialmente desembolsará R$ 102,7 milhões em três anos. Desses, cerca de R$ 500 mil virá para o nosso projeto ainda no mês de dezembro.

dez 12

Segue a lista de classificados na seleção 2009-1.

  1. KLEBER DOS SANTOS LOPES;
  2. OSNI VICENTE;
  3. EDNEI LUIZ MIOTTO;
  4. WAGNER FONTES GODOY;
  5. ANDERSON WILLIAM SIMOES BORGES;
  6. EMERSON CHARLES MARTINS DA SILVA;
  7. OSMAR TORMENA JUNIOR;
  8. RODOLFO BARRETO CANôNICO;
  9. LUíS GUILHERME GIMENEZ DE SOUZA;
  10. HENRIQUE SADAO KAJINO;
  11. MOANIR STABILE FILHO;
  12. RODRIGO HENRIQUE CUNHA PALACIOS;
  13. JOSE AUGUSTO COEVE FLORINO.

Os selecionados têm o período de 19 a 21 de janeiro de 2009 para efetivar sua matrícula. Para isto, o aluno deve apresentar os seguintes documentos na secretaria do curso: fotocópia dos documentos pessoais (RG, CPF, Reservista e Certidão de Nascimento ou Casamento); fotocópia autenticada do diploma ou fotocópia simples do certificado de conclusão do curso de graduação ou atestado de conclusão do curso de graduação e de que o mesmo está reconhecido pelo órgão competente. Até o final do curso de pós-graduação o aluno deverá apresentar fotocópia autenticada do diploma do curso de graduação.

mar 25

Desde 2004, por intermédio do professor Marcelo Carvalho Tosin, o MEEL vem mantendo uma parceria com a Agência Espacial Brasileira (AEB). Tal parceria vem ocorrendo na forma de financiamento de projetos. Por sua vez, tais projetos fazem parte do Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE) que tem por objetivo capacitar o país para desenvolver e utilizar tecnologias espaciais na solução de problemas nacionais e em benefício da sociedade brasileira, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida, por meio da geração de riqueza e oferta de empregos, do aprimoramento científico, da ampliação da consciência sobre o território e melhor percepção das condições ambientais.

Atualmente, o MEEL está envolvido no desenvolvimento dos seguintes grandes projeto com a AEB.

Unidade de Medida de Aceleração – UMA

Descrição: O programa Microgravidade da Agência Espacial Brasileira (AEB) tem por objetivo disponibilizar um ambiente com acelerações quase nulas para a realização de experiências científicas. Este ambiente é provido por uma plataforma de microgravidade lançada a partir de um foguete de sondagem VSB30. O veículo impulsiona a plataforma e esta realiza um vôo balístico sub-orbital. Na parte superior da trajetória, devido à ausência de atmosfera, a plataforma encontra-se em queda livre. Neste estado a plataforma realiza ações para cancelar suas rotações anulando as acelerações centrípetas. Assim, esta plataforma é capaz de prover um ambiente simulado livre de acelerações para as experiências carregadas em seu interior. Este ambiente é também denominado ambiente de microgravidade. O conjunto VSB-30 e plataforma de microgravidade é capaz de prover um ambiente de microgravidade para as experiências durante aproximadamente 6 minutos. A plataforma de microgravidade é recuperável e tem capacidade de transmissão dos dados das experiências durante as etapas de lançamento, microgravidade e parte da etapa de recuperação. O Projeto UMA Unidade de Medida de Aceleração propõe melhorias em um instrumento similar desenvolvido no Projeto PAANDA (Plataforma de Aquisição para a Análise de Dados de Aceleração). Este projeto propõe a construção de um novo instrumento capaz de medir acelerações com amplitudes variando de 1 micro-g a 25 g e com resolução máxima menor que 1 micro-g. Este instrumento tem por finalidade medir as acelerações durante todo o vôo da plataforma de microgravidade. A UMA utiliza sensores de aceleração pendulares cujos sinais são tratados e digitalizados. Para atingir a resolução pretendida, serão construídos e implementados digitalmente no instrumento os modelos térmicos de seus componentes sensíveis. O instrumento deverá armazenar os dados de aceleração e temperatura de partes do sistema durante todo o vôo. Estes dados também serão enviados a estações de rastreamento a.

Equipe Executora:

  • Marcelo Carvalho Tosin (Coordenador)
  • Francisco Granziera Jr (Docente)
  • João Nonis Júnior (Aluno de IC)
  • Andre Luis Siqueira Marques de Souza (Aluno de IC)
  • Osmar Tormena Júnior (Aluno de IC)
  • Luis Guilherme Gimenez de Souza (Aluno de IC)

Desenvolvimento de um Determinador de Atitude

Descrição: A atitude de um objeto é a orientação que ele apresenta em relação a um eixo de coordenadas fixo que pode ser o centro da terra, uma estrela ou o canto de uma sala. Saber a atitude e o movimento de atitude de um corpo tem a sua importância justificada dependendo da aplicação para estas informações. Em navios, uma bússola digital pode indicar a direção que o navio está seguindo com relação ao norte magnético da terra. Para um satélite, a correta orientação das antenas e dos painéis solares com relação a uma dada posição na terra, ao sol, ou a uma estrela são imprescindíveis para sua correta operação. Sabendo a atitude de um satélite a cada instante é possível inferir sobre seu movimento de atitude e utilizar estas informações para corrigir sua orientação. A orientação ou atitude de um corpo pode ser expressa matematicamente através de uma matriz de rotação, ângulos de Euler ou quatérnions. Qualquer destas representações deve rodar um vetor no sistema de coordenadas de referência para o sistema de coordenadas fixo no corpo. Se colocarmos um objeto em uma posição inicial e rodarmos o mesmo aleatoriamente, a rotação que leva o objeto da posição inicial à posição final é definida como a atitude ou orientação do objeto. A orientação de um corpo não está relacionada à sua posição, devendo ser estudada e determinada de maneira independente. O presente projeto tem como objetivo principal o desenvolvimento de um determinador de atitude baseado em sensores MEMS. Este determinador utiliza o campo geomagnético e o campo gravitacional terrestre como referências para o cálculo da atitude. Este sistema também utiliza informações sobre a velocidade angular do objeto obtida por girômetros. Estes dados são combinados através de um filtro de Kalman que, através do modelo dinâmico dos girômetros, estima a atitude do sistema. Serão estudados e desenvolvidos modelos de erros dos sensores utilizados e processos de calibração e alinhamento do sistema. Serão pesquisadas novas formas e alg.

Equipe Executora:

  • Marcelo Carvalho Tosin (Coordenador)
  • Francisco Granziera Jr (Docente)
  • Luis Carlos Albuquerque Silva (Mestrando)
  • João Nonis Júnior (Aluno de IC)
  • Andre Luis Siqueira Marques de Souza (Aluno de IC)
  • Osmar Tormena Júnior (Aluno de IC)
  • Luis Guilherme Gimenez de Souza (Aluno de IC)
mar 25

Acaba de serem liberados recursos no valor de R$ 62.700,00 para o MEEL. Tais recursos foram obtidos através do CNPq, no último edital MCT/CNPQ/CTEnerg no. 28/2006, e visa o desenvolvimento de um produto tecnológico que auxiliará na manutenção de linhas de transmissão (LTs), reduzindo a incidência de rupturas em condutores. A principal causa de tais rupturas é a fadiga provocada por vibrações eólicas. Para atenuar o problema, tais vibrações devem ser levadas em consideração durante a fase de projeto das LTs (através do dimensionamento correto de um sistema de amortecimento). Além disso, uma vez que a LT tenha sido erguida, uma manutenção periódica deve ser realizada no sistema para evitar danos que possam causar a interrupção da energia elétrica. Normalmente, tanto na fase de projeto quanto durante a manutenção do sistema, dados de equipamentos especiais que monitoram as vibrações eólicas são utilizados. Contudo, além de serem importados, tais equipamentos possuem limitações como, por exemplo, pouca autonomia e descarga manual dos dados. Isso torna a coleta de dados de vibrações eólicas uma tarefa cara e bastante trabalhosa. Neste projeto, propõe-se o desenvolvimento de um sistema de monitoramento de vibrações eólicas em LTs. Tal sistema é composto por vibrógrafos que podem ser instalados em diferentes pontos do sistema de distribuição/transmissão. Todo o sistema será desenvolvido tendo como meta baixo custo, grande autonomia e automatização.

O projeto tem o apoio da ELETROSUL de Londrina, onde serão realizados os testes com os protótipos, e, uma vez concluído, dará origem ao primeiro vibrógrafo nacional para monitoramento de linhas de transmissão.

Equipe Executora:

  • Prof. Dr. José Alexandre de França (coordenador)
  • Profa. Msc. Maria Bernadete Morais França (docente)
  • Prof. Dr. Aziz Elias Demian Junior (docente)
  • Renato de Almeida Trevisolli (aluno de IC)
  • Tiago Polizer da Silva (aluno de IC)

« Tópicos Anteriores Próximos Tópicos »