Visite!
Londrina - 16-Dec-2019
Início arrow Projetos Docentes

Menu Geral
Início
Horário 2020/1
Processo Seletivo 2019/2
Chamada de Bolsas
Fale conosco
Coordenação do PPGL
Secretaria de Pós do CLCH
Descrição do PPGL
Corpo Docente
Disciplinas Eletivas
Linhas de Pesquisa
Projetos Docentes
Quem Somos
Rastros Históricos
Nova Grade / 2018
Revistas do PPGL
Terra Roxa e Outras Terras
Estação Literária
Normas do PPGL
Aproveitamento de créditos
Impressão Dissert./Teses
Normas do PROAP
Normas - Alunos Especiais
Prorrogações
Regimento interno
Regulamento Stricto Sensu
Requisitos até 2014/1
Requisitos após 2014/1
Estudantes
Alunos Especiais
Alunos Regulares
Dissertações e Teses
Egressos
Formulário de Relatório
SEDA
Bolsas e estágios
Bolsas de M/D
Chamada de Bolsas
Estágio de Docência
Estágio Doutoral no Exterior
Estágio Pós-doutoral
Linques
ABRALIC
Acervos Digitais
ANPOLL
Agências de Fomento
Plataforma Lattes
Visitas: 583363
Projetos Docentes Imprimir E-mail

Adilson dos Santos
Título: O fantástico na contística do século XX
Resumo: O projeto O fantástico na contística do século XX tem por objetivo analisar contos da literatura ocidental do século XX pertencentes à categoria do fantástico. Do conhecimento teórico acerca das especificidades próprias do gênero, partir-se-á para a análise de textos que, majoritariamente, integram diversas antologias de contos fantásticos. Além de possibilitar a diferenciação do fantástico de outras categorias igualmente pertencentes à esfera do insólito (maravilhoso, estranho, fantasy, gótico, realismo mágico, realismo maravilhoso, realismo animista, neofantástico, ficção científica) mediante conhecimento teórico, espera-se, por meio desta pesquisa, relativizar a afirmação de Tzvetan Todorov, presente em sua Introdução à literatura fantástica, de que o fantástico “teve uma vida relativamente breve” – cerca de um século –, aparecendo “de uma maneira sistemática por volta do fim do século XVIII”, com a obra O diabo apaixonado, de Jacques Cazzote, e encontrando, no século XIX, “nas novelas de Maupassant, os últimos exemplos estéticos satisfatórios do gênero” (2004, p. 174-175). 
Período: 13/09/2018 a 12/09/2021
Colaboradores: Pós-Graduação: 4; Docentes: 1.

 

Alamir Aquino Corrêa
Título: Experiência estética, materialidades e literatura digital
Resumo: O projeto de pesquisa “Experiência estética, materialidades e literatura digital” é decorrente do projeto em andamento, intitulado “Materialidades literárias digitais: problemáticas e fundamentos na criação poética”, que trata da tangibilidade material em obras literárias digitais enquanto processos de criação estética e circulação editorial. O novo projeto surge de uma problemática vislumbrada como de difícil solução: a maneira de balizar a experiência estética de objetos literários evanescentes ou de complexa portabilidade. Ambos estão vinculados à linha de pesquisa “Intermedialidade e novas formas artísticas” do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina, cuja ementa é a seguinte: “Estudo da Intermedialidade enquanto fenômeno de criação/produção de novas formas artísticas (nos campos: literatura, música, teatro, artes visuais, rádio, cinema, novas mídias) e críticas inovadoras, nas práticas culturais contemporâneas, observados aspectos da globalização enquanto transgressão dos loci de produção/produção e a Indústria Cultural”. Já foram percebidas algumas inquietações acerca do papel das materialidades na percepção do objeto literário digital, observados os processos construtivos da intermedialidade, da multimedialidade, da remediação e dos experimentalismos verbivocovisuais, geralmente problematizados no conjunto de textos teórico-explicativos que costumeiramente acompanham as produções literárias em meio digital. Partiu-se, no projeto em execução, da compreensão de fundamentos e da discussão das problemáticas inerentes à produção poemática digital, quando observadas as materialidades não-digitais e do livro enquanto meio (medium), bem como das mediações centradas na compreensão da voz e da escrita. Entretanto, no contexto de sala de aula, como projeção de um espaço receptivo das obras poéticas digitais, o principal obstáculo tem sido lidar com experiências estéticas cuja reprodutibilidade se faz desconexa em momentos de execução do objeto poético digital, quando justapostas aos instantes de discussão estética. Em outros termos, parece haver uma dificuldade explícita na replicação/explicação de texto poético digital. Parece apropriado buscar-se outro modo de circunscrição desse objeto por suas condições de existência: experiência e relato interpretativo, ambos processos individuais. Mesmo usando os pré-textos e os paratextos, por vezes existentes e a acompanhar os objetos poéticos digitais, é na sala de aula que surge outro viés interpretativo, aquilo que proponho, em termos hipotéticos, como memória estética; a saber, a experiência desses objetos carece de formas de segmentação e contextualização. A título de exemplo: um poema não-digital pode ser observado em suas diversas camadas (por exemplo: sonora, imagética, linguística) e relacionado a outros poemas, perto ou distantes em tempo e espaço. Uma obra poética digital depende de seu processo de execução, mesmo que hipertextual, a seguir uma linha temporal de experimentação estética. Há assim um “ver” que é aquilo que se obtém, em termos estéticos; outro leitor pode e, talvez, terá outro objeto visto, pelas diversas estruturas arquitetônicas disponíveis na construção desse objeto. Assim, há algo como efetivar a experiência estética de um texto literário digital como não ser possível ser além do que se obtém, efetivando o objeto como uma entidade finita por sua execução, enquanto experiência estética.
Período: 04-09-2018 a 03-09-2021
Colaboradores: Graduação: 1

 

Angela Lamas Rodrigues
Título: Sobre o antropomorfismo: políticas de representação animal nas literaturas inglesa e canadense dos séculos XX e XXI (1990-2018)
Resumo: Esta investigação insere-se nas premissas dos estudos críticos sobre os animais, vertente teórica contemporânea que subverte o especismo e o antropocentrismo humanista. A ideologia especista, entendida como sistema de crenças que determina a supremacia humana nas relações com outros animais, há muito permeia a literatura ocidental e merece atenção cuidadosa, sobretudo se considerarmos as consequências nefastas do especismo, como é o caso da produção em série de animais para consumo humano, do massacre dos elefantes africanos na corrida pelo marfim e do extermínio de espécies animais e ecossistemas – temas centrais em obras como The lives of animals, de John M. Coetzee, The white bone, de Barbara Gowdy, e Silent spring, de Rachel Carson. Levando em conta definições do animal e do humano propostas pela filosofia ocidental, o projeto pretende investigar a presença do antropomorfismo nas literaturas inglesa e canadense dos últimos 30 anos. O projeto abriga a hipótese de que, muito embora o antropomorfismo seja, não raro, inevitável, em determinados textos literários ele se apresenta tão somente como tentativa de tradução do que pensam e sentem as demais espécies animais, configurando uma política de representação que subverte e transgride a tradição literária especista do ocidente. 
Período: 07-01-2019 a 06-01-2022
Colaboradores: Pós-Graduação: 2.

 

Barbara Cristina Marques
Título: Das Passagens ou para uma Partilha do sensível: experiências entre literatura e cinema
Resumo: O projeto surge de uma série de inquietações referentes às relações entre literatura, cinema e outros audiovisuais que se mostram, cada vez mais, híbridas, na convergência e nos processos de apropriação e remediação de outras linguagens, mídias, suportes e materialidades. Essa é uma discussão que, desde a década de 1960, com o trabalho de McLuhan (1964), e com virada significativa a partir de 1980 (GUMBRECHT, KITTLER, FLUSSER), tem frequentado vigorosamente as reflexões teórico-críticas de inúmeros pesquisadores em domínio interdisciplinar. Noções como Intermedialidade e Materialidade, compreendidas nos estudos de “Teoria das mídias” em países de língua alemã, Remediação - Remediation (BOLTER: GRUSIN, 1999), Convergência (JENKINS, 2009), Hibridismo ou Hibridação, Midiatização/Mediação/Medialidade, têm aparecido com frequência nos estudos compreendidos em várias áreas das Humanidades e das Artes. No campo da Teoria da Literatura e da Literatura Comparada, essas reflexões, e muitas investigações nessa perspectiva, mostram-se muito apropriadas, ou pertinentes, para se pensar o texto literário na contemporaneidade a se fazer em camadas com outras linguagens e mídias diversas. Na interface com o cinema, é recorrente encontrarmos, na base de uma teoria a respeito da relação literatura-cinema/cinema-literatura, discussões voltadas à prática da adaptação. Do ponto de vista da intermedialidade, pensar essas relações de modo a buscar por similitudes ou por diferenças entre literatura e cinema torna, de saída, o próprio entrecruzamento frustrante na medida em que não se observam outras situações nas quais literatura, cinema e outros media figuram em processos intermediais. Nessa direção, este projeto de pesquisa propõe um estudo dos diálogos possíveis entre literatura e cinema de forma a tratar desses objetos critica e teoricamente em perspectiva transversal, isto é, na dobra entre os Estudos Literários e a Comunicação.
Período: 07-03-2016 a 06-03-2019
Colaboradores: Graduação: 3; Pós-Graduação: 4.

 

Claudia Camardella Rio Doce
Título: Walter Benjamin, a imagem e o Surrealismo
Resumo: Uma das principais questões presentes no primeiro manifesto do Surrealismo é a da composição da imagem. André Breton, partindo de uma formulação de Pierre Reverdy que dizia que da aproximação de duas realidades afastadas nasceria uma imagem forte, uma nova realidade poética, especula sobre os diferentes tipos de imagens surrealistas e formula a conhecida ideia de que essas imagens desconcertam nossas mentes, e que "desconcertar a mente é o mesmo que torná-la consciente de seu erro". Tais formulações encontram certa ressonância nas propostas de Walter Benjamin de procurar a transitoriedade moderna e seu estado primitivo em imagens (ou sobreposições de imagens) que revelam o hiato entre o signo e o referente. Em outras palavras, ao invés de fundir signo e referente em uma totalidade ilusória, o que se deveria buscar, em seu entender, ao contrário, seria colocar essa totalidade em questão. Assim, se alcançaria a desmitificação dos objetos e, portanto, a sua apreensão crítica. Para Benjamin, a transitoriedade da verdade se expressaria nessas imagens, compostas dos extremos contraditórios, e que poderiam conter um potencial criativo. Ora, a aproximação que fazemos de Benjamin e os surrealistas não é gratuita. Walter Benjamin declarou que a concepção para seu inacabado Livro das Passagens foi inspirada em um livro de Aragon. O mais interessante, no entanto, é observar que Benjamin procura, no seu Passagen-Werk, desenvolver as mesmas qualidade que enxergava no Surrealismo. A presente proposta de trabalho, então, é o estudo do conceito de imagem na obra de Walter Benjamin e o diálogo que estabelece com o Surrealismo.
Período: 05-05-2016 a 04-05-2019
Colaboradores: Graduação: 2; Pós-Graduação: 4.

 

Frederico Augusto Garcia Fernandes
Título: Festivais literários e estratégias de inserção social do texto poético
Resumo: Este projeto objetiva analisar estratégias de inserção da poesia no espaço público. Para tanto, ele tem como foco o Londrix: Festival Literário de Londrina e a Fliporto - Festa Literária Internacional de Pernambuco. Baseada na teoria do polissistema, do crítico israelense Itama Even-Zohar, a metodologia consiste em identificar diferentes sistemas culturais que atuam junto à produção literária. As principais contribuições são: compreender os mecanismos de produção e circulação da poesia brasileira contemporânea em ambientes de festivais poéticos e literários; produzir registros de performances poéticas, de modo a alimentar o portal de poéticas orais. A principal contribuição da proposta é a compreensão da produção poética brasileira contemporânea por meio da abordagem de dois importantes festivais poéticos: o Londrix e a Fliporto. Os dados levantados com os festivais brasileiros serão, num segundo momento, confrontados com os de dois festivais italianos, Polipoesia e o Stagione Topolò. A proposta possui uma interatividade com a comunidade acadêmica por meio do envolvimento do portal de poéticas orais nas divulgações de fontes impressas e audiovisuais. Além disso, a proposta provoca o diálogo entre pesquisadores de IES situadas na Região Sul, Nordeste e Centrooeste, sobre os festivais em Recife e Londrina. As análises produzidas por estes pesquisadores ajudarão a pensar os mecanismos de produção e circulação da poesia contemporânea em eixos culturais menos evidenciados na historiografia literária brasileira.
Período: 07-03-2017 a 06-03-2020
Colaboradores: Graduação: 3; Pós-Graduação: 4; Docente: 2; Especial: 1.

 

Laura Taddei Brandini
Título: Roland Barthes e o estrangeiro: Japão, China e Marrocos
Resumo: O escritor francês Roland Barthes lutou durante toda a sua trajetória intelectual contra as formas cristalizadas de pensamento, contra toda ideologia capaz de imobilizar os indivíduos em uma posição, que esta seja à direita ou à esquerda. Sua obra, de que emanam reflexões sutilmente libertárias, tanto na forma, quanto no conteúdo, foi apropriada por intelectuais de outros países e Barthes, por seus escritos, tornou-se um estrangeiro presente e influente para além das fronteiras francesas. Contudo, a leitura de seus textos mostra que a figura do estrangeiro integra, também, seu processo de criação literária, de duas maneiras: por um lado, nos textos consagrados ao Japão (O império dos signos), à China (“E então, a China ?” e Cadernos da viagem à China) e ao Marrocos (Incidentes), onde o escritor emprega a linguagem como ferramenta de exploração do território ao mesmo tempo físico e linguístico. Por outro lado, em alguns escritos, Barthes procura se distanciar de si mesmo, através da criação de um texto autobiográfico supostamente escrito por “um personagem de romance” (BARTHES, Roland Barthes por Roland Barthes, 2003, p. 11), por exemplo, onde ele se torna um “estrangeiro para si mesmo”, para aludirmos ao título do livro de Julia Kristeva, Estrangeiros para nós mesmos (1989). Essas duas formas do estrangeiro se concatenam na escritura barthesiana, alimentando-a, pela busca da renovação que o estrangeiro, o outro, o diferente, compreendem. O estrangeiro, em suma, oferece a Barthes o frescor dos lugares inesperados e lhe permite se libertar dos preconceitos ideológicos.
Período: 01-08-2017 a 31-08-2020
Colaboradores: Graduação: 6; Pós-Graduação: 5.

 

Luciana Brito
Título: Estudos do romance
Resumo: O projeto em questão está ligado ao Grupo de Pesquisa “Leituras literárias: teoria crítica, análise e ensino - UENP”, em especial à linha de pesquisa “Estudos do Romance”, e à disciplina “Experimentação no Romance”, pertencente ao Programa de Pós-Graduação em Letras - UEL. Reúne professores pesquisadores e estudantes de Iniciação Científica, Mestrado e Doutorado que se ocupam de pesquisas voltadas para o estudo da formação e desenvolvimento do gênero romance, com ênfase na análise teórico-crítica de sua construção e desenvolvimento ao longo dos tempos. O Projeto estuda o romance a partir de uma perspectiva analítica e sócio-histórica, à luz de diversas correntes teóricas, além de refletir sobre a relação do romance com a teoria dos gêneros, destacando sua heterogeneidade estética, ruptura e experimentação.
Período: 01-03-2014 a 01-03-2017
Colaboradores: Graduação: 3; Pós-Graduação: 8; Participante externo: 2.

 

Luiz Carlos Migliozzi Ferreira de Mello
Título: O processo da transmutação dos efeitos de sentidos: ruptura e continuidade
Resumo: Este projeto tem como base teórica a semiótica discursiva. Seu objeto de estudo é a significação, ou seja, os efeitos de sentido criados pelos textos. Sua finalidade é explicar como os textos são construídos de modo a criar seus efeitos de sentidos. A semiótica concebe a linguagem como “sistema de significações” ou como “sistema de relações”, pois, como explica Barros (1988, p. 13), “a significação decorre da relação”. Nesse sentido, a semiótica parte do pressuposto de que, se há significações, elas podem ser explicadas por meio da linguagem. Este é o grande desafio da semiótica. O objetivo deste projeto de pesquisa é analisar passagens bíblicas, cujo conteúdo tenha sido transferido para outro sistema simbólico ou para outros gêneros discursivos. Em outras palavras, a finalidade desta pesquisa é discutir como um "corpo de ideias" presente na linguagem verbal da bíblia é transportado para a pintura, ou para outros sistemas de linguagem, como o teatro, a escultura ou o cinema ou, ainda, para outro gênero discursivo, ainda que verbal. A proposta é verificar como as significações de uma realidade simbólica são alteradas ou mantidas, em sua essência, quando ocorre esse jogo trans-semiótico. Nesse sentido, o período barroco será bastante fecundo para essa pesquisa, porque, como se sabe, muitos artistas desse período "pintaram" cenas bíblicas. É o caso de Rembrandt, que pinta "A volta do filho pródigo" e "O sacrifício de Isaac". A título de ilustração, ao relatar a parábola do filho pródigo, a bíblia (Lucas, capítulo 15) relata que o filho mais novo come o resto das comidas dos porcos. Dado o contexto sócio-histórico e o fato de se tratar de uma família judia, ficam caracterizados nesse momento vários "efeitos de sentido", tais como a perda da identidade, da dignidade, o processo de profanação do "eu" etc. Na pintura de Rembrandt, certamente não aparece a personagem comendo com os porcos, mas a imagem mostra o filho mais novo sem barba e com os cabelos tosquiados. Dentro de um contexto judaico tradicional, que é o caso, um judeu de prestígio deveria usar barba e ter cabelos longos. Dessa forma, o artista conseguiu transmutar as significações do texto bíblico, mantendo a mesma isotopia temática do texto base. Ainda sobre esse mesma pintura, muitas são as significações que são transmutadas do texto bíblico para o imagético. Isso ocorre também com a "soberba", com o "egoísmo", com a "indiferença" do filho mais velho, com a "compaixão" do pai, com a "vergonha", com a "humilhação" e com o "arrependimento" do filho mais novo. Como se dá a perceber, esses textos (verbal e visual) são extremamente ricos para se discutir as paixões, ou melhor, os "estados de alma" dos sujeitos em uma perspectiva semiótica. Mais do que isso, eles são muito interessantes para se investigar o processo de transmutação dessas paixões de um sistema simbólico para o outro. Eis aí apenas alguns detalhes desse processo trans-semiótico, mas o suficiente para caracterizar que essa pintura de Rembrandt constitui-se em uma paráfrase visual do texto bíblico, já que ela mostra a continuidade de sentidos do texto base: não há ruptura temáticas, mas sim a continuidade dos sentidos. Em outros casos distintos, pode ocorre a ruptura dos sentidos do texto base. Nesse caso, fala-se, então, em uma paródia visual do texto bíblico. Ainda sobre Rembrandt, em "O sacrifício de Isaac", também existe a paráfrase visual. Porém, nesse caso, o cerne da transmutação da significação está na constituição da paixão "fé" na perspectiva judaico-cristã. Muitas pinturas de Caravaggio também constituirão o corpus deste projeto de pesquisa, como é o caso de "A conversão de São Paulo", a "Captura de Cristo", o "Chamado de Mateus", dentre outras. São pinturas que dialogam diretamente com passagens bíblicas e que, portanto, fornecem importantes pistas para a discussão teórica que se coloca em pauta.
Período: 06-06-2017 a 05-06-2020
Colaboradores:

 

Luiz Carlos Santos Simon
Título: Masculinidades marginais e violentas nos contos urbanos brasileiros contemporâneos
Resumo: Os estudos e movimentos feministas não só focalizam a condição do ser mulher e reivindicam direitos equalitários, mas também colocam os homens em posição de questionamento sobre sua masculinidade e sobre seu fazer masculino. Para além da crise da masculinidade, outros fatores influenciam os homens, como, por exemplo, a hierarquia que posiciona indivíduos nas masculinidades hegemônicas e subalternas. A subalternidade masculina tem pontos de intersecção com as subalternidades sociais que, juntas, podem ser uma das inúmeras forças motrizes da violência, seja ela contra a mulher ou contra outros homens. Esse trabalho intenta analisar justamente esta perspectiva de masculinidade marginal e violenta nos contos urbanos contemporâneos e como os personagens se constróem sob esse espectro com a intenção de contribuir para os estudos de gênero, de violência e da literatura.
Período: 08-03-2018 a 07-03-2020
Colaboradores: Graduação: 8; Pós-Graduação: 1.

 

Maria Carolina de Godoy
Título: Literatura afro-brasileira: representações identitárias e circulação em redes
Resumo: O projeto proposto pretende dar continuidade às discussões iniciadas em 2012 quanto à produção literária de autoras e autores da literatura afro-brasileira, cujo conceito é desenvolvido pelo Prof. Dr. Eduardo de Assis Duarte (2011). Procura atender à lei 10.639/2003, modificada pela lei 11.645/08, que determina a inclusão de História e Cultura afro-brasileira e indígena no currículo oficial da rede de ensino, bem como a resolução nº 1, de 17 de junho de 2004 do Conselho Nacional de Educação que institui diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de História e Cultura afro-brasileira e africana para as instituições de ensino superior, ratificada pela deliberação cee/pr nº 04/10. Destacam-se, nesta etapa, os estudos das representações identitárias e a ampliação do conceito de redes com base na análise das produções de autoras e autores afro-brasileiros. A partir da pesquisa pretende-se: a) estudar as representações identitárias na produção afro-brasileira; b) compreender e ampliar o conceito de redes no âmbito dos estudos da literatura afro-brasileira; c) refletir sobre a importância da internet para a divulgação de obras, autoras e autores afro-brasileiros; d) estabelecer contatos com pesquisadores, autoras e autores. A investigação a ser desenvolvida a respeito das representações identitárias na literatura afro-brasileira e sua circulação em redes vincula-se, de um lado, à linha de pesquisa Construções identitárias da Universidade Estadual de Londrina do Programa de Pós-Graduação em Letras Stricto Sensu que se estende à Graduação e à Especialização e, de outro, à linha de pesquisa intitulada Novas tecnologias do Programa Avançado de Cultura contemporânea (pacc/ufrj) e sintetiza inquietudes de pesquisadora e experiência de ensino. Resultados pretendidos: a) ampliar as discussões sobre representação identitária e conceito de redes no âmbito dos estudos literários afro-brasileiros; b) levar discentes de Graduação, Pós-Graduação e educadores a manterem contato com obras de autoria negra e colocá-las em debate; c) apresentar os resultados das pesquisas e propostas de trabalhos aos professores da rede pública de ensino; d) disponibilizar os resultados no site do grupo de pesquisa.
Período: 05-12-2017 a 04-12-2020
Colaboradores: Graduação: 29; Pós-Graduação: 6; Docentes: 1; Especiais: 5.

 

Marta Dantas da Silva
Título: A linguagem errante em busca da revelação: metaficção em Franz Kafka, André Breton, Rosário Fusco e Murilo Rubião
Resumo: A metaficção textualmente autoconsciente é paradigmática da maioria das formas culturais na contemporaneidade. Todavia, a ela não é um fenômeno novo, faz parte da tradição do romance, a diferença está no grau de autoconsciência sobre o fazer literário; no dizer de Linda Hutcheon (1984), se trata de textos “narcisisticamente” autorreflexivos. Seguindo a perspectiva de Roland Barhes, Hutcheon (1984) considera um dos pontos altos do desenvolvimento da metaficção a recusa do “significado unívoco” pelos surrealistas. A intenção é investigar como se constitui a autorreflexão em textos de autores aparentemente distantes e estabelecer relações entre elas e suas diferentes modalidades, a saber: Nadja (2007) de André Breton, O livro de João (1944) de Rosário Fusco e alguns contos de Franz Kafka e de Murilo Rubião. Nestes textos, a autorreflexão traz à tona questões acerca da linguagem: como insuflá-la de vida? Como libertá-la dos procedimentos de controle dos discursos? Como ultrapassar sua alienação e restituir seu poder de criação? Como efetuar a passagem da linguagem como meio de comunicação para a expressão do que é singular? Como a linguagem pode redesenhar o real? De qual revelação ela é portadora? A problematização destas questões e como elas se aproximam das teorias místicas da linguagem também serão investigadas.
Período: 08-10-2018 a 07-10-2021
Colaboradores: Pós-Graduação: 2.

 

Miguel Heitor Braga Vieira
Título: Literatura portátil: estudos de formas breves
Resumo: Esta pesquisa situa-se no âmbito da literatura brasileira, mais especificamente a partir da segunda metade do século XX, quando formas literárias breves se tornam cada vez mais frequentes. Propõe-se o estudo da poesia e da prosa nesse formato, a saber, o epigrama, o haicai, o soneto fraturado, o miniconto e, eventualmente, suas intersecções (o poema em prosa, por exemplo). Os escritores e obras selecionados são: José Paulo Paes, Paulo Leminski e Paulo Henriques Britto (na poesia); Dalton Trevisan, Marina Colasanti e Os cem menores contos brasileiros do século, organizado por Marcelino Freire (na prosa). Para o desenvolvimento de reflexões e análises, utilizaremos estudos de David Roas (2010), Fernando Paixão (2014), Karl Erik Schøllhammer (2009), Lauro Zavala (2004), Paulo Franchetti (1990), entre outros.
Período: 05-05-2016 a 04-05-2019
Colaboradores: Graduação: 5; Pós-Graduação: 3.

 

Regina Célia dos Santos Alves
Título: Literatura brasileira e paisagem: produções ficcionais das décadas de 1940 a 1950
Resumo: O estudo proposto busca, a partir do conceito de paisagem atualmente formulado, sobretudo, no campo da geografia cultural e da filosofia fenomenológica, abordar as relações entre literatura e paisagem, especialmente em um conjunto de obras ficcionais brasileiras produzidas em meados do século XX, entre as décadas de 1940 e 1950, período sobremaneira produtivo da literatura nacional e que, no tocante à paisagem, oferece um quadro rico e diversificado de imagens a apontar para possibilidades plurais de relação do sujeito com seu entorno. No centro do olhar, movimentos de configuração, desfiguração e refiguração da paisagem são uma constante, apontando para as diferentes formas do sujeito compreender o mundo de um determinado ponto de vista, a envolver questões de ordem individual, coletiva, histórica e cultural responsáveis pela identidade sempre relacional, dialética e dinâmica do fenômeno paisagem. No estudo das narrativas do período selecionado, a hipótese de que as paisagens conformadas apontam para a capacidade da literatura de por em cena a complexidade da relação do ser com o todo a seu redor e de revelar um conhecimento holístico da experiência com o espaço.
Período: 05-12-2017 a 04-12-2020.
Colaboradores: Graduação: 21; Pós-Graduação: 1.

 

Silvio Cesar do Santos Alves
Título: O ceticismo na ficção queirosiana
Resumo: Este projeto pretende investigar a presença e a importância do ceticismo na obra de Eça de Queirós. O foco será a sua ficção semi-póstuma e póstuma, havendo, porém, o entendimento de que será necessário revisitar toda a produção ficcional queirosiana, além de seus textos de imprensa e correspondências. Objetiva-se, assim, contribuir para a resolução de dois importantes problemas da fortuna crítica queirosiana: a desvalorização do ceticismo na obra de Eça (GARMES, 2003) e a tese do regresso (GROSSEGESSE, 2006-7). A hipótese que guia este Projeto de Pesquisa é a de que, do início ao fim de sua produção ficcional, Eça manteve um ceticismo metódico que teria repercussão no conteúdo e na forma de suas obras, antecipando, assim, características da centúria da incerteza? (KRAUSE, 2004).
Período: 08-11-2017 a 07-11-2020
Colaboradores: Graduação: 8; Especial: 1. 

 

Sonia Pascolati
Título: Dramaturgia e teatro contemporâneos e suas experimentações
Resumo: O projeto propõe o estudo de textos dramáticos nacionais e estrangeiros produzidos desde as últimas décadas do século XX até o início do século XXI com o objetivo de identificar aspectos recorrentes, dentre os quais figuram a intertextualidade; o metateatro; a intermidialidade; a criação coletiva e biográfica; a performatividade; a desconstrução de elementos formais (diálogo, fábula, conflito, personagem); a fragmentação; o hibridismo de gêneros e formas; abordagem política em temas e formas, dentre outros aspectos a serem levantados pela pesquisa.
Período: 14-11-2018 a 13-11-2021
Colaboradores: Graduação: 24; Pós-Graduação: 2.

 

Suely Leite
Título: A representação da mulher na contística de autoria feminina
Resumo: Esse projeto tem como objeto de estudo contos de autoria feminina brasileira na primeira metade do século XX. A partir das teorias que permeiam os estudos de gênero e a crítica feminista, far-se-ão as análises de contos de diversas autoras brasileiras da primeira metade do século XX. Nosso objetivo é verificar se as representações das mulheres presentes nessas narrativas ecoam ou subvertem o discurso social sobre seus papéis naquele momento de produção, para então mapear o modo pelo qual as mulheres foram representadas por suas iguais. Pretendemos responder às seguintes questões: que personagens femininas ocupam o protagonismo nesses textos, por quais espaços circulam, quais são os seus papéis sociais, qual o espaço pelo qual circulam na sociedade e ainda que discurso elas proferem sobre si e o Outro. 
Período: 05-05-2016 a 04-05-2019
Colaboradores: Graduação: 4; Pós-Graduação: 1; Participante externo: 1.

 

Telma Maciel da Silva
Título: Diálogos literários: do intertexto à correspondência
Resumo: A proposta desse projeto é dar continuidade às reflexões sobre a noção do diálogo na literatura, iniciada no projeto “Relações intertextuais na literatura contemporânea de língua portuguesa”. Esta pesquisa se volta agora tanto para os textos literários stricto sensu, quanto para aqueles que dialogam com seu processo de produção. Nesse sentido, retomamos os conceitos de polifonia, de dialogismo e de intertexto como base teórica para os estudos das relações estabelecidas entre textos literários (que se interpenetram e dão sentidos uns aos outros, constituindo aquilo que chamamos de cânone), mas também buscamos discutir uma noção mais abrangente de diálogo na literatura, tendo como objeto a carta de escritor, considerada aqui como um importante elemento (para)textual. 
Período: 04-07-2017 a 03-07-2020
Colaboradores: Graduação: 7; Pós-Graduação: 2; Docente: 1.

 

 

Top!