IV Simpósio Lutas Sociais na América Latina
"Imperialismo, nacionalismo e militarismo no século XXI"

 

De 14 a 17 de setembro de 2010

 

Não é muito difícil de constatar que, no subcontinente latino-americano, o século XX foi marcado pela instabilidade dos regimes políticos. Quando nos debruçamos sobre o século XXI – com os casos venezuelano, peruano e hondurenho –, reaparece no imaginário político o fantasma dos golpes de Estado, o que nos estimula a debater quais as chances de as democracias em países de capitalismo dependente se consolidarem. Para isso, propomos questionar a complexa relação entre imperialismo, nacionalismo e militarismo, eixo principal do IV Simpósio Lutas Sociais na América Latina, que ocorrerá entre os dias 14 e 17 de setembro de 2010.

No III Simpósio, ocorrido em setembro de 2008, chamávamos a atenção para as possibilidades de constituição de um “novo” proletariado no subcontinente latino-americano, principalmente em virtude do processo de transformação da acumulação do capital que passa a se desenhar mais fortemente nos anos 1970, quando se observa a queda acentuada nas taxas de lucro. Do ponto de vista político, a América Latina vivencia este processo sob ditaduras militares em praticamente toda a região. Os golpes militares, em sua maioria apoiados direta ou indiretamente pelos Estados Unidos, desempenharam papel importante na redefinição das classes e frações hegemônicas e tentaram reverter à força a crise mundial do capitalismo naquele momento. Com as transições (ou transações?) para as democracias entre os anos 1980 e início dos 1990, a fração financeira do capital se torna hegemônica e a região passa a viver sob certa estabilidade política, levando alguns intelectuais a defenderem a tese que, finalmente, caminhávamos para a consolidação do regime democrático. Outros pensadores passaram a acreditar que, com o fim dos movimentos guerrilheiros dos anos 1970, com a queda do Muro de Berlim e com o fim do chamado “socialismo real”, as “utopias se desarmaram”. Mas se girassem suas lentes para um quarteirão acima de seus palácios, perceberiam o vigor e a atualidade da “utopia armada” do Exército Zapatista de Libertação Nacional, cuja principal reivindicação, a 1º. de janeiro de 1994, era a anulação do NAFTA (Tratado Norte-Americano de Livre Comércio). Pouco tempo depois, nos anos 1990 e 2000, as democracias latino-americanas foram (e são) mais explicitamente colocadas à prova. Se as teses da consolidação estavam corretas, como explicar os golpes (Venezuela, 2002; Honduras, 2009) e autogolpes (Peru, 1992)? E admitindo-se que as democracias nos países dependentes gozam de estabilidade política, qual é o seu preço? Que tipos de democracias foram instauradas na América Latina? Que implicações têm para os regimes democráticos a manutenção de políticas de Estado voltadas para a concentração e centralização do capital sob governos eleitos pelo voto e, ao mesmo tempo, a ampliação das desigualdades sociais? Quais os limites da democracia em países dependentes quando a hegemonia política é do capital financeiro de base imperialista e militarista? São estas e outras questões que nos motivam a realizar o IV Simpósio Lutas Sociais na América Latina, cujo foco principal é a complexa relação entre imperialismo, nacionalismos e militarismos nesta parte do continente latino-americano.

O GEPAL, desde o seu surgimento em 2004, realizou três simpósios que ultrapassaram de longe o âmbito regional, algo não previsto inicialmente. O que nos leva a insistir nesta atividade e a apostar em sua ampliação com vistas a consolidar o evento como um espaço alternativo para aglutinar parte do pensamento crítico latino-americano.

No III Simpósio participaram aproximadamente 250 pesquisadores, oriundos de diversas regiões do Brasil (BA, PE, MS, MT, SP, PR, SC, RS, MG, GO, MA, DF, RJ), além de países latino-americanos (Argentina, Uruguai, Chile, Cuba, Colômbia) e europeu (Portugal). Neste Simpósio, gostaríamos de contar com a participação de diversos grupos de pesquisa, com os quais já mantemos relações acadêmico-políticas.

____________________________________________________________________________________________

Em breve, informações sobre hospedagem, alimentação e atividades culturais do evento

GRUPOS DE TRABALHO (GTS) – 15, 16 e 17/09

1. Lutas camponesas e indígenas na América Latina
2. Estado, ideologias e meios de comunicação
3. Classes sociais e transformações no mundo do trabalho
4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina
5. Lutas sociais urbanas
6. Socialismo no século XXI e problemas da transição
7. Feminismo e marxismo na América Latina
8. Marx e marxismos latino-americanos

Normas para apresentação de trabalho

 

 
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
 
Normas para apresentação de trabalho
       
       
       
       
       
       
       
       
Simpósios - Quem Somos - L & R - Agenda - Contato - Links
       
       
 
"O Gepal repudia a criminalização dos movimentos sociais!"
 
 

Informações pelo e-mail: gepal@uel.br
Universidade Estadual de Londrina (UEL)
Rodovia Celso Garcia Cid PR 445 Km 380 Londrina – Paraná

 
 

 

 

 

Designer Responsável: Janaina de Oliveira Castro