Agência UEL de Notícias
    Londrina, Sábado, 04 de Julho de 2020 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
18/03/2020  

Geriatra alerta para complicações do coronavírus em idosos e doentes crônicos

Agência UEL/Pedro Livoratti

Idosos são os mais vulneráveis à doença

Evitar o contato dos idosos com grande número de pessoas é a melhor alternativa para proteger este grupo do novo coronavírus, nesse momento em que as autoridades de saúde esperam grande explosão de casos no Brasil. O alerta é do médico geriatra, Marcos Cabrera, professor do Departamento de Clínica Médica do Centro de Ciências da Saúde (CCS) da UEL. Ele explica que idosos e pessoas com doenças crônicas são mais vulneráveis à doença, que pode evoluir para um quadro sistemático no pulmão, reduzindo a oxigenação do paciente.
Nessas condições o paciente só será mantido vivo por ventilação mecânica, por meio de aparelhos em UTI. A experiência dos países acometidos pelo chamado Covid 19 demonstrou que pacientes idosos internados demandam tratamento de até 20 dias, com grande repercussão nos serviços de saúde. "Essa é a grande questão. Ninguém tem imunidade contra o coronavírus. Estamos todos suscetíveis", acentua o geriatra. Embora os idosos estejam entre os mais vulneráveis, Marcos Cabrera afirma que o isolamento social serve para todo mundo. Segundo ele, o idoso atende bem à recomendação, enquanto os mais jovens são mais resistentes.
"Estamos preconizando isolamento social para evitar o crescimento da epidemia, para conter a doença nesse momento. Estamos falando de situação emergencial com prognóstico de início e fim", afirmou ele. A seguir a entrevista com o geriatra Marcos Cabrera.
Agência UEL - Por que o coronavírus tem taxa de mortalidade maior no idoso (se fala em até 15%), contra até 3% na pessoa jovem?
Marcos Cabrera - Qualquer complicação de saúde tem taxa de mortalidade maior nos idosos. Depressão, infarto, neoplasia, que é o câncer. O idoso é mais vulnerável porque apresenta menor condição de saúde. Por exemplo, a função renal dele é em torno de 40%. De modo geral, o idoso dá conta de ter uma vida normal. Trabalhar, ir a um baile se divertir, dançar. Mas ele não dá conta na hora receber um soro em uma UTI, receber medicamentos em grande quantidade. O que acontece é que o idoso tem uma condição funcional limítrofe, então tudo que ele tiver de dar a mais ele não consegue.
Agência UEL - Esta condição de vulnerabilidade é exclusiva ao idoso?
Marcos Cabrera - A gente inclui neste grupo os indivíduos com doenças crônicas. Há pessoas não idosas, a partir dos 50, 55 anos, mas é fumante e têm, por exemplo, doença pulmonar. Pessoas nesta faixa etária, que estão passando por tratamento de quimioterapia e estão com imunidade mais baixa. Indivíduos com função renal diminuída. Por outro lado, existe o idoso de 70 anos e que tem condição de saúde excepcional.
Agência UEL - Idoso é a partir de que idade?
Marcos Cabrera - Em países em desenvolvimento, incluindo o Brasil, é em torno de 60 anos. Para as nações desenvolvidas, o limite aumenta a partir dos 65 anos.
Geriatra Marcos Cabrera, do CCS, reforça que idosos devem ficar em casa

Agência UEL - Por que uma simples gripe é tão letal para o idoso?
Marcos Cabrera - Estamos falando de um quadro de síndrome gripal de vias respiratórias, que pode atingir nariz, garganta e ouvido. Como é via respiratória pode chega a órgãos como por exemplo a traqueia e o pulmão. Por isso que a imprensa está falando tanto que o diferencial é a falta de ar, quando atinge o pulmão, que é o momento em que as pessoas acometidas devem procurar os serviços de saúde. Isso ocorre também com a gripe Influenza, que estamos mais acostumados. Ela atinge o pulmão, provoca um quadro de pneumonia viral. O mesmo acontece com o coronavírus, um quadro sistemático no pulmão que faz com que a oxigenação diminua. Nesse caso, o paciente só será mantido vivo por ventilação mecânica, com aparelhos em UTI. A experiência dos países acometidos pelo Covid 19 demonstrou que nesses casos o tratamento demanda até 20 dias. Veja que estamos falando de um problema que repercute nos serviços de saúde. Essa é a grande questão. Ninguém tem imunidade contra o coronavírus. Estamos todos suscetíveis.
Agência UEL - Então a recomendação é manter o idoso em casa. Em qual situação se deve levá-lo ao serviço de saúde?
Marcos Cabrera - O isolamento social serve para todo mundo, criança, jovem adulto e o idoso. Ninguém deve se aglomerar no shopping ou na rua. O idoso atende bem a esta recomendação, mas os mais jovens não. O serviço médico deve ser procurado quando há um quadro gripal. Se há um quadro de tosse, dor de garganta e febre não persistente, sem falta de ar, devemos continuar em casa, tratando como uma gripe. Pode ser até coronavírus, isto faz pouca diferença. Agora, se a pessoa, o idoso, apresenta falta de ar, dificuldade para se alimentar, que é muito comum na terceira idade, onde a pessoa fica "amoada", e se isola. Nesse caso a recomendação é procurar o serviço de saúde. Talvez essa pessoa necessite de exames, medicamento intravenoso e muitas vezes oxigenação. Se não for suficiente com máscara, por meio de ventilação mecânica.
Agência UEL - O caso de isolar o idoso não vai afetar o seu psicológico? Como equilibrar isso?
Marcos Cabrera - Nós estamos preconizando isolamento social para evitar o crescimento da epidemia. Esse comportamento é extremamente importante para conter a doença nesse momento. O idoso isolado fica muito mais doente. Mas estamos falando de situação emergencial, com prognóstico de início e fim. Precisamos de remédio amargo, que é o isolamento, e realmente isso não faz bem. Pode provocar depressão, gerar sentimentos negativos, mas neste momento não há outra alternativa. Menos mal que a tecnologia proporciona alternativas para contatar o idoso com a família via celular, computador. É possível um mínimo de interação social sem contato físico direto. As famílias vão ter de ter sensibilidade para encontrar o melhor caminho para manter esse vínculo sócio afetivo, sem contato físico.
Agência UEL - É possível para atenuar este contato físico e a contaminação?
Marcos Cabrera - Se ocorrer um contato físico, temos de entender que o grande veículo é a mão. O vírus vai permanecer na boca, na orofaringe e vai sair por gotículas. Se eu mantiver uma distância mínima, dificilmente vai acontecer a contaminação. Lavar as mãos, evitar colocá-las na boca já vai ajudar bastante.
Agência UEL - Qual é a recomendação para as pessoas que vão lidar com esse idoso? Cuidadores e familiares...
Marcos Cabrera - Primeiro, lavar a mão sempre. Ficar atento com as visitas e até os entregadores. O vírus pode permanecer vivo por dias. É preciso ter preocupação de fazer a assepsia, a limpeza nos móveis, objetos. E tem ainda o idoso que está em uma instituição de longa permanência. Nesse caso, o vírus não está lá, mas pode chegar por meio dos funcionários, visitantes. Nesse momento é hora de diminuir as visitas, o ideal, inclusive é não visitar. Melhor enviar um recado, uma carta.
Agência UEL - Existe um pânico na sociedade. Quando vai terminar esta crise de suspensão de aulas, de recomendação para se evitar reuniões e aglomerações de pessoas?
Marcos Cabrera - O pânico não é desproporcional à gravidade do problema se formos analisar o problema e a extensão da doença na China, Irã e Itália. Agora está chegando à Espanha e à França. Nem todos os países sofreram da mesma maneira. Nós temos uma chance porque o Brasil, com todos os problemas, começou a se organizar previamente. Observe que até os Estados Unidos foram pegos de surpresa. Há um outro fator que é o clima, que não favorece infecções virais. Se a gente conseguir vencer esta onda de contaminação até a chegada do inverno, nós teremos uma grande vantagem frente a outros países o que não quer dizer que vamos ficar livres do coronavírus. Certamente teremos um pico de constatação de casos dentro de 40 dias. Precisamos ter foco para não desorganizar o sistema de saúde. É muito importante lembrar que 40% dos profissionais de saúde que vão trabalhar diretamente com os pacientes vão se infectar. Na prática vamos perder este percentual da força de trabalho - enfermeiros, médicos, fisioterapeutas, atendentes - por conta desta infecção com repercussão no sistema e que vai respingar em toda a sociedade.

 




rodapé da notícia

  15h15 Gráfica atende setores da saúde com produção e impressão de material gráfico
  14h49 Equipe do Sistema de Bibliotecas começa empréstimo de livros via agendamento
  13h53 03/07/20 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  10h56 UEL divulga convocação extraordinária do Vestibular e nova seleção para vagas remanescentes
  09h36 Seti prorroga inscrições do 33º Prêmio de Ciência e Tecnologia
  09h23 Professor e estudante da UEL têm acesso a pacotes Google e Microsoft
  16h42 Chamada da Rede Unesco apoia ações para erradicação do racismo no ensino superior
  13h51 02/07/20 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  16h08 Abertas as inscrições para curso online de direito eleitoral
  10h13 Programa de pós-graduação tem roda de conversa sobre invisibilidade lésbica
  09h44 Simpósio debate os temas gênero, sexualidade e educação
  17h10 Fundação Araucária promove live sobre o Programa Centelha
  13h40 01/07/20 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  16h02 UEL mantém suspensão de atividades presenciais até o próximo dia 2 de agosto
  16h26 Abertos trabalhos do Programa de Residência Técnica em gestão pública
  16h25 Artigo científico destaca importância da higiene bucal em pacientes de UTI
  10h37 UEL lança portal em inglês para estudantes e professores estrangeiros
  18h37 CCE arrecada alimentos e agasalhos nesta quarta-feira (1º) via drive-thru
  17h08 Cops divulga lista da 2ª convocação das vagas remanescentes
  13h52 30/06/20 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  16h23 Programa de Formação Complementar em Ciências Criminais realiza série de painéis temáticos
  16h02 Núcleo de Agroecologia repassa mais de 100 quilos de alimentos a famílias
  11h42 Sistema de Bibliotecas oferece serviços e auxilia em atividades não presenciais
  20h04 UEL e SETI garantem ferramenta para acesso virtual a 5 mil estudantes
  16h17 Sai nesta terça-feira (30) 2ª chamada das vagas remanescentes
  10h12 Gedal promove Asteroid Day nesta terça-feira (30), às 20 horas
  13h40 29/06/20 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  10h36 2º Ciclo de palestras da Engenharia Civil aborda temas inovadores
D
DESTAQUES ::.

Gênero cômico faz parte do ensino de Artes Cênicas

Compostos são alternativas para tratar a Leishmanios

Síndrome associada à Doença de Chagas tem alto índic

Projeto auxilia crianças a superar dificuldades moto
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br