Agência UEL de Notícias
    Londrina, Sábado, 06 de Junho de 2020 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
13/12/2019  

Projeto mapeia o cooperativismo no Brasil

Agência UEL/Natanael Pereira*

Para o professor Luis Miguel, a maioria das cooperativas se acomodou ao capitalismo, sendo raras as inovações ou condutas de resistência diante da conjuntura de exclusão social, algo genuíno à sua origem histórica.

Participação democrática, solidariedade, equidade e autonomia são alguns dos valores que norteiam a essência do cooperativismo, cuja finalidade é promover a união entre o desenvolvimento econômico e o desenvolvimento social. No entanto, grande parte das cooperativas passou a incorporar condutas de empresas capitalistas, o que leva ao distanciamento dos seus princípios e valores originais.
É justamente no sentido de entender as transformações do cooperativismo que foi criado o projeto de pesquisa "Mapeamento do Cooperativismo no Brasil: evolução, modelos e perspectivas", coordenado pelo professor Luis Miguel Luzio dos Santos, do Departamento de Administração. Ele busca analisar a trajetória do movimento no país sob diferentes vertentes. "Os estudos acerca do tema colocam o cooperativismo como algo único. Nosso objetivo é justamente se contrapor a isso e entender seus diferentes modelos de atuação", ressalta o professor.
Dentro do projeto de pesquisa, o cooperativismo é desmembrado em quatro modalidades - cooperativismo de cabresto, cooperativismo concêntrico, cooperativismo popular e cooperativismo solidário. Segundo o professor Luis Miguel, o cooperativismo concêntrico é o modelo que predomina no Brasil e no mundo. Este ocorre quando um grupo mantém domínio sobre os demais cooperados, havendo certa verticalização das relações. O cooperativismo de cabresto está relacionado à subcontratação de mão de obra, empregadores que estimulam a criação de cooperativas de trabalho pelos funcionários para não terem mais responsabilidades trabalhistas. Já os modelos de cooperativismo popular e solidário são os que mais seguem os fundamentos originais do cooperativismo. Ainda segundo ele, analisar o cooperativismo com suas distinções é essencial para a compreensão dos caminhos seguidos pelo movimento até hoje.
"Os estudos acerca do tema colocam o cooperativismo como algo único. Nosso objetivo é justamente se contrapor a isso e entender seus diferentes modelos de atuação",  ressalta o professor
O professor também esclarece que mesmo num momento em que as cooperativas seguem modelos capitalistas, ainda se distinguem das empresas tradicionais por aderirem a princípios mais coletivistas e democráticos. De acordo com Luis Miguel, é possível notar, a partir de estudos anteriores, que vivemos um cooperativismo com fortes traços conservadores, em que a mão de obra assalariada é dominante e o seu tratamento difere pouco dos dados pelas empresas tradicionais. O fato é que a maioria das cooperativas se acomodou ao capitalismo, sendo raras as inovações ou condutas de resistência diante da conjuntura de exclusão social, algo genuíno à sua origem histórica.  
O professor cita as cooperativas de reciclagem como um exemplo que visa resgatar as origens do cooperativismo. Elas se enquadram no modelo de economia solidária, pela forma de gestão que propõe a ser democrática e horizontal. Segundo ele, o início do cooperativismo, que se deu por uma necessidade, é muito parecido com a realidade dos catadores das cooperativas, que também buscam uma alternativa de trabalho e renda.
Instituir a cultura do cooperativismo no país é complexo, uma vez que o empreendedorismo individual ainda é muito forte e, ao mesmo tempo, interfere na busca por alternativas coletivas. Um dos caminhos apontados pelo professor Luis Miguel é o exemplo da Dinamarca, que há mais de 50 anos passou a instituir disciplinas ou conteúdos transversais de cooperativismo no currículo escolar das crianças. "Isso acaba instigando uma cultura diferente. No Brasil ainda existe um forte traço de competição entre as pessoas, de maneira que elas são enaltecidas e induzidas a empreender individualmente. Instituir conteúdos que norteiam a cooperação na educação é uma das sementes para que ocorra uma profunda mudança na sociedade", opina.  
Impacto econômico
O professor aponta que o cooperativismo pode gerar inúmeras vantagens, na medida em que promove a união entre pequenos produtores e pequenas empresas no sentido de traçar estratégias conjuntas, potencializando os resultados coletivos. Apesar do grande potencial, ele explica que o cooperativismo é uma área subutilizada na economia do país. Um dos resultados disso é que o Brasil tem apenas cerca de 7% do seu Produto Interno Bruto (PIB) movimentado por cooperativas, enquanto a média mundial é de 10%. Considerando países socialmente mais avançados como Nova Zelândia, Noruega, Finlândia, Dinamarca, França e Islândia, esse número varia entre 25% e 50%.
O Paraná é o estado mais cooperativo do Brasil, tendo cerca de 20% do seu PIB movimentado por cooperativas. Assim como todo o Brasil, o estado se destaca essencialmente na área agrícola. Vale ressaltar que o Paraná abriga a maior cooperativa agrícola do país - Coamo Agroindustrial Cooperativa, localizada em Campo Mourão. Só o estado contabiliza cerca de 240 cooperativas, sendo que em todo o país existem cerca de 6.500. 
Pesquisa
O projeto de pesquisa envolve alunos de graduação e do Mestrado em Gestão e Sustentabilidade, ambos do Departamento de Administração. A pesquisa está na fase de levantamento do referencial teórico e de resgate histórico do cooperativismo no Brasil e no mundo. Já a partir do ano que vem, a ideia é apontar indicadores e analisá-los ao longo da trajetória histórica e geográfica. Segundo o professor Luis Miguel, o tema é amplo e pode ser desmembrado em diferentes publicações, como artigos científicos, jornais, revistas e a elaboração de um livro.
O professor ressalta que mesmo após o término do projeto, o intuito é acompanhar de perto o desenvolvimento do cooperativismo ao longo do tempo. Uma grande preocupação, segundo ele, é fazer que os resultados do projeto sejam levados para além do ambiente acadêmico, como por exemplo através da participação em eventos promovidos pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), além de fomentar a educação para a cooperação no ensino fundamental. 
*Estagiário de Jornalismo na COM
Esta matéria foi publicada no Jornal Notícia nº 1.404. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  19h08 Câmara de Graduação propõe reinício de atividades de forma não presencial, a partir de 29 de junho
  17h33 30 anos da UEL FM: especial musical e campanha com histórias da emissora educativa
  16h01 Museu Histórico recebe recursos para revitalizar instalação elétrica
  15h36 Equipe do Centro de Tratamento de Queimados divulga programação online do Junho Laranja
  13h27 05/06/20 Boletim - Em estado de alerta contra o coronavírus (Rádio UEL FM)
  11h31 Dados oficiais confirmam previsão de pesquisadores sobre empregos perdidos
  09h49 Café com Libras produz vídeos e dissemina a Língua Brasileira de Sinais
  16h13 Colegiado de Nutrição promove curso sobre formação profissional
  13h51 04/06/20 Boletim - Em estado de alerta contra o coronavírus (Rádio UEL FM)
  16h52 Produção do CECA integra professores, estudantes e comunidade
  17h48 Ensino, sociologia e atividade pedagógica são temas de evento internacional do Lenpes
  14h57 PRÉ-SIMVAS destaca o bem-estar animal e reúne estudantes de Veterinária, Biologia e Zootecnia
  17h47 Parceria entre UEL e Prefeitura de Londrina atende trabalhadores da região
  15h34 Curso online sobre plantão psicológico contabiliza 160 participantes
  15h43 Convocados 73 candidatos na 8ª chamada do Vestibular 2020
  13h42 03/06/20 Boletim - Em estado de alerta contra o coronavírus (Rádio UEL FM)
  11h42 Pesquisadores mapeiam segurança alimentar junto a estudantes da rede municipal
  09h51 Professora do CEFE aborda a classificação funcional no esporte adaptado
  11h18 A pandemia sob o olhar do historiador: como o presente será contado no futuro?
  11h36 Núcleo de Telemedicina e Telessaúde do HU/UEL expande teleconsultas a pacientes
  13h56 02/06/20 Boletim - Em estado de alerta contra o coronavírus (Rádio UEL FM)
  10h15 Mestrado em Psicologia aborda processo de luto na pandemia de COVID-19
  16h15 Ciclo de Palestras coloca o tema Ciência da Informação em debate
  16h43 CCE retoma campanha para arrecadação de alimentos e beneficia pessoas carentes
  14h04 01/06/20 Boletim - Em estado de alerta contra o coronavírus (Rádio UEL FM)
  11h00 Campanha UEL Solidária inclui livros em cestas doadas às famílias
  16h13 Departamento de Agronomia e parceiros promovem 1º Ciclo de Palestras Agro
D
DESTAQUES ::.

Gênero cômico faz parte do ensino de Artes Cênicas

Compostos são alternativas para tratar a Leishmanios

Síndrome associada à Doença de Chagas tem alto índic

Projeto auxilia crianças a superar dificuldades moto
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br