Agência UEL de Notícias
    Londrina, Segunda-Feira, 30 de Março de 2020 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
12/12/2019  

ARTIGO: Um futuro utópico ou distópico?

André Luís Vizzaccaro-Amaral*

A autodenominada "indústria 4.0", coqueluche na mídia e nos cursos de "Master of Business Administration" (MBA) pelo mundo afora, sobretudo com o potencial disruptivo da tecnologia 5G, confronta-se, diametralmente, com a realidade precarizante do mundo do trabalho em pleno século XXI. Tal realidade constatada no mundo todo contabiliza, anualmente, 374 milhões de acidentes não-fatais e adoecimentos e 2,78 milhões de mortes de trabalhadores em decorrência do trabalho. Isso equivale a 12 acidentes de trabalho a cada segundo e a uma morte a cada 12 segundos, gerando um impacto econômico na ordem de 3,94% do Produto Interno Bruto (PIB) global, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Essa "inovação disruptiva", que vem encontrando um desafio importante na disputa entre EUA e China pelo controle da tecnologia 5G no mundo, é uma das recentes faces da chamada "reestruturação produtiva". Desde os anos 1970, com o modo de produção flexível difundido pela Toyota e pela Volvo, a reestruturação produtiva alcançou uma escala planetária, sendo alavancada nos anos 1990, após a queda do muro de Berlim e da União Soviética, com a intensificação do processo de "globalização".
Esse cenário, contudo, não resultou apenas do acúmulo de conhecimento técnico-científico, sobretudo após duas grandes guerras mundiais, mas, principalmente, do que algumas linhas críticas do pensamento econômico e sociológico chamam de "crise estrutural do sistema capitalista", caracterizada, entre outras coisas, pela queda das taxas de lucro das empresas, pelo aumento do custo da força de trabalho, pela diminuição do consumo e pela crise fiscal dos países por todo o mundo.
"A relação entre crise econômica, trabalho, subjetividade e saúde é indissociável em um mundo complexo e repleto de contradições"
A reestruturação produtiva, portanto, foi e continua sendo uma espécie de resposta à crise sistêmica do capitalismo e vem promovendo profundas alterações na conformação do mundo do trabalho. Chamada de "nova morfologia do trabalho", essa nova conformação se caracteriza pelo recuo dos postos de trabalho no setor industrial e rural e pela ampliação no setor de serviços. Tal dinâmica foi difundida ostensivamente pela mídia global e pela literatura especializada desde a década de 1990, com o modelo de "organização horizontalizada e enxuta" (com reengenharias conhecidas como "downsizing", por exemplo), por um lado, e com a ampliação dos serviços voltados para áreas como "marketing", logística e "compliance", por outro, tendo a "terceirização" assumido um papel importante no processo.
A crise financeira global de 2008, cujo epicentro foi atribuído ao "subprime" (crédito de risco) nos EUA e que, até o momento, não foi totalmente superada (conforme demonstram os pífios crescimentos econômicos de países desenvolvidos e em desenvolvimento, sobretudo EUA e China, nos últimos anos), intensificou as sequelas da crise estrutural do sistema ao longo dos anos 2010. O trabalho na era digital (na expectativa de alargar as taxas de lucro) e as reformas trabalhistas (para diminuir o custo da força de trabalho) e previdenciárias (para atacar a crise fiscal do Estado), que se espalharam pelo mundo todo, recentemente, acabaram por se tornar soluções e/ou remédios amargos para o enfrentamento da crise.
Essa nova morfologia do trabalho, em que a ampliação do setor de serviços, o trabalho na era digital e as reformas trabalhistas e previdenciárias se destacam, implica em importantes consequências para as condições e relações de trabalho no mundo atual, tendo sérias reverberações para a subjetividade e a saúde das pessoas que trabalham.
O trabalho na era digital vem se caracterizando pela "desterritorialização" e "destemporalização" do trabalho, invadindo o espaço e o tempo de vida das pessoas que dependem do trabalho. Afinal, se é possível trabalhar, remotamente, pelo computador ou pelo celular, pouco importa onde se esteja e quando se acessa as informações que tramitam em fluxo contínuo.
Aliado à desterritorialização e à destemporalização, as reformas trabalhistas, que vêm "flexibilizando" as relações de trabalho (sobrepondo o acordado sobre o legislado, por exemplo), são difundidas como modelo modernizante para os novos tempos do trabalho na era digital, desonerando as organizações produtivas, garantindo segurança jurídica para os contratos de trabalho e diminuindo o papel fiscalizador e mediador do Estado na relação entre organização e trabalhador, tentando garantir, com isso, a alegada "liberdade econômica".
Por sua vez, as reformas previdenciárias, sob o pretexto dos supostos rombos financeiros relacionados, principalmente, com as aposentadorias (fazendo uso, muitas vezes, de "contabilidade criativa"), são propagadas como soluções para a crise fiscal do Estado, diminuindo o custo e a amplitude do sistema de proteção social, em prol das contas públicas, que, segundo tal lógica,  precisam ser preservadas para o pagamento de dívidas e para investimentos.
Acontece que tais medidas não vêm garantindo melhores condições de trabalho para os trabalhadores. Ao contrário, na Europa, o aumento no número de postos de trabalho vem sendo acompanhado por uma onda de insatisfação da população, que protesta contra a precarização do trabalho, caracterizada pelo trabalho parcial, temporário e/ou autônomo, sem os benefícios e proteções a que os europeus estavam habituados. No Brasil de hoje, após a reforma trabalhista de 2017, cerca de 40 milhões de trabalhadores (41,4% da força de trabalho) estão na informalidade, derrubando a produtividade da economia brasileira.
Relatórios importantes da OIT vêm denunciando, há alguns anos, que tais medidas não geraram empregos melhores e, ao contrário, ampliaram as taxas de desemprego em curto e médio prazos, além de precarizarem as condições de trabalho, agravando o quadro de saúde física e mental dos trabalhadores onde tais medidas foram implementadas. Sem um sistema de proteção social amplo e universal, populações inteiras acabam ficando desamparadas, como no caso do Chile, em que 80% dos aposentados ganham menos que um salário mínimo e 44% da população vive abaixo da linha de pobreza.
Os recentes levantes na América Latina e Europa são uma espécie de resposta da população a tal realidade. Uma resposta trespassada pela exploração, pelo desgaste, pelo adoecimento, pelo sofrimento e pela perda de sentido de uma vida tomada pelo trabalho precário. Resta saber os rumos que serão tomados a partir daqui. 
* Professor do Departamento de Psicologia Social e Institucional do CCB/UEL.
Este artigo foi publicado no Jornal Notícia nº 1.404. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  13h44 UEL se disponibiliza para estruturar centro de testagem do COVID-19 no HU
  10h41 Projeto de extensão "UEL Pela Vida" atua em três frentes contra o coronavírus
  01h02 Nota da Reitoria sobre o Decreto 4.312/2020 do Governo do Paraná que concede afastamento em Licença Especial
  16h28 Proex divulga resultado do edital do Programa de Prevenção ao Coronavírus
  16h52 Parceria com confecção de Cambé produz 8 mil máscaras para o HU/UEL
  16h22 Hemocentro de Londrina mantém serviço de coleta
  11h40 UEL e Londrix selecionam 20 poesias londrinenses para o Mural Poético
  17h58 Governo repassa R$ 3,8 milhões ao HU/UEL para combate à pandemia
  17h16 Serviço de Bem-Estar à Comunidade adota atendimento virtual durante suspensão de atividades
  16h49 HU/UEL divulga mudanças no atendimento ao paciente do Ambulatório de Especialidades
  16h33 Curso de Enfermagem reforça vacinação contra gripe e atende 400 idosos de Rolândia
  13h43 APIESP se posiciona em defesa da abertura de concurso público
  09h57 Grupo da UEL produz vídeos com histórias em inglês para crianças
  09h27 CNPq atende bolsistas e coordenadores de projetos
  15h01 Para estudantes de Engenharia, Agronomia e Geociências
  17h07 Acadêmicos da Engenharia Elétrica e Física ganham R$ 5 mil em prêmio da Capes
  16h40 Estudantes do curso de Enfermagem vacinam idosos de Rolândia
  16h30 HU/UEL promove primeiro treinamento sobre procedimento de ventilação em pacientes críticos
  14h48 Casa de Cultura e Museu Histórico divulgam atendimento por e-mail
  11h36 Capes prorroga manutenção de bolsas no exterior durante pandemia
  11h17 Governo do Estado divulga resultado do Edital de combate ao coronavírus
  10h39 ATI implementa novo sistema de atendimento e solicitação de serviços
  17h40 Ação entre amigos do HU/UEL arrecada doações para confecção de máscaras e uniformes
  16h20 Plantão da COU suspende atendimento noturno e durante finais de semana
  11h26 Álcool tratado pela UEL vai ser usado em viaturas de 89 municípios da região
  11h10 Farmácia Escola adota horário diferenciado de atendimento a partir desta quarta-feira (25)
  10h46 Professores e estudantes do CCS produzem álcool 70% e reforçam combate ao coronavírus
D
DESTAQUES ::.

Gênero cômico faz parte do ensino de Artes Cênicas

Compostos são alternativas para tratar a Leishmanios

Síndrome associada à Doença de Chagas tem alto índic

Projeto auxilia crianças a superar dificuldades moto
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br