Agência UEL de Notícias
    Londrina, Quinta-Feira, 12 de Dezembro de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
11/11/2019  

Projeto oferece formação complementar sobre autismo

José de Arimathéia

Professora Silvia Murari: o Transtorno do Espectro Autista não é encarado por seu grau de severidade mas pelo comprometimento da funcionalidade da criança

Ao detectar lacunas na formação, professora criou, há cinco anos, projeto de ensino para oferecer a estudantes - especialmente Psicologia, Enfermagem e Medicina - contato mais aprofundado com o Transtorno de Espectro Autista  

Quando fazia seu Mestrado na PUC/SP (concluído em 2004), estudando a variabilidade comportamental, a professora Silvia Cristiane Murari (Departamento de Psicologia Geral e Análise do Comportamento) conheceu um grupo que desenvolvia o mesmo tema, mas com crianças autistas. Motivada, já foi pensando no Doutorado.

De volta à UEL, criou o projeto "Conhecendo o transtorno do espectro autista" para investigar como os TEAs são abordados nos cursos de graduação e pós-graduação. Descobriu que não existem disciplinas específicas em nenhum nível, e que o tema é apenas mencionado, entre outros transtornos e doenças. Atualmente o projeto conta com 21 alunos, mas número bem maior já passou por ele em cinco anos. Com isso, conseguiu um amplo levantamento da literatura sobre o assunto, capaz de orientar pesquisas e aprofundar estudos em sala de aula.

Silvia Murari também conheceu a realidade do Canadá. Ela esteve num órgão, em Winnipeg, que cuida de todas as crianças canadenses diagnosticadas com TEA. A oportunidade surgiu porque a diretora do órgão é brasileira, que Silvia conheceu na PUC/SP. No Doutorado, a professora da UEL avaliou protocolos das Unidades Básicas de Saúde de Londrina e se aprofundou em uma delas, que registrou maior número de atendimentos de casos de crianças com TEA.

O projeto funciona então como uma complementação da formação dos estudantes, e é aberto não apenas a acadêmicos de Psicologia, mas de Medicina, Enfermagem e qualquer interessado, inclusive alunos de pós-graduação. Nos encontros, discutem características do TEA, etiologia, avaliações, modelos de intervenção, fazem estudos de casos, recebem pesquisadores, convidados, entre outras atividades. Existe ainda uma parceria com uma pesquisadora (ex-aluna da UEL) da Universidade do Missouri, em St. Louis (EUA).

O projeto de ensino já gerou um desdobramento - um projeto de pesquisa, em vigor mas ainda incipiente, para capacitar alunos e, num segundo momento, oferecer serviço de atendimento à comunidade, uma vez que existe uma demanda por atendimento especializado.

SINAIS

A professora explica que o TEA tem sido muito estudado, mas há muito para descobrir. Não se sabe, por exemplo, com exatidão, qual a causa do transtorno. O diagnóstico só pode ser feito por um médico, mas a avaliação é puramente clínica, baseada nos sintomas, por isso é fundamental uma equipe multidisciplinar, com profissionais de Psicologia, Pedagogia, Fonoaudiologia, entre outros. Até porque os sintomas do TEA podem ser indício de outro problema. Os falsos positivos são um dos desafios enfrentados pelos profissionais e familiares.

O que se sabe é que, se os pais, familiares ou professores ficarem atentos aos primeiros sinais, e houver uma intervenção precoce adequada, a crianças responderá melhor, mesmo antes do diagnóstico. Ou seja, mesmo diagnosticada autista, poderá melhorar habilidades como a comunicação, a interação e a sociabilização.

O primeiro sinal, ou marcador, segundo a professora Silvia, pode ser observado aos 6 meses de idade da criança: é o olhar. Se ela apresenta dificuldades em manter o contato visual com os olhos dos pais, é importante dar atenção a isto. Também se espera que a criança balbucie aos 6 meses e, aos 8, que demonstre apego - por exemplo, estenda os braços querendo voltar ao colo onde estava, ou acenar dando "tchau". Aos 12 meses, espera-se que tenha atenção compartilhada - um exemplo é acompanhar, com o olhar, as pessoas que estão falando perto dela.

Também existem mitos em torno do TEA, como o de que o autista necessariamente demonstre alguma super-habilidade, como uma memória prodigiosa.

O Transtorno do Espectro Autista não é encarado por seu grau de severidade, mas pelo comprometimento da funcionalidade da criança. Quando ela apresenta uma estereotipia forte, ou seja, possui um comportamento agressivo, machuca a si mesma, ou segue rígidos "rituais" próprios, logicamente não pode ficar sozinha e a dificuldade de frequentar uma escola é bem maior. O mesmo acontece se ela, desde cedo, demonstra dificuldades de comunicação - e o primeiro sinal pode ser a criança não apontar para as coisas, como o "au au" ou a "mamãe", mostrados para ela.

Por outro lado, a criança autista pode vir a ser um adulto funcional. A UEL, por exemplo, já contabilizou 33 alunos com TEA, sendo o primeiro caso registrado de 2009. Em 2018, eram 6 e, embora os números não estejam fechados, este ano são 7. Destes, 5 já se formaram, cada um num curso diferente. Também um aluno de pós-graduação, que já concluiu.

NÚMEROS

De acordo com a professora Silvia Murari, nos Estados Unidos, há 1 criança autista para cada 59. Para se ter uma ideia do quanto o número vem crescendo, era 1 a cada 2000 nos anos 90. No Brasil, não há um estudo epidemiológico, por isso existe apenas uma estimativa de que haja entre 1 e 2 milhões de autistas.

Esta matéria foi publicada no Jornal Notícia nº 1.402. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  10h01 ARTIGO: Um futuro utópico ou distópico?
  08h57 OSUEL encerra Temporada Ouro Verde 2019 nesta quinta (12)
  08h26 Documentário aborda militância de travestis e trans de Londrina
  16h50 'Terra Vermelha' fortalece visibilidade de projetos da UEL e serviços à população
  16h57 Capela Sonora apresenta grupo Canto da Lira, nesta quinta-feira
  16h03 Curso de Relações Públicas da UEL comemora 45 anos
  16h05 Convênio entre UEL e Prefeitura resulta em economia de R$ 16 milhões em seis meses
  16h35 Prograd lança novo serviço de comunicação on line para estudante de graduação
  17h15 Aniversário de Londrina suspende atividades na UEL
  17h10 Inscrições para Residência Técnica em Gestão Pública abrem nesta terça (10)
  16h03 Estudante indígena apresenta trabalho de conclusão na Reserva Apucaraninha
  15h31 Cine Com-Tour/UEL apresenta dois longas esta semana
  14h59 HU atende cerca de 600 pessoas em campanha de câncer de pele
  14h55 Professor defende educação como direito humano e sinônimo de humanização
  17h29 UEL sobe posição em ranking internacional de sustentabilidade
  17h29 Empresa Júnior promove Colônia de Férias a partir de segunda-feira (9)
  22h00 Universidade prorrogará contratos de 244 professores temporários
  11h43 Laboratório de Análise de Água amplia serviços e reforça atendimento à população
  10h21 Inscrições abertas: Curso de Psicologia Hospitalar 2020
  10h29 Escritório de Apoio ao Pesquisador prioriza auxílio técnico aos pesquisadores da UEL
  15h07 Pesquisador desenvolve insumo que controla pragas e melhora produção agrícola
  09h08 Museu Histórico de Londrina promove Bazar Solidário no sábado (7)
  08h26 Manutenção em rede suspende atendimento do Pronto Socorro odontológico, domingo (8)
  17h51 Projeto de Artes Cênicas aproxima UEL de comunidades rurais
  16h38 Museu Histórico inaugura exposição sobre memória indígena neste sábado
  16h35 UEL FM abre série especial sobre projetos desenvolvidos na Universidade
  15h38 Professora do CCH lança Bodas de Café e faz homenagem ao Proteu
  17h16 Inscrições para programa de mobilidade nacional terminam dia 16
  11h14 UEL conquista quatro destaques no 32º Prêmio de Ciência e Tecnologia da SETI
  09h17 Teatro Ouro Verde recebe apresentações da Escola Municipal de Dança
  08h11 Última edição da Feirinha da Cidadania é nesta quinta-feira (5), na Reitoria
D
DESTAQUES ::.

ARTIGO: Um futuro utópico ou distópico?

Projeto de Artes Cênicas aproxima UEL de comunidades

Jornal Notícia - 1.404

Semana aborda evidências da Relatividade Geral
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br