Agência UEL de Notícias
    Londrina, Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
21/10/2019  

Professor desenvolve pesquisas na área de planejamento territorial

Juliana Félix*

Antonio Guerra abriu a XXXV Semana de Geografia da UEL e II SINAGGET

Professor da UFRJ desenvolve pesquisas na área de planejamento territorial, com foco na Geodiversidade, na Geoconservação e no Geoturismo

Antonio José Teixeira Guerra, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e autor de mais de 20 livros publicados na área da Geografia, foi o responsável pela Conferência de Abertura da XXXV Semana de Geografia da UEL e II Simpósio Nacional de Geografia e Gestão Territorial (SINAGGET), realizado pelo Departamento de Geociências da UEL em agosto.

Referência em assuntos como erosão dos solos, movimentos de massa, meio ambiente e impactos ambientais, o geógrafo tem direcionado seus estudos a três conceitos norteadores que interferem diretamente no planejamento territorial de um ambiente: Geodiversidade, Geoconservação e Geoturismo. Os conceitos, que vêm recebendo constante valorização entre profissionais e pesquisadores, estão relacionados à variedade de ambientes, fenômenos e processos geológicos e ações desenvolvidas no sentido de preservar essa diversidade, associados a seu conhecimento científico.

O inglês Thomas Hose, um dos primeiros a introduzir o conceito de Geoturismo na literatura científica, propôs que o termo fosse usado para a "disponibilização de serviços e meios interpretativos que promovem o valor e os benefícios sociais de lugares com atrativos geológicos e geomorfológicos, assegurando sua conservação, para o uso de estudantes, turistas e outras pessoas com interesses recreativos e de ócio".

A Geodiversidade se caracteriza pela diversidade de formas de relevos, fósseis, minerais e solos, e segundo o professor pode ser vista como ponto de partida na discussão. O Geoturismo se apresenta como uma alternativa que procura aproveitar e conservar os recursos naturais, com participação da população local, investindo nas belezas naturais, história, cultura e gastronomia de uma região. E para usar isso da forma mais sustentável possível, é necessário que se pense em Geoconservação.

Guerra explica que profissionais já trabalhavam com a ideia de geoconservação, geoturismo e geodiversidade na década de 90, mas não propriamente com esses termos. O Simpósio Internacional sobre a Proteção do Patrimônio Geológico, realizado em 1991 na França, que originou a "Declaração Internacional dos Direitos à Memória da Terra", serviu como ponto de partida na discussão desses conceitos e promoveu um maior alcance do tema em nível mundial. No início, o estudo era feito apenas por geólogos. No entanto, a novidade é que nos últimos 10 anos geógrafos também passaram a trabalhar com a temática.

A efetivação desses conceitos é importante para que paisagens e geossítios sejam preservados como elementos naturais que contêm informações que mostram o processo de evolução geológica da Terra. Os geossítios são caracterizados por elementos da geodiversidade com espaços bem delimitados e que apresentam valor singular do ponto de vista científico, cultural e/ou turístico. Cada geossítio pode ser designado como um ponto de observação para turistas, como museus, cascatas, cachoeiras, igrejas, morros, entre outros.

GEOPARQUE

O geoparque, conceito atrelado aos demais, é o espaço responsável por gerar atividade econômica a partir do turismo, envolvendo geossítios representativos da história geológica da região em foco. A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) estabelece critérios para que uma área seja designada como um geoparque. Entre eles, estão o de preservar o patrimônio geológico para as futuras gerações (geoconservação), educar e ensinar o grande público sobre temas geológicos e ambientais, assegurar o desenvolvimento sustentável através do geoturismo, reforçando a identificação da população com sua região e gerar novas fontes de renda para a população local e atrair capital privado.

Segundo Guerra, a proposta do geoparque é diferente da conotação de parques nacionais e estaduais, que são de proteção integral e não podem sofrer basicamente nenhuma intervenção. Esses são administrados pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) ou por Secretarias Estaduais de Meio Ambiente.

O professor explica que os estudos da área são no sentido de orientar sobre o que pode ser feito. "A implicação de geoparque propõe que possamos aproveitar e conservar ao máximo (geoconservação) os recursos naturais, história, cultura e gastronomia de uma região. As ações atraem turistas, não degradam o ambiente e inserem a população local nesse meio. Tem o propósito de gerar renda e emprego em sua localidade".

O Serviço Geológico do Brasil (CPRM) é o órgão responsável pela identificação, levantamento, descrição, inventário, diagnóstico e divulgação de áreas com potencial para se tornarem geoparques, seguindo conceitos dos Geoparques Mundiais da UNESCO.

O Geoparque Mundial Araripe, que integra a Floresta Nacional do Araripe-Apodi e ocupa o sul do Ceará, o noroeste de Pernambuco e o leste do Piauí, é o primeiro geoparque da América Latina reconhecido pela UNESCO. Além dele, apenas "Grutas do Palácio", no Uruguai, entrou para a Rede Mundial de Geoparques da UNESCO. De acordo com o geógrafo, o Brasil está atrasado no que se refere à quantidade de geoparques, comparado a Portugal, que é significamente menor em extensão territorial e já soma quatro geoparques reconhecidos mundialmente.                       
      
"A implicação de geoparque propõe que possamos aproveitar e conservar ao máximo os recursos naturais, história, cultura e gastronomia de uma região. As ações atraem turistas, não degradam o ambiente e inserem a população local nesse meio. Tem o propósito de gerar renda e emprego em sua localidade"
      

Ter um Geoparque chancelado pela UNESCO é um processo que pode levar alguns anos. Caso o local preencha os requisitos, são reexaminados o funcionamento e sua qualidade a cada quatro anos, a partir de um relatório de progresso e avaliação a campo. Guerra afirma que a principal vantagem de ter a aprovação do órgão é por sua visibilidade internacional, que atrai turistas do mundo inteiro. Atualmente existem 127 Geoparques Mundiais da UNESCO em 35 países.

O pesquisador da UFRJ destaca um artigo, feito em parceria com o professor Michael Augustine Fullen, da Universidade de Wolverhampton (Inglaterra), reconhecido por suas contribuições na área da Geomorfologia, com quem trabalha há 18 anos. A pesquisa inclui os desafios do uso não planejado do geoturismo praticado em trilhas, problemas de erosão de solo, problemas com lixos e áreas degradadas queimadas nesses ambientes.

O trabalho foi feito baseado em pesquisas sobre degradação ambiental e análises realizadas pelo Laboratório de Geomorfologia Ambiental e Degradação do Solo (LAGESOLOS) para contribuir com a geoconservação. Os resultados procuraram orientar a conservação e o manejo da geodiversidade, sem a interrupção da rede de geoturismo do Parque Nacional Serra da Bocaina, no Rio de Janeiro.

O Geoparque Mundial Araripe é o primeiro da América Latina reconhecido pela UNESCO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Antonio Guerra afirma que na efetivação dos conceitos - geodiversidade, geoturismo e geoconservação - são passadas noções de educação ambiental o tempo todo.

Durante sua passagem pela Universidade de Wolverhampton, participou de um projeto de Educação Ambiental, resultado da parceria entre ONG's e escolas públicas, que levava crianças para terem contato com o meio ambiente e aprenderem sobre a temática na prática.

Quando voltou ao Brasil, aproveitou a metodologia e passou a reproduzir o Projeto, adaptado à realidade local, com crianças de escolas públicas da cidade de Ubatuba, no interior de São Paulo. Segundo ele, a ação é importante porque são práticas que interessam às crianças e as orientam, desde cedo, a cuidar e aprender sobre natureza e suas possibilidades.

LABORATÓRIO

O Laboratório de Geomorfologia Ambiental e Degradação do Solo (LAGESOLOS), do departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é coordenado pelo professor Antonio José Guerra desde sua criação, há 25 anos. Com a colaboração de seus alunos, o geógrafo criou o espaço para que pudessem trabalhar com erosão de solos.

O professor explica que hoje são desenvolvidos trabalhos em muitas outras áreas, além da erosão de solos. O Laboratório conta com a participação multidisciplinar de profissionais como arquitetos e biólogos e envolve cerca de 20 pessoas, incluindo bolsistas, estagiários, mestrandos, doutorandos e pesquisadores associados.

Juntamente com o grupo de pesquisa, o professor tem publicado vários trabalhos com temas nas áreas de classificação de solos, estudos de impactos ambientais, diagnósticos ambientais e mapeamento de riscos. O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ) financiam vários projetos em andamento do LAGESOLOS.

* Estagiária de Jornalismo na COM

Esta matéria foi publicada no Jornal Notícia nº 1.401. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  17h44 Palestra de medalhista encerra Semana da Educação Física e do Esporte
  16h43 Casa do Pioneiro e Cequinha são usados como sets de filmagem para curta-metragem
  17h01 Atividades do CEFE reforçam prevenção ao afogamento de crianças
  17h11 Pesquisa investiga proteção jurídica da terra no Brasil
  15h58 Professores e alunos de licenciaturas divulgam resultados do PIBID
  15h49 Integrantes do projeto OBMEP participam de Encontro Regional sobre IC
  15h38 Cursinho da UEL aprova 258 estudantes na 1ª fase do Vestibular 2020
  09h58 Ciclo Hannah Arendt 2019 tem inscrições abertas para ouvintes
  09h16 UEL aplica provas de residências do HU para 625 candidatos
  16h39 Projeto oferece formação complementar sobre autismo
  18h06 UEL inaugura oficialmente a primeira Usina Fotovoltaica da região de Londrina
  18h26 Professores participam de Colóquio Internacional sobre racismo na educação superior
  17h05 1ª fase do Vestibular 2020 tem 8.419 candidatos aprovados
  17h23 Divisão de Artes Cênicas recebe três apresentações da Cia. Grita de Palhaças
  11h03 Evento debate inovação, processos de análises e controles de processos
  10h38 Professora da UEL usa jogos que estimulam raciocínio lógico e criatividade
  10h15 Semana da Educação e Encontro Internacional têm mais de mil inscritos
  17h29 Primeira Usina Fotovoltaica da UEL será entregue nesta sexta (8)
  17h29 Pesquisadores debatem ações de Comitê de Ética em pesquisa envolvendo seres humanos
  15h14 UEL participa de Seminário sobre direitos da criança, idoso e pessoa com deficiência
  09h40 Inscrições da Prova Pedestre 2019 da UEL terminam domingo (10)
  08h54 Edital da Capes oferece bolsas de doutorado na Alemanha
  08h26 Professora do CCE oferta minicurso sobre software "R", em Maringá
  10h40 Um Homem Fiel entra em cartaz no Cine Com-Tour/UEL
  15h35 Conselho aprova resolução que institui Liberdade de Cátedra nas atividades acadêmicas
  14h48 Semana da Educação Física e Esporte tem homenagem aos aposentados
  16h23 Programas intensificam formação de estudantes de licenciaturas
  09h56 Feirinha da Cidadania oferece opções de alimentos e artesanatos
  11h22 Gedal convida comunidade para observação da lua e planetas
  09h33 Grupo sobre Envelhecimento debate cuidados na demência avançada
  09h15 Professores e alunos participam de Encontro de Iniciação Científica
  08h57 HU/UEL promove Jornada de Práticas Assistenciais em Lesão de Pele
  16h18 Equipe do Museu de C&T participa da 8ª Ficiências, em Foz do Iguaçu
  15h54 Resultado da 1ª fase do Vestibular 2020 sai dia 8, às 17 horas
  15h19 Campanha quer incentivar destinação de Imposto de Renda para entidades de Londrina
  15h09 Serviço Social e Associação de Voluntários promovem bazar
  14h59 Grupo Vocal Épocas e H.U em Canto fazem apresentações em Natal
  14h53 Campanha quer incentivar destinação de Imposto de Renda para entidades de Londrina
  14h40 Estudantes do curso de Odontologia são premiados em Congresso
  10h39 Seminário de mestrado UEL/Unimar contabiliza 193 trabalhos científicos
  09h50 Debate destaca o tema tecnologia para geração de energia renovável
  08h55 Abertas inscrições para o 1º Prêmio CAPES Talento Universitário
  08h36 Jornada de Práticas Clínicas debate psicologia clínica e interfaces com a Justiça
D
DESTAQUES ::.

Professores criam bioinseticida que elimina larvas d

Pesquisa investiga proteção jurídica da terra no Bra

Projeto oferece formação complementar sobre autismo

Jornal Notícia - 1.402
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br